Google+ Esquema da Lista de Furnas poderia ter migrado. Explicaria Aécio ser contra a conta de luz barata

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Esquema da Lista de Furnas poderia ter migrado. Explicaria Aécio ser contra a conta de luz barata

Deu na Agência Senado:

A Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência (CCAI), aprovou, nesta quarta-feira (12), requerimento do deputado Jilmar Tatto (PT-SP), líder da Maioria na Câmara dos Deputados, para que o ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, seja convidado a prestar esclarecimentos sobre o suposto esquema de corrupção e lavagem de dinheiro para abastecer campanhas políticas do PSDB, no início dos anos 2000, conhecido como “Lista de Furnas”.
Os tolos, a oposição e o PIG vão dizer que o escândalo é antigo, que é retaliação e blá-blá-blá. Será? Independentemente de implicações criminais, o assunto nunca foi explicado, e há um processo em curso no Ministério Público do Rio de Janeiro, porém sem atingir quem tem foro privilegiado (os políticos graúdos). FHC tem mais de 70 anos, idade em que o prazo de prescrição de crimes cai pela metade. Portanto, muito provavelmente, o código penal não o incomodará mais, na maioria dos casos. Poderia falar à nação sobre sua experiência acumulada nesses esquemas, para contribuir com melhorias nos costumes políticos.

Porém, há outro assunto atualíssimo: o que teria a ver a Lista de Furnas com a batalha do senador Aécio Neves (PSDB-MG) e dos governadores tucanos contra a conta de luz barata?

Vamos supor que houvesse alguma "Lista da Cemig", "Lista da Cesp", "Lista da Copel", já que os tucanos perderam o comando sobre Furnas, mas mantém o comando das empresas dos estados que governam.

Se a conta de luz cai, o povo fica com mais dinheiro no bolso, em vez do dinheiro ir para as empresas. Sobra menos dinheiro para pagar fornecedores, que poderiam financiar campanhas tucanas (pode até ser no caixa 1, mesmo). Tem ou não tem sentido?

Um comentário:

SampucketM M disse...

Além de tudo no acordo coletivo 2012/2013 a CEMIG ofereceu um aumento menor que a inflação, além de propor abaixar o valor da hora extra. Como uma empresa e seus defensores (PSDB) afirmam hoje, após não assinar a renovação das concessões de 21 usinas (uma furada que deram)que não assinaram porque querem uma maior diminuição do valor da energia (TV câmara), e não quer investir em seus próprios funcionários.

Postar um comentário