Google+

sábado, 21 de março de 2015

Maior doação de contas secretas na Suíça foram para Aécio Neves

Comentar a postagem
Lista de brasileiros com contas no HSBC na Suíça tem 16 doadores da última campanha eleitoral. Aécio Neves é o que mais recebeu doações destas contas em 2014.

Se caso o Youtube e o PSDB censurarem novamente outro vídeo

quinta-feira, 19 de março de 2015

MOMENTO DA DELAÇÃO DO YOUSSEF QUE ENTREGA PROPINA PARA AÉCIO NEVES

Comentar a postagem

MOMENTO DA DELAÇÃO DO YOUSSEF QUE ENTREGA... por psdbcensuradopeloyoutube vídeo em que o doleiro Youssef acusa Aécio de arrecadar dinheiro em Furnas

Muitos dos marchadores e paneleiros que ocuparam a Paulista no último domingo usavam camiseta igual à de Ronaldo:  “a culpa não é minha, eu votei no Aécio”.
A hipocrisia nacional ficou mais uma vez exposta.
Dois dias depois, acaba de ser divulgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o vídeo em que o doleiro Alberto Youssef afirma ter ouvido do ex-deputado federal José Janene e do presidente da empresa Bauruense, Airton Daré, que o tucano Aécio Neves dividiria uma diretoria de Furnas com o PP e que uma irmã dele faria a suposta arrecadação de recursos.
No depoimento abaixo, Youssef afirmou ter auxiliado Janene e transportado para ele, algumas vezes, propinas pagas pela empresa Bauruense por contratos em Furnas. A propina teria sido paga, segundo o doleiro, entre 1996 e 200 – durante o governo Fernando Henrique Cardoso – do PSDB.
Janene arrecadava entre US$ 100 mil e US$ 120 mil mensais, com pagamentos em espécie, em dólares ou reais.O doleiro disse ter ouvido o então deputado Janene, do PP, afirmar que a diretoria de Furnas seria dividida com o PSDB, mais especificamente com Aécio Neves.
“Ele conversando com outro colega de partido, então naturalmente saía essa questão que na verdade o PP não tinha a diretoria só, e sim dividia com o PSDB, no caso a cargo do então deputado Aécio Neves“, declarou Youssef.O doleiro afirmou ter ouvido algumas vezes que caberia a uma irmã de Aécio fazer a arrecadação de recursos na Bauruense. Em relação ao empresário, o argumento era usado para justificar o motivo de não poder repassar mais recursos a Janene. “Ele (Daré) estava discutindo valores com o seu José (Janene) e dizia: não posso pagar mais porque tem a parte do PSDB. Aí você acaba escutando”, afirmou o doleiro.
Aécio nega as acusações. o procurador Janot, estranhamente, decidiu não levar adiante as investigações sobre o tucano – que agora apóia marchas contra a corrupção no Brasil, e pela derrubada de Dilma.
Deputados de Minas levaram mais documentos a Brasília, para pedir a reabertura da investigação.
Enquanto isso, Ronaldo e Aécio seguem empurrando com a barriga…

http://www.revistaforum.com.br/rodrigovianna/plenos-poderes/assista-o-video-em-que-o-doleiro-youssef-acusa-aecio-de-arrecadar-dinheiro-em-furnas/

quarta-feira, 18 de março de 2015

Swissleaks: Fundo de investimento de Armínio Fraga é investigado nos EUA

Comentar a postagem
ArminioHSBC
O quase ministro da Fazenda de um possível governo de Aécio Neves (PSDB), Armínio Fraga, é investigado nos Estados Unidos por ter transferido US$ 4,4 milhões de uma conta nas ilhas Cayman para outra conta do HSBC na Suíça. A informação é de uma fonte do FBI, polícia federal norte-americana.
Documentos apontam ainda que, para supostamente evitar a tributação de impostos, Fraga teria declarado à Receita que o fundo era filantrópico, ou seja, isento de tributos.
Fraga foi presidente do Banco Central de 1999 a 2003, no governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB), participou da elaboração do plano de governo de Aécio Neves e era cotado para ser ministro da Fazenda do tucano. Ele tem cidadania dupla, brasileira e norte-americana
As autoridades americanas chegaram ao fundo após investigar a lista dos clientes de todo mundo que mantinham contas no do HSBC da Suíça. A lista foi vazada a jornalistas por um ex-funcionário do banco, no caso que ficou conhecido como “Swissleaks” (leia mais abaixo).
A apuração aponta que a conta beneficiada era de compensação. Conhecida como “conta-ônibus”, que só serve para transportar dinheiro — não é possível, por exemplo, fazer investimentos por ela.
Os documentos levantados pelas autoridades norte-americanas mostram ainda que antes de ser depositado no HSBC, o dinheiro foi transferido para outra conta, no Credit Bank da Suíça, supostamente para fugir do rastreamento.
As investigações apontam que, após ser enviado à Suíça, o dinheiro teria voltado para uma conta no America Bank de Nova York.
Os investigadores pediram a quebra de sigilo do fundo.
Swissleaks tem mais de 8 mil brasileiros
O vazamento de detalhes de contas de mais de 100 mil clientes do banco HSBC na Suiça em fevereiro foi batizado como “Swissleaks”. Os dados distribuídos em cerca de 60 mil documentos mostram movimentações nas contas entre 1988 e 2007, totalizando mais US$ 100 bilhões. Na lista, estão os nomes de 8.667 brasileiros que depositaram US$ 7 bilhões apenas entre 2006 e 2007.
As informações foram cedidas ao jornal francês Le Monde pelo ex-funcionário do HSBC em Genebra, Herve Falciani. O peródico francês compartilhou os dados com mais de 140 jornalistas de 54 países do ICIJ (Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos) que comanda desde então a análise e divulgação do Swissleaks.
O ministro José Eduardo Cardozo determinou que a Polícia Federal apure possíveis crimes relacionados às movimentações nas contas dos brasileiros. A Receita Federal já conduz uma investigação em busca de indícios de evasão de divisas, sonegação de impostos e lavagem

segunda-feira, 16 de março de 2015

quarta-feira, 4 de março de 2015

Citado por empresas, nome de Aécio é engavetado na Lava-Jato

Comentar a postagem
Após citação de empresa envolvida em escândalo do Lava Jato, Aécio tem seu nome arquivado por Janot 

Foto: Edilson Rodrigues/ Agência Senado: Pedido de investigação sobre Aécio não foi aceito pela Procuradoria Geral da República.Foto: Edilson Rodrigues/ Agência Senado
Pedido de investigação sobre Aécio não foi aceito pela Procuradoria Geral da República.Foto: Edilson Rodrigues/ Agência Senado

O senador Aécio Neves (PSDB), candidato a presidente da República em 2014, não está entre os nomes que serão investigados pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Ele teve seu nome citado em delações premiadas da Operação Lava-Jato, mas o pedido de inquérito não foi aceito pela Procuradoria Geral da União (PGR) e, na lista encaminhada ao STF ontem, o procurador-geral Rodrigo Janot pediu o arquivamento do pedido sugerido pelos procuradores do caso. Não é possível o acesso à íntegra dos documentos de Janot, em que será possível saber em que contexto o nome de Aécio foi citado pelos delatores.
Fonte:pautando Minas