Google+ O Perfil dos defensores do impeachment da Presidenta Dilma

domingo, 19 de abril de 2015

O Perfil dos defensores do impeachment da Presidenta Dilma

Líderes de oposição receberam agitadores de protestos anti-governo para condenar a corrupção. Mas a ficha dos que esbravejam contra a ilegalidade e a falta de ética na política é intrigante

Jornal GGN – Lideranças de partidos de oposição ao governo receberam, na quarta-feira (15), alguns dos agitadores dos protestos dos dias 15 de março e 12 de abril - entre eles, Rogério Chequer, do Vem Pra Rua. Durante o encontro, figurões como Agripino Maia (DEM), Ronaldo Caiado (DEM), Mendonça Filho (DEM), Paulinho da Força (SD), Aécio Neves (PSDB) e Roberto Freire (PPS) tiveram a oportunidade de esbravejar contra os casos de corrupção que desgastam o PT e a gestão Dilma Rousseff.
Chama atenção, entretanto, a ficha dos defensores da ética e do combate indiscriminado à corrupção. Associação com o bicheiro Carlinhos Cachoeira, prisão por fraudes e desvios em grandes obras, contas em paraísos fiscais em nome de familiares, recebimento de propina, recursos de campanha questionados na Justiça e até falsificação de documentos para criação de partido fazem parte do histórico de acusações e dos relacionamentos intrigantes que envolvem as estrelas políticas do encontro em tela.
O GGN fez uma breve seleção:
1 - Aécio Neves (PSDB)
O neto de Tancredo Neves que construiu um aeroporto de R$ 14 milhões no terreno do tio-avô já foi questionado na Justiça sobre o paradeiro de mais de R$ 4 bilhões que deveriam ter sido injetados na saúde de Minas Gerais. O caso Copasa contra o ex-governador foi engavetado, por manobras jurídicas. Destino semelhante tiveram as menções a Aécio na Lava Jato. O tucano foi citado por Alberto Youssef como beneficiário de propina paga com recursos de Furnas. Para o procurador-geral da República, isso não sustenta um inquérito. Rodrigo Janot também cuida de outro escândalo que leva a Aécio, sob a palavra-chave Liechtenstein (um principado ao lado da Suíça). Investigando caso de lavagem de dinheiro, procuradores do Rio de Janeiro chegaram a uma holding que estava em nome da mãe, irmã, ex-mulher e filha do tucano. Esse inquérito está parado desde 2010 - época em que Roberto Gurgel era o PGR.
2- Agripino Maia (DEM)
Presidente do DEM, Agripino Maia foi dono das expressões mais sugestivas de defesa da luta contra a corrupção. "Chegou a hora de colocar o impeachment [de Dilma Rousseff]", disse no encontro com os manifestantes anti-governo. O senador tem em seu currículo a acusação de receber R$ 1 milhão em propina, em um esquema que envolvia a inspeção de veículos no Rio Grande do Norte, entre 2008 e 2011. Coordenador da campanha presidencial de Aécio, o democrata, em 2014, teve seu caso arquivado no MPF pelo ex-procurador-geral da República Roberto Gurgel. Mas foi reaberto há sete meses por Janot, e agora está sendo investigado no Supremo Tribunal Federal (STF).

3- Ronaldo Caiado (DEM)
O senador Ronaldo Caiado (DEM) é associado ao bicheiro Carlinhos Cachoeira por supostamente ter recebido verba ilícita nas campanhas de 2002, 2006 e 2010. Cachoeira foi denunciado por tráfico de influência e negociava propinas para arrecadar fundos para disputas eleitorais. O bicheiro foi preso em 2012 por operação da Polícia Federal que desbaratou esquema de adulteração de máquinas caça-níquel. Caiado foi citado nesse contexto, recentemente, por Demóstenes Torres. Ele teria participado de negociação entre Cachoeira e um delegado aposentado que queria ampliar esquemas de jogo ilegal. Até familiar do democrata já foi alvo de denúncia. O pecuarista Antônio Ramos Caiado, tio de Caiado, está na lista suja do trabalho escravo.

4- Roberto Freire (PPS)

Uma das principais acusações que pesam contra o presidente nacional popular-socialista é de envolvimento com o Mensalão do DEM. A diretora comercial da empresa Uni Repro Serviços Tecnológicos, Nerci Soares Bussamra, relatou que o partido praticava chantagem e pedia propina para manter um contrato de R$ 19 milhões com a Secretaria de Saúde do Distrito Federal, comandada pelo deputado Augusto Carvalho. Freire teria sido beneficiado no esquema.

5- Paulinho da Força (SD)
O presidente do Solidariedade, segundo autoridades policiais, participou de esquema de desvio de recursos do BNDES. Um inquérito foi aberto no STF para investigar o caso. Em 2014, a Polícia Federal também indiciou a sogra e outras duas pessoas ligadas ao deputado federal sob suspeita de falsificarem assinaturas para a criação do Solidariedade. Gilmar Mendes conduzirá, ainda, a apuração em torno da suposta comercialização de cartas sindicais (uma espécie de autorizações do Ministério do Trabalho para a criação de sindicatos) por Paulinho, dirigente da Força Sindical. Consta nos registros que cada carta era vendida por R$ 150 mil.
6- Mendonça Filho (DEM)
Em fevereiro de 2014, Mendonça se envolveu em uma polêmica por querer indicar deputado acusado de duplo homicídio pelo Supremo Tribunal Federal para presidir a Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado. Julio Campos (DEM), ex-governador do Mato Grosso, afirmou que Mendonça teria dito que a indicação era uma "homenagem". O deputado federal de Pernambuco já foi preso pela Justiça eleitoral sob acusação de fazer carreata no dia de votação, mas o STF decidiu que não houve crime eleitoral. Um documento da Operação Castelo de Areia citava contribuição suspeita de R$ 100 mil da Camargo Correa a Mendonça, para sua tentativa de ser prefeito do Recife. Ele admitiu que recebeu R$ 300 mil da empresa, mas alega que foram doações dentro das conformidades.
7- Carlos Sampaio (PSDB)
O deputado mais votado da região de Campinas (SP) recebeu R$ 250 mil de uma empreiteira envolvida no esquema de corrupção da Petrobras investigado na Operação Lava Jato. Sua última campanha arrecadou, oficialmente, R$ 3 milhões. Não há comprovação sobre a lisura da doação. Sampaio, coordenador jurídico do PSDB e autor do pedido para que Aécio fosse empossado no lugar de Dilma Rousseff, teve reprovada a sua prestação de contas referente às eleições para a Assembleia de São Paulo, em 1998, e às eleições municipais de Campinas, em 2008.
8- Luiz Penna (PV)
O presidente do PV também aparece um tanto escondido na fotografia. Irregularidades já remetidas à prestações de contas do partido incluem seu nome. Em 2006, por exemplo, boa parte dos R$ 37,8 mil gastos em passagens aéres e R$ 76,8 mil com diárias de campanhas eleitorais foram atribuídos a José Luis Penna. Na época, servidores do TSE apontaram ausência de documentos que comprovassem os gastos e uso de notas frias, indicando empresas fantasmas que teriam prestado os serviços. O corpo técnico do Tribunal sugeriu a rejeição das contas do partido de 2004, 2005 e 2006. O deputado federal respondeu a dois processos judiciais, um pelo TRE-SP, rejeitando a sua prestação de contas à eleição de 2006, e outra pelo TSE reprovando as contas do PV de 2004. 
9- Flexa Ribeiro (PSDB)

O hoje senador já foi preso pela Polícia Federal em 2004, na Operação Pororoca, por fraude em licitações de grandes obras realizadas no Amapá. Foi acusado de corrupção ativa e passiva, formação de quadrilha, tráfico de influência, peculato, prevaricação, usurpação de função pública e inserção de dados falsos em sistema de informações.

10- Antonio Imbassahy (PSDB)

O deputado federal tucano era prefeito de Salvador em 1999, quando contratos suspeitos foram assinados com as empresas Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa e Siemens, que formavam o consórcio responsável pelo metrô da capital baiana. O Ministério Público Federal investiga o superfaturamento nas obras, que gira em torno de R$ 166 milhões. Até agora, dois gestores indicados por Imbassahy à época e duas empresas foram indiciadas. O tucano é o vice-presidente da CPI da Petrobras, que investiga desvios de verbas da estatal, onde diretores da Andrade Gutierrez e Camargo Corrêa também aparecem como réus. Imbassahy foi acusado pelo PT de se aproveitar do posto na CPI para pedir documentos à Petrobras e vazar para a imprensa.
11- Beto Albuquerque (PSB)
Ex-colaborador do governo Tarso Genro (PT) no Rio Grande do Sul, Beto Albuquerque (PSB) foi envolvido na intriga que rendeu a queda do então diretor-geral do Departamento de Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) José Francisco Thormann. Thormann se antecipou a uma demissão após a imprensa local ter revelado que ele viajou à Suiça às custas de uma empresa privada subcontratada para fazer obras no Estado. Em nota de defesa, Thormann afastou suspeitas sobre o fato, e revelou que Beto Albuquerque, quando secretário de Infraestrutura do Estado, também fez viagens ao exterior bancadas por empresas que detinham contratos com o poder público. Quando a notícia surgiu, Beto já não era secretário - tinha deixado a gestão petista para reforçar a bancada do PSB na Câmara Federal.

99 comentários:

Anônimo disse...

Quanta gente boa
Mais gente boa querendo tirar a Presidenta Dilma
Rogerio Chequer

Tratado como “referência nacional” pela mídia brasileira, Rogério Chequer enfrenta processo nos EUA – país onde vivia até poucos anos atrás, foi sócio de um bilionário listado pela Forbes e teve seu nome revelado em arquivo secreto do Wikileaks. Apresentado como líder da moralidade e acostumado a posar ao lado de políticos como José Serra e FHC, Chequer tem muito a explicar
http://www.pragmatismopolitico.com.br/2015/04/rogerio-chequer-wikileaks-eua-impeachment-dilma.html

Sergio Moro(O Juiz do lava Jato
Paraná: Quando Moro trabalhou para o PSDB, ajudou a desviar R$500 milhões da Prefeitura de Maringá

http://limpinhoecheiroso.com/2015/02/23/parana-quando-moro-trabalhou-para-o-psdb-ajudou-a-desviar-r500-milhoes-da-prefeitura-de-maringa/

Sem contar a Rede Globo que apoiou a Ditadura

Anônimo disse...

#desatucanaMoro MOROsidade com PSDB

Anônimo disse...

Os Santos do Paoco

Anônimo disse...

Mais a favor do Golpe atolado até o pescoço

Zelotes suspeita de repasse de R$ 1,8 mi a Ministro do TCU Augusto Nardes
Sigilo bancário, telefonemas e e-mails de empresa investigada apontam ministro do TCU beneficiado em anulação fraudulenta de dívida fiscal da RBS

A acusação de violar a Lei Orgânica da Magistratura na condução do exame das contas de 2014 do governo Dilma Rousseff não é a única razão para o ministro Augusto Nardes, do Tribunal de Contas da União (TCU), preocupar-se por estes dias. O avanço da Operação Zelotes reforça as suspeitas de envolvimento dele com o esquema fraudulento de anulação de dívidas fiscais.


http://www.cartacapital.com.br/politica/operacao-zelotes-suspeita-de-repasse-de-1-8-mi-a-augusto-nardes-4411.html

Anônimo disse...

Eduardo Cunha outro a favor do golpe que foi esquecido na postagem

Esquema de Eduardo Cunha usou 23 contas em 4 países, diz MP da Suíça
Ministério Público da Suíça revela que dinheiro de Eduardo Cunha circulou por 23 contas bancárias no exterior como forma de ocultar sua origem. Recursos transitaram por bancos em Cingapura, Estados Unidos e Benin
Investigação do Ministério Público da Suíça mostra que os recursos atribuídos ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), circularam por ao menos 23 contas bancárias no exterior como forma de ocultar sua origem. Entre saques e depósitos que abasteceram as quatro contas em nomes de offshores atribuídas ao deputado, os ativos transitaram por bancos em Cingapura, Suíça, Estados Unidos e Benin.

As autoridades brasileiras, que receberam documentos sobre o suposto esquema de lavagem de dinheiro, tentam rastrear a fonte da maior parte dos valores. A suspeita é de que também tenham sido desviados de outros contratos públicos. Cunha nega ter contas fora do País.

As quatro contas atribuídas ao presidente da Câmara e à mulher dele, Cláudia Cordeiro Cruz, não declaradas à Receita, receberam R$ 23,2 milhões, segundo a Suíça. Documentos enviados pelas autoridades do país comprovam que um negócio de US$ 34,5 milhões fechado pela Petrobras em 2011 no Benin, na África, serviu para irrigar as quatro contas.

Em nota à imprensa, advogados de Cunha afirmam que o parlamentar não foi notificado nem teve acesso a nenhum procedimento investigativo que tenha por objeto atos ou condutas de sua responsabilidade. A afirmação é resposta ao envio, pela Suíça, de dados da investigação sobre irregularidades em contas bancárias no país atribuídas a Cunha e familiares.

“Sem que isso signifique a admissão de qualquer irregularidade, é de se estranhar que informações protegidas por sigilo – garantido tanto constitucionalmente como também pelos próprios tratados de cooperação internacional – estejam sendo ostensivamente divulgadas pela imprensa, inclusive atingindo pessoas que sequer são objeto de qualquer investigação, sendo que a única autoridade com acesso a tais informações, segundo o que também se noticia, seria o Procurador Geral da República”, diz texto dos escritórios Garcia de Souza Advogados e Reginaldo Oscar de Castro.
‘É grave que um acusado de ser ladrão presida a Câmara’

O deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) disse que é “grave para a democracia” que Eduardo Cunha (PMDB-RJ) continue na presidência da Câmara dos Deputados apesar de todas as indicações de que ele teria recebido propina no esquema investigado pela operação Lava Jato.

“É grave para a democracia que esteja na presidência da Câmara alguém que está formalmente denunciado pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Ou seja, alguém que, em outras palavras, está acusado de [ser] ladrão”, disse Jean.
Lava Jato

Desde julho, Cunha é alvo de acusações feitas por delatores do esquema investigado pela operação Lava Jato, que apura desvios de recursos da Petrobras e outras estatais. Em agosto, Cunha foi denunciado pela PGR por lavagem de dinheiro e crime de corrupção. Ele é suspeito de ter recebido pelo menos US$ 5 milhões em propinas do esquema da Lava Jato.

Em depoimento à CPI da Petrobras em março deste ano, Cunha negou ter contas no exterior. Após as revelações sobre suas contas na Suíça, Cunha evita falar sobre o assunto e emitiu uma nota na qual reiterou seu depoimento à CPI.

Anônimo disse...

Esse Gilmar Mendes é outro envolvido na corrupção, FHC deveria olhar para o próprio rabo

Abel disse...

Esses golpistas sempre impunes, porque a mídia fica calada com eles , o Moro nem se mexe, muita corrupção na imprensa e na Justiça

Andre disse...

Esses moralistas sem Moral que a presidenta Dilma falou ?

Anônimo disse...

Faltou os dólares na Suiça de Eduardo Cunha

Anônimo disse...

Mais um para a lista
A escola de Samba Mocidade de Padre Miguel finaciada por bicheiro e provavelmente esse ano com dinheiro de Furnas de Aecio


Carnaval no Rio: um enredo sobre corrupção e Dilma na escola de um bicheiro. Por Kiko Nogueira
http://www.diariodocentrodomundo.com.br/carnaval-no-rio-um-enredo-sobre-corrupcao-e-dilma-na-escola-de-um-bicheiro-por-kiko-nogueira/

Anônimo disse...

Agora o Habibs e a Natura que convocam o GOlpe atolados até o pescoço na sonegação fiscal
#MarchaDosCorruptos
Habib’s é acusado de fraude fiscal em 6 Estados e no DF

Só em Goiás, dez unidades da rede, oito delas em Goiânia, foram alvos de ações de busca e apreensão em operação coordenada pelo Ministério Público estadual


O Ministério Público de Goiás cumpriu ontem mandado de busca e apreensão em dez unidades da rede de fast food Habib´s, das quais oito em Goiânia, uma em Rio Verde e outra em Anápolis. A operação Flex Food também foi deflagrada na manhã de ontem em Minas Gerais, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e no Distrito Federal.

Proprietários e alguns funcionários de lojas são suspeitos de crimes de sonegação fiscal, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica. Há indícios de que a fraude corresponda a um terço do faturamento, atingindo cifras milionárias.

A investigação começou há cerca de três meses, após denúncia feita na Secretaria da Fazenda do Estado de Goiás (Sefaz) do não fornecimento de nota fiscal ao consumidor. “Por meio de um serviço de inteligência observamos que algumas vezes a nota fiscal só era entregue após muita insistência”, afirma o delegado regional de fiscalização da Sefaz, Adonídio Neto Vieira Júnior.

Limite

A investigação aponta que essa medida era utilizada para que a empresa não ultrapasse o limite de enquadramento do Simples Nacional, R$ 3,6 milhões por unidade por ano. Quando a empresa estava próxima a atingir os limites de enquadramento, as emissões de notas fiscais eram suspensas. Esse mecanismo indica que funcionários eram orientados a participar do suposto esquema e serão investigados.

Há também indícios de organização entre franquiados e fornecedores para deixar de recolher parte dos tributos devidos, com a utilização de notas fiscais indicando valores inferiores aos cobrados. “As notas vinham de fornecedores com valores inferiores ao valor real e essa diferença era paga por meio de depósito ou boleto bancário”, explica o coordenador do Grupo de Atuação Especial ao Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP Goiás, Luis Guilherme Gimenes. Para fazer essas transações paralelas, há suspeitas de que foram utilizadas contas jurídicas que não eram contabilizadas no faturamento das empresas.

Outra suspeita que recai sobre os proprietários é de falsa classificação de produtos nas notas fiscais, a fim de escolher itens cuja alíquota incidente é de menor valor. “Eles compravam produtos industrializados, como extrato de tomate, mas na nota especificava tomate fresco”, exemplifica o coordenador, ao salientar que as alíquotas tributárias dos produtos in natura são menores.

A reportagem tentou contato com a assessoria de imprensa do Habib’s, mas nenhum dos telefones foram atendidos.

Ação aponta notas fiscais subfaturadas

São Paulo- A rede de fast-food Habib’s está sendo investigada por um suposto esquema de sonegação fiscal em seis Estados e no Distrito Federal. Desde a manhã de ontem, uma ação conjunta das secretarias estaduais de Fazenda de diversas regiões do País - chamada de operação Flex Food - está cumprindo mandados de busca e apreensão.

Segundo nota do Ministério Público de Minas Gerais, que deu apoio à operação no Estado, as investigações apontam o uso de notas fiscais que indicam valores inferiores aos adotados no negócio (o que seria considerado subfaturamento), a falsa classificação dos produtos em notas fiscais e a ocultação de receitas - o cupom fiscal, muitas vezes, não seria entregue ao consumidor.

Todo o esquema seria controlado por um sofisticado sistema de informática. Ainda não há informação do suposto valor sonegado pela empresa. A segunda etapa da operação será a auditoria fiscal e o lançamento dos tributos sonegados.
Renato Conde
Fachada de loja do Habib’s no Setor Bueno: alvo de investigação
João Sérgio/MP-GO
Agentes recolhem malotes com documentos durante operação em Goiânia
http://www.opopular.com.br/editorias/economia/habib-s-%C3%A9-acusado-de-fraude-fiscal-em-6-estados-e-no-df-1.732869

Anônimo disse...

Mais Moralista sem Moral ,uma "rainha" dos baixinhos para tentar voltar a Globo e aos holofotes da Mídia, fez críticas á Presidenta Dilma ,o Ministro Lula e o PT

Olha só ela usando o acesso ás crianças para fazer filme de pedofilia em 1982. Amor, Estranho Amor https://vimeo.com/119041129
Como não resiste a pesquisa do google tentou censurar a ferramenta de busca e não conseguiu http://oesta.do/1F1D8bi

Anônimo disse...

O nível dos manifestantes contra a presidenta

Manifestantes roubam padaria de Fortaleza durante protesto contra corrupção
Um texto que seria escrito por um funcionário da Empório Delitalia, padaria localizada no Meireles, na zona nobre de Fortaleza, circulou pelo Whatsapp denunciando o furto de alimentos durante a manifestação contra a corrupção, realizada no último domingo (15) na Praça Portugal, distante 350 metros.

O texto, cujo teor foi confirmado pela empresa em seu perfil no Facebook, reclamava sobre o sumiço de 127 itens, consumidos e não pagos por pessoas que entraram na padaria.

“Isso é só o que foi deixado à vista nas prateleiras pelo mesmo povo que pede o fim da corrupção. Pode ser pior”, criticou o autor, que se identificou como George. Mesmo com o prejuízo, ele ressaltou que, se houver outras manifestações como a de domingo, a padaria apoiará e abrirá novamente. E ainda enfatizou que os consumidores elogiaram o fato da empresa “ter coragem de abrir as portas num dia como esse”. http://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/manifestantes-roubam-padaria-de-fortaleza-durante-protesto-contra-corrupcao/

Anônimo disse...

A lista não para , outro golpista clonador de Cartões

Cadeia
Preso acusado de clonar cartões fazia protestos contra corrupção

por Ancelmo Gois
18/03/2016 19:55

Dois dias antes de ser preso, Sirdata divulgou uma convocação do movimento contra corrupçãoDois dias antes de ser preso, Sirdata divulgou uma convocação do movimento contra corrupção | Reprodução

Policiais do 5º BPM prenderam, ontem, três homens acusados de participar de uma quadrilha que clonava cartões.

Um deles, Sidarta Hermano Mendes Fonseca, de 32 anos, usava sua página do Facebook para protestar contra a corrupção. Dois dias antes de ser preso, o jovem compartilhou convocação para a "Parada geral até a queda do governo".

http://blogs.oglobo.globo.com/ancelmo/post/preso-acusado-de-clonar-cartoes-fazia-protestos-contra-corrupcao.html

Anônimo disse...

mais "gente boa" a favor do golpe

Impeachment da Dilma é golpe ou apenas um recurso democrático? Qualquer que seja sua opinião, vale a pena pensar em quem sai lucrando com a saída da Presidenta Dilma. Vamos lá?



A comissão recém criada no congresso nacional, para avaliar se o impeachment deve ou não ser votado no plenário, é composta por 65 membros do parlamento. Após o parecer da comissão o impeachment é esquecido ou levado ao plenário, dependendo da decisão que os 65 tomarem. Vejamos então, os puros do impeachment.

São favoráveis ao impeachment:

Osmar Terra – PMDB/RS

Político conservador, recentemente debateu a política de drogas com Jean Wyllys {{PSOL-RJ}}, onde afirmou que a política de combate às drogas deve ser dura para ser eficiente {{não acredite em mim – O Globo}}. O impeachment pode servir de base “social” para a paralisação da Lava a Jato, no qual Osmar tem um certo envolvimento:
{{não acredite em mim - Zero Hora}}

Lucio Vieira Lima PMDB/BA

É irmão de Geddel Vieira Lima {{presidente do PMDB da Bahia}}, que foi pego nas investigações da Lava Jato. Lucio já havia sido citado como gordinho em escândalo de corrupção em 2009 {{não acredite em mim – Correio/BA}}. Também teve mensagens interceptadas na Lava Jato.
{{não acredite em mim - G1}}

Mauro Mariani – PMDB/SC

Pediu recentemente o desembarque do PMDB/SC do governo por não aceitar a indicação de Márcio Zimmermann para a presidência da Eletrosul. Ele era a favor de Djalma Berger, quando não foi atendido pediu a retirada imediata do PMDB de Santa Catarina do governo. É réu em ação de improbidade administrativa {{não acredite em mim}}.

Votou em favor do financiamento privado de campanha {{não acredite em mim – UOL}}, junto de Eduardo Cunha. Recebeu 250 mil reais em doações privadas da ARCELORMITTAL BRASIL S/A,que doou também quase 148 mil reais a José Serra. Recebeu da JBS {{friboi}} 300 mil reais. A mesma Friboi doou ao mesmo José Serra o valor de 296 mil reais. O detalhe é que a campanha para senador custa muito mais que a de deputado federal. Já foi noticiado que num eventual governo Temer, Serra seria ministro.

arcelor

Anônimo disse...

Continuação
Leonardo Quintão PMDB/MG

Político conservador de Minas Gerais, já demonstrou sua fidelidade a Michel Temer, ao desistir de se candidatar à liderança de seu partido na Câmara, a pedido do vice-presidente. Tem entre suas doações, nada menos que 700 mil reais da Vale, aquela da trágedia de Mariana. Recebeu também mais de 180 mil reais de doação da mesma ArcelorMittal. Um aliado de Temer e Serra, lucraria bastante com a queda de Dilma.

quintao

Washington Reis PMDB/RJ

Político do PMDB do RJ, mesmo partido e estado de Eduardo Cunha, lucraria com o eventual fim da Lava Jato, já que…
{{não acredite em mim - O Globo}}

Deputados do PSDB

Aqui não vale uma ressalva um-a-um pelos motivos óbvios. O que o PSDB ganharia com a queda da Dilma? A entrada num eventual governo Temer.

Mas podemos citar que Carlos Sampaio mentiu nas contas de campanha ao TSE {{não acredite em mim – Rede Brasil Atual}}. Bruno Covas teve seu nome envolvido na Lava Jato, quando um de seus apoiadores não conseguiu explicar a origem de 100 mil reais {{não acredite em mim – G1}}, além de ter dado uma declaração bastante esclarecedora sobre a corrupção {{não acredite em mim}}.

A deputada Shéridan também está envolvida em corrupção:
shéridan

O próximo da lista tucana é Jutahy Junior, do PSDB/BA, que recebeu módicos 500 mil reais de empreiteiras envolvidas la Lava Jato. Mais do que isso, ele foi à justiça como testemunha de defesa de um empresário, com medo de que ele realize a famosa delação premiada {{não acredite em mim – Estadão}}.

Já Nilson Leitão, do PSDB/MT é um ávido defensor da justiça. E não é por acaso…
{{não acredite em mim - Olhar Jurídico}}

Próximo da lista é Paulo Abi-Ackel, filho de um ministro da ditadura {{Ibrahim Abi-Ackel, por sinal acusado de contrabando de pedras preciosas, segundo a biografia oficial por uma prisão de malotes de cocaína que pertenciam à Globo – não acredite em mim}}, recebeu módicos 200 mil reais da Andrade Gutierrez, totalizando mais de 400 mil reais de empreiteiras ligadas à Lava Jato. Seu nome aparece na mais recente lista da Odebrecht.

abi

Jerônimo Goergen, do PP/RS

Recebeu apenas 100 mil reais de empreiteiras ligadas à Lava Jato. Dele não vamos falar muito, porque dá dó.

jeronimo

Júlio Lopes PP/RJ

Sujeito do bem. Ligado a coisas boas da vida…

julio1 julio2

Marcos Montes PSD/MG

Favorável ao impeachment, Marcos recebeu 100 mil reais de empreiteiras ligadas à Lava Jato. Como isso ainda diz pouco, há muitos nas sertanias, há também um grampo no qual ele fala sobre loteamento de cargos {{não acredite em mim – Carta Capital}}…

Danilo Forte PSB/CE

Favorável ao impeachment, fez dobradinha: 100 mil reais da Camargo Corrêa e 50 mil reais da Queiroz Galvão. Achou que era pouco, pegou outros 250 mil reais da Queiroz Galvão e fechou com apenas 400 mil reais de empreiteiras da Lava Jato. Está sendo investigado pela Polícia Federal, conforme matéria do Estadão {{não acredite em mim}}.

Tadeu Alencar PSB/PE

Tem contrato assinado junto do falecido Eduardo Campos, questionado pela Polícia Federal {{não acredite em mim}}.

Bebeto PSB/BA

Em tese não recebeu doações das empresas da Lava Jato. Em tese. Na prática…

beto

… Na prática recebeu da empresa Brasken, a mesma que está presente na lista de distribuição da Odebrecht, recém divulgada pelo blog do Fernando Rodrigues, no UOL.

Benito Gama PTB/BA

Réu no Supremo Tribunal Federal, Benito é autor da pérola: “Roberto Jefferson é o maior líder do PTB”, partido criado sob orientação de ninguém menos que Getúlio Vargas {{não acredite em mim}}. Roberto Jefferson foi condenado por corrupção e cassado na Câmara por não provar que o mensalão existiu {{ei, não é minha opinião, é o resultado do processo – não acredite em mim}}

Luiz Carlos Busato PTB/RS

Sua secretaria foi alvo de investigação e condenações de servidores, em caso de corrupção no governo Tarso Genro. Ele não foi afastado da secretaria, apesar do esquema ocorrer sob seu nariz {{não acredite em mim – Brasil247}}, na operação Kilowatt.

Anônimo disse...

mais
Rodrigo Maia DEM/RJ

Velho conhecido do STF, foi citado como beneficiário de esquema de corrupção do então governador Arruda. Recebeu doações do BMG {{banco envolvido no mensalão petista e no mensalão tucano}} para se eleger em 2014, no valor de 550 mil reais. Achou pouco. Pegou outros 300 mil reais da UTC, empreiteira envolvida na Lava Jato {{não acredite em mim}}.

Mendonça Filho DEM/PE

Gente boníssima. Quis indicar um sujeito acusado de dois homicídios para a comissão de segurança pública e combate ao crime organizado em 2014; quando a história vazou, desistiu {{não acredite em mim – Congresso em Foco}}. Já foi preso por fazer carreata em dia de eleição, prática proibida por lei. Na Operação Castelo de Areia foi achado um documento que indicava 100 mil reais a ele, que admitiu ter recebido três vezes esse valor, embora tenha dito que eram doações legais {{é mó legal receber 300 mil, isso lá é verdade}}.

Elmar Nascimento DEM/BA

Recebeu 1580 reais da UTC, empreiteira envolvida na Lava Jato. Valor irrisório, apenas para não ficar de fora da brincadeira. Ajudou Eduardo Cunha a atrasar o processo no Conselho de Ética da casa, mostrando como é, de fato, contra a corrupção {{dos outros}}.

Flavio Nogueira PDT/PI

flavio-n

Fernando Francischini SD/PR

Acusado de ser um dos vazadores oficiais da Lava Jato, o ex-delegado, esqueceu de divulgar o nome dele mesmo {{não acredite em mim}}. Numa clara demonstração de que não pensa só em si. Risos.

Anônimo disse...

Os indecisos

Fernando Bezerra Coelho Filho PSB/PE

Outro indeciso, outro com suspeitas de corrupção. Aqui ele é acusado de ser beneficiário de emendas vindas… do seu próprio pai {{não acredite em mim}}. O pai, aliás, é atualmente senador e alvo de investigação autorizada pelo STF {{não acredite em mim – G1}}

Maurício Quintella Lessa PR/AL

Deputado ainda em dúvida sobre o impeachment, ele é autor de um projeto de lei bastante… singular.
{{não acredite em mim - O Popular}}

Zenaide Maia PR/RN

Oficialmente indecisa, a deputada participou de seminário do PSDB junto de líderes do movimento que quer derrubar Dilma {{não acredite em mim – Tribuna do Norte}}. É irmã do deputado João Maia {{que ia receber uma bela maleta com 100 mil reais, mas que não recebeu porque a mala foi… roubada – não acredite em mim}} e esposa do Jaime Calado, um prefeito no RN, que, dizem, usou patrimônio público para se promover, como auto-presente de aniversário {{não acredite em mim}}.

Júlio César PSD/PI

Outro que oficialmente se diz indeciso. Outro que foi citado em delações… Desta feita, pelo próprio Yousseff {não acredite em mim – Assembleia Legislativa do Piauí}}.

Rogério Rosso PSD/DF

Rogério Rosso foi governador do Distrito Federal num mandato-tampão, após a queda de José Roberto Arruda. É cria de Joaquim Roriz {{aquela, cuja esposa virou piada no youtube por conta de um debate presidencial}} e que foi acusado pelo Gurgel, então Procurador Geral da República, de continuar a corrupção de Arruda {{não acredite em mim}}.

Leonardo Picciani PMDB/RJ

Oficialmente ainda não se posicionou sobre o impeachment, ainda que seja do PMDB do Rio de Janeiro, fez oposição a Temer e Cunha na Câmara. Também lucraria com o final da Lava Jato, recebeu doações da OAS e da Queiroz Galvão, duas das empreiteiras envolvidas no esquema investigado pela república de Curitiba

oas-leo queiroz-leo

Jovair Arantes PTB/GO

Investigado pelo ministério público por improbidade administrativa enquanto era do INSS, em Goiás. É cotado, segundo a folha de São Paulo, para substituir Cunha, caso este tenha que renunciar à presidência da Câmara. Faz parte da bancada da CBF, na câmara.
http://www.imprenca.com/quem-lucra-com-o-impeachment/

Anônimo disse...

Paulinho da Força SD/SP

O sindicalista – que sabe fazer um bundalelê como ninguém – já foi citado em diversos casos de corrupção. O mais recente deles, a lista da Odebrecht divulgada e depois escondida, pelo blog do Fernando Rodrigues, na folha.

Eros Biondini Pros/MG

Ex-secretário do governo Anastasia, pego em escândalo de notas frias para justificar gastos públicos.
eros

Bolsonaro e Feliciano

Dispensam apresentação e dispensam comentários. Falam por si. Vale a pena lembrar o que disse a mãe do Bolsonaro sobre o filhote {{de cruz credo}} “Ele não era de falar besteiras, não” {{não acredite em mim}}. Tadica, ser mãe do Bolsonaro não deve ser fácil… O cara já disse que estuprar é questão de mérito {{“você não merece ser estuprada” – não acredite em mim}}, entre tantas outras asneiras…

Feliciano conseguiu culpar a França pelos atentados que lá ocorreram. Política externa? Não, IMORALIDADE, foi o fator que gerou um atentado, nas palavras do nobre deputado {{não acredite em mim}}. Isso sem falar naquele 1 milhão que ainda carece de explicação {{não acredite em mim}}…

Jhonatan de Jesus PRB/RR

Recebeu 10 mil reais da Queiroz Galvão e teve as contas eleitorais de 2010 reprovadas no TRE {{não acredite em mim}}.

Marcelo Squassoni PRB/SP

Recebeu dinheiro da Queiroz Galvão, valor irrisório de 290 reais, apenas para entrar no grupinho. Estava no caso MSI/Corinthians, foi indiciado por corrupção ativa, por oferecer 1 milhão de reais a Romeu Tuma Jr {{não acredite em mim – folha de SP}}

Evair de Melo PV/ES

É alvo de representação movida pelo Ministério Público Eleitoral por conduta vedada a agente público. De acordo com a denúncia, o parlamentar teria realizado campanha eleitoral em sala de aula do Instituto Federal do Espírito Santo (IFES). Votou pela continuidade do financiamento privado de campanha, principal entrada da corrupção nos últimos escândalos midiáticos.

Alex Manente PPS/SP

É alvo de inquérito que apura a prática de crimes eleitorais e de ação por improbidade administrativa e dano ao erário movida pelo Ministério Público. Recebeu 30 mil reais da Brasken, empresa citada em um dos documentos que vazaram da recente lista da Odebrecht e outros 400 reais da OAS.

Marcelo Aro PHS/MG

Não é piada, mas devia ser. É diretor de ética e transparência da CBF. Recebeu 50 mil reais da MRV engenharia, uma das raras empreiteiras que não foram pegas na Lava Jato. A MRV foi pega apenas por trabalho escravo mesmo {{não acredite em mim – Sakamoto}}.

João disse...

Esqueceram do Capitão do Golpe Temer Judas Silverio da Cruz
#RenunciaTemer

Boechat: OAS deu R$ 5 milhões a Temer
Cobra mais! A rapaziada tá reclamando!!!
http://www.conversaafiada.com.br/politica/boechat-oas-deu-r-5-milhoes-a-temer

Anônimo disse...

Mais um na lista , agora o relator do Golpe

Relator do impeachment é acusado de crime eleitoral

Ministério Público Federal acusa Jovair Arantes de ter utilizado indevidamente servidor da Conab em sua campanha eleitoral de 2014. Companhia Nacional de Abastecimento é controlada por indicados do petebista desde 2011, mostra O Globo

O Ministério Público Federal em Goiás acusa o deputado Jovair Arantes (PTB-GO), que apresenta nesta quarta-feira (6) seu parecer ao processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, de crime eleitoral. A denúncia é de que Jovair utilizou em sua campanha à reeleição, em 2014, um servidor da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), presidida então por Rubens Rodrigues dos Santos, indicado por ele ao cargo. De acordo com processo em curso no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Goiás, o deputado se valeu do trabalho de um assessor da presidência da Conab, lotado em Brasília, em seu comitê eleitoral por dois meses em seu comitê eleitoral em Goiânia.

Segundo o jornal O Globo, a representação sustenta que o presidente da Conab cedeu o funcionário à campanha sem que houvesse férias ou licença que justificassem a atuação eleitoral do servidor comissionado do governo. O julgamento do processo, iniciado em 2014, estava pautado para a última segunda-feira (4), mas acabou adiado.

Conforme a reportagem de Vinícius Sassine, o procurador da República Raphael Perissé pediu aplicação de penalidade tanto ao deputado quanto ao ex-presidente da Conab. O artigo 73 da lei eleitoral proíbe agentes públicos de cederem servidores para comitês de campanha eleitoral durante horário normal de expediente, a não ser que exista uma licença. O ex-presidente da Conab está sujeito a multa. Já o deputado, reeleito em 2014 com 92,4 mil votos para o seu sexto mandato, à cassação do registro eleitoral.

De acordo com o Globo, Jovair controla a Conab desde o primeiro ano do governo Dilma, em 2011. De lá para cá, indicou todos os presidentes da companhia e controla diretorias e 20 cargos de assessoramento no órgão. Após deixar a Conab, Rubens Santos assumiu uma vice-presidência da Caixa Econômica Federal, também por indicação de Jovair.

Relatório da Polícia Civil de Goiás indica que Warllen Aparecido Lucas Lemos, o funcionário da companhia que trabalhou na campanha de Jovair, estava de férias entre 8 e 27 de setembro de 2014. Rastreamento telefônico mostrou que o servidor atuava no comitê eleitoral em dias em que deveria estar em Brasília.

O deputado afirmou ao Globo que Warllen trabalhou em sua campanha apenas no período de suas férias. Já o servidor alegou que esteve no escritório “algumas vezes” para buscar ou deixar uma namorada. O ex-presidente da Conab alega que as provas são “frágeis” e que seu ex-assessor não prestou serviços eleitorais a Jovair.

O deputado apresenta nesta tarde seu relatório à comissão especial do impeachment, que só deve votar seu parecer na próxima segunda-feira (6). http://m.congressoemfoco.uol.com.br/noticias/relator-do-impeachment-e-acusado-de-crime-eleitoral/

#NaovaiterGolpe disse...

Mais gente boa
Presidente do PMDB e líder do rompimento com o governo, Jucá é citado em esquema do setor elétrico

Postado em 8 de abril de 2016 às 7


Da Folha via DCM:

Executivos da Andrade Gutierrez mencionaram, em acordo de delação premiada, o nome do senador Romero Jucá (PMDB-RR) ligado a um esquema no setor elétrico.
Segundo a Folha apurou, dirigentes da empresa repassaram ao Ministério Público detalhes do caminho do dinheiro que, segundo eles, teria sido enviado por meio de intermediários ao senador. Os repasses seriam vinculados à Eletronorte, onde Jucá tem influência política.
O relato da empreiteira coincide com o depoimento, também em delação, do senador Delcídio do Amaral de que a Eletronorte “atende” aos interesses de Jucá.
Ex-líder dos governos de Dilma Rousseff, Lula e Fernando Henrique Cardoso, o senador assumiu na última terça-feira (5) a presidência do PMDB no lugar do vice-presidente, Michel Temer, que tirou licença em meio a crise política.
Jucá foi um dos líderes do rompimento do PMDB com o governo e tem atuado a favor da aprovação do impeachment de Dilma. Na terça, subiu à tribuna do Senado e criticou o governo,afirmando que o “castelo de cartas ruiu”.
Com a homologação da delação dos executivos da Andrade Gutierrez pelo STF (Supremo Tribunal Federal), as menções ao nome do senador devem ser analisadas pela PGR (Procuradoria-Geral da República), que decidirá pelo pedido de abertura ou não de inquérito contra ele.
Não seria a primeira investigação contra o senador em torno da Lava Jato.
Já há um inquérito em razão da delação do empreiteiro Ricardo Pessoa, da UTC Engenharia.
http://searadionaotoca.blogspot.com.br/2016/04/presidente-do-pmdb-e-lider-do.html?spref=tw

#NaovaiterGolpe disse...

Agora o tucano de Toga no STF
Gilmar Mendes concede habeas corpus ao "maior ficha-suja do país"
Ex-deputado José Riva (PSD-MT) responde a cerca de 150 processos
Jornal do Brasil
Publicidade

Conhecido como "o maior ficha-suja do país", por responder a cerca de 150 processos, o ex-deputado José Riva (PSD-MT) teve habeas corpus concedido nesta quinta-feira (7) pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

O pedido foi feito no dia 21 de março pelo advogado de Riva, Rodrigo Mudrovitsch. O ex-deputado está preso desde 13 de outubro de 2015, quando foi deflagrada a segunda fase da Operação Metástase, que investiga esquema de desvio de dinheiro na Assembleia Legislativa de Mato Grosso.
Gilmar Mendes determinou soltura do "maior ficha-suja do país" nesta quinta-feira
Gilmar Mendes determinou soltura do "maior ficha-suja do país" nesta quinta-feira

José Riva é investigado por suposta participação em um esquema de desvio de R$ 60 milhões por meio de licitações fraudulentas. O ex-parlamentar já foi preso diversas vezes e já havia deixado a prisão em outra decisão do STF. Riva também já foi preso pela Polícia Federal na Operação Ararath, que apura crimes contra o sistema financeiro e lavagem de dinheiro no Mato Grosso.

Em 2014, Riva renunciou à disputa pelo governo de Mato Grosso e anunciou o nome de sua mulher, Janete Riva, para concorrer em seu lugar. A decisão ocorreu após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) barrar a candidatura do ex-deputado, com base na Lei da Ficha Limpa.
http://www.jb.com.br/pais/noticias/2016/04/08/gilmar-mendes-concede-habeas-corpus-ao-maior-ficha-suja-do-pais/

Anônimo disse...

Piada pronta: Investigado pela Lava Jato será o primeiro a votar impeachment de Dilma no plenário

Impeachment: investigado pela Lava Jato será o primeiro a votar em plenário

Afonso Hamm (PP-RS) foi citado por Alberto Yousseff como um dos parlamentares da legenda que recebiam mesada de R$ 30 mil a R$ 150 mil com dinheiro desviado da Petrobras

no Congresso em Foco

O deputado federal Afonso Hamm (PP-RS) será o primeiro parlamentar a votar em plenário na apreciação do impeachment da presidente Dilma Rousseff no domingo (17). A fila de votação seguirá a ordem alfabética do nome dos deputados, respeitando o rito definido na segunda-feira (11) pela Câmara. Hamm está em seu terceiro mandato na Câmara, tem cerca de 20 anos de vida política e é declaradamente favorável à saída da presidente Dilma do poder.

Desde março de 2015, Afonso Hamm responde no Supremo Tribunal Federal (STF) ao Inquérito 3989, da Operação Lava Jato, por lavagem de dinheiro, corrupção passiva e formação de quadrilha. Ele foi apontado por Alberto Youssef como um dos parlamentares da legenda que recebiam mesada de R$ 30 mil a R$ 150 mil.



Na segunda-feira, após presidir a sessão de leitura do relatório da comissão do impeachment em plenário, Hamm disse que não teme as investigações e que espera que sejam arquivadas. “Coloquei todos os meus sigilos à disposição da Justiça e espero que o processo seja arquivado”, afirmou.

O deputado gaúcho passou à frente do deputado Abel Galinha (DEM-RR) na ordem de votação em plenário com a definição que o Sul dará início aos votos.

Hamm comemorou em um vídeo gravado ao lado do relator da Comissão Especial de Impeachment, Jovair Arantes (PTB-GO), a aprovação do parecer do petebista. Segundo Jovair, “a vitória também é de Afonso Hamm”.

O PP, partido do parlamentar gaúcho, é a legenda com o maior número de políticos investigados pela Operação Lava Jato – são mais de 30. É também a sigla que mais ganhou adeptos com a janela partidária, que terminou no mês passado. Passou de 41 deputados para 47. A bancada decidiu apoiar o impeachment de Dilma na última segunda-feira. De acordo com o presidente da legenda, senador Ciro Nogueira (PI), o PP decidiu não obrigar seus deputados a votarem contra o governo, mas o líder, Aguinaldo Ribeiro (PB), vai encaminhar o voto a favor do impeachment. O deputado paraibano, no entanto, votou contra o impeachment na comissão e deve manter essa posição em plenário. Ele foi ministro das Cidades no primeiro governo Dilma.
http://www.ocafezinho.com/2016/04/13/piada-pronta-investigado-pela-lava-jato-sera-o-primeiro-a-votar-impeachment-de-dilma-no-plenario/

Anônimo disse...

Essa lista de corruptos que querem tirar a presidenta honesta não para:


Mais de cem deputados que votaram pelo impeachment respondem a processos ou são suspeitos



Os deputados brasileiros não gozam de grande reputação. 60% dos membros do Congresso têm processos pendentes com a Justiça, de acordo com a ONG Transparência Brasil. E a histórica sessão que neste fim de semana decide o futuro de Dilma Rousseff não ajuda exatamente a melhorar sua imagem.

A sessão da Câmara dos Deputados, vital para o destino de Dilma e do país, é marcada pela presença de cartazes, bandeiras e gritos. Faixas não: o polêmico presidente do Congresso, Eduardo Cunha, um dos alvos da Operação Lava Jato e pivô de uma série de denúncias, as proibiu no exato momento em que alguém levantou uma que dizia “Fora Cunha” bem atrás de sua cabeça.

O discurso contra a corrupção foi repetido quase como mantra pelos que defendem o fim do Governo Dilma. Frases como "fora roubalheira" foram gritadas no plenário, o que não deixa de soar um pouco irônico, já que sobre as costas de boa parte dos parlamentares recaem acusações de, justamente, delitos de corrupção.

Ao microfone, parlamentares —sobretudo os que votaram a favor do impeachment— dedicaram seus votos aos seus Estados (cobertos com bandeiras como se assistissem a um jogo de futebol), às suas famílias, aos evangélicos, aos cristãos... até os corretores de seguro mereceram menção de um parlamentar. "À minha filha que está para nascer", disse um. "À minha esposa que está lutando agora pela vida", discursou outro. "Viva, Santa Catarina!", gritou um terceiro. Deus parece ter sido mais citado que a democracia, esta sim, que estava em jogo na noite deste domingo. "Que Deus abençoe o Brasil", repetiram vários parlamentares, numa sequência de vozes que, às vezes, pareciam dizer as mesmas frases.

No sábado, o deputado Wladimir Costa (do partido Solidariedade) foi a estrela por alguns minutos, quando comparou os políticos do PT envolvidos em casos de corrupção com os chefes do crime organizado. E em seguida, soltou uma frase de efeito: “O que Lula e Dilma fazem é um verdadeiro tiro de morte no coração, na alma do povo brasileiro”, gritou, e, de repente, disparou uma pistola de confetes coloridos. Curiosamente, o parlamentar foi o que mais faltou em 2015: das 125 sessões do ano passado, ele compareceu a apenas 20, segundo o jornal Extra. Em outro momento da sexta, foi Silvio Costa (PTdoB) quem ganhou protagonismo: “Quem quer tomar o poder é o PCC, Partido da Corja do Cunha. Esse canalha, bandido, ladrão já devia estar preso”, discursou aos gritos, ao defender o Governo Dilma.

Um levantamento feito pelo Jornal do Brasil mostra que, dos 513 votos possíveis, 367 que votaram a favor do golpe da presidente Dilma.destes 367, 119 respondem, responderam por crimes na Justiça comum ou eleitoral ou estão envolvidos em alguma suspeita.
Veja os nomes e as suspeitas com relação aos deputados:

Bruno Araújo (PSDB de Pernambuco) - Deputado que deu o voto de número 342 na Câmara de Deputados teve o nome citado na lista de doações da Odebrecht, revelada pela Operação Lava Jato. O parlamentar contudo afirma que as doações são oficiais.

Abel Mesquita (Abel Galinha) DEM-RR – É proprietário de uma grande rede de postos de gasolina em seu estado. De acordo com o Portal da Transparência, sua rede de postos recebeu R$1,2 milhão do gov federal. R$262 mil da Polícia Federal, R$257 mil do Ministério da Agricultura e R$244 mil da Funai. Eleito para seu primeiro mandato, o parlamentar se elegeu pelo PDT, passou pelo MPB e recentemente se filiou ao DEM.

Anônimo disse...

Adelson Barreto PR-SE – Eleito por três mandatos consecutivos, o deputado enfrentou um problema em 1998, quando foi eleito como o deputado mais votado do Sergipe, porém, um problema na documentação do seu partido, o antigo PFL, atual DEM, o impediu de assumir o cargo.

Antonio Imbassahy PSDB-BA - O deputado federal envolveu-se em polêmica em 2013 durante a votação da cassação do deputado federal já preso, Natan Donadon (RO). Imbassahy filmou seu voto (a favor da perda de mandato do colega) alegando "inaugurar o voto aberto" na Casa. Com isso, foi acusado de ferir o regimento interno da Câmara de Deputados.

Baleia Rossi PMDB-SP - Em fevereiro de 2016 foi citado pelo lobista Marcel Júlio, que extorquia fornecedores de merendas para escolas públicas de São Paulo.

Cabo Daciolo PTdoB-RJ - Daciolo ganhou notoriedade em 2011, quando ele foi uma das lideranças da greve dos bombeiros no Rio de Janeiro. Na ocasião, os grevistas ocuparam o Quartel-general da corporação e acamparam nas escadarias da Alerj. Daciolo chegou a ser preso e ficar nove dias no presídio de Bangu. Foi expulso do PSOL após propor uma emenda constitucional para alterar o parágrafo primeiro da Constituição Brasileira de "todo poder emana do povo" para "todo poder emana de Deus". Além disso, em março de 2015, Daciolo gerou atrito dentro do PSOL ao defender a libertação dos doze policiais acusados de participar da tortura e morte do pedreiro Amarildo Dias de Souza em 2013.

Anônimo disse...

Celso Russomano PRB-SP – Em 2014, foi o deputado federal mais votado do Brasil, tendo a segunda maior votação da história com 1.524.361 votos. Segundo a revista Consultor Jurídico, em 1998 Russomanno foi acusado por exercer ilegalmente a advocacia no qual mantinha o serviço "Plantão Jurídico", pelo sistema 0900, em que oferecia pelo telefone uma "orientação dos seus direitos". Em 2002 Celso Russomanno foi acusado de agredir uma funcionária do Instituto do Coração (Incor) e de ter danificado as dependências do hospital, porém foi absolvido desta acusação pelo STF. Celso Russomanno tornou-se réu por falsidade ideológica no STF, acusado pelo Ministério Público Federal de simular contrato de imóvel para mudar seu domicílio eleitoral e assim concorrer a Prefeitura de Santo André, em 2000. Em 2010 foi autor de uma emenda para destinar 1,1 milhão de reais para uma ONG que preside e administra em conjunto com familiares. Uma gravação interceptada pela Polícia Federal, durante a Operação Monte Carlo, indica que Celso Russomanno estaria relacionado ao esquema operado pela quadrilha do bicheiro Carlos Augusto Ramos, vulgo Carlinhos Cachoeira. Russomanno negou envolvimento com o bicheiro Carlinhos Cachoeira e encaminhou documento à CPI colocando à disposição seus sigilos telefônico, fiscal e bancário.

Tiago disse...

Eduardo Cunha PMDB-RJ - Candidatou-se pela primeira vez a um cargo eletivo em 1998, tendo ficado como suplente de deputado estadual e assumido uma vaga na Assembleia Legislativa do Estado em 2001. Durante seu mandato de presidente da Câmara dos Deputados, está sendo investigado pela Operação Lava Jato e foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República ao Supremo Tribunal Federal. Acusado de mentir na CPI da Petrobras, teve contra si aberto processo em que se pede sua cassação por quebra de decoro parlamentar. Em 3 de março de 2016, o Supremo Tribunal Federal acolheu por 10 votos a 0, em unanimidade, a denúncia do Procurador-Geral da República Rodrigo Janot contra Eduardo Cunha por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, tornando-se réu neste tribunal. A área técnica da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), órgão responsável pela fiscalização do mercado financeiro, apontou em relatório sigiloso de março de 2015 que Cunha obteve um "lucro indevido" de R$ 900 mil por operações realizadas entre 2003 e 2006 com fundos de investimento movimentados pela Prece, o fundo de pensão dos funcionários da CEDAE.

Fausto Pinato PP-SP – Foi eleito em 2014 devido aos votos obtidos pelo companheiro de partido, Celso Russomano. Foi designado relator do processo de quebra de decoro parlamentar, no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, contra o deputado Eduardo Cunha, presidente daquela casa. Entre as empresas doadoras em sua campanha eleitoral estão: Constran, Construcap e Queiroz Galvão, todas investigadas na Operação Lava Jato.

Heráclito Fortes PSB-PI - Por votação majoritária, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal decidiu manter a decisão do Tribunal de Justiça do Piauí, que o condenou Heráclito Fortes a ressarcir os cofres do município de Teresina por gastos com publicidade oficial, quando foi prefeito daquela capital, em que teria ficado caracterizada promoção pessoal nos termos do voto do Ministro Joaquim Barbosa. Um telegrama obtido pelo WikiLeaks aponta que o senador Heráclito Fortes sugeriu que o governo norte-americano estimulasse a produção de armas no Brasil para conter supostas ameaças de Venezuela, Irã e Rússia. Em correspondência assinada pelo então embaixador americano Clifford Sobel, o diplomata relata o diálogo com Heráclito, que na época presidia a Comissão de Relações Exteriores e Defesa do Senado.

José Luiz Stédile PSB-RS – Irmão do líder do MST, João Pedro Stédile, José Luiz tem posição política oposta ao de João. Declarado contrário ao governo, o deputado responde um processo no Ministério Público Estadual do Rio Grande do Sul por não ter conseguido pagar despesas da saúde e da educação no final de seu primeiro mandato como prefeito de Cachoeirinha (RS), em 2004. Os pagamentos não foram feitos a tempo, segundo ele, porque o governo estadual atrasou o repasse.

Júlio Lopes PP-RJ - Licenciou-se do mandato de Deputado Federal, na Legislatura 2003-2007, para assumir o cargo de Secretário de Estado de Transportes, a partir de 1º de janeiro de 2007. Renunciou em 18 de janeiro de 2007. Licenciou-se do mandato de Deputado Federal, na Legislatura 2011-2015, para assumir o cargo de Secretário de Estado de Transportes, a partir de 1º de março de 2011. Reassumiu em 4 de abril de 2014. Quando secretário, foi responsabilizado pelo acidente com um bonde no bairro de Santa Tereza, no Rio de Janeiro, que deixou seis pessoas mortas e outras 57 feridas. Devido ao acidente, teve os bens bloqueados pela Justiça do Rio e foi determinado, juntamente com outros três réus terão que indenizar em R$ 6,3 milhões o patrimônio público. É investigado por apropriação indébita previdenciária e uso de símbolos governamentais em propaganda eleitoral.

Tiago disse...

Marco Antônio Cabral PMDB-RJ - Filho do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, Marco Antônio foi acusado pelo TSE, em 2013, de antecipar a propaganda eleitoral através das redes sociais, sendo obrigado a apagar sua conta do Facebook. Em 2014 ele foi multado em R$ 10,000.00 pelo TRE-RJ por propaganda eleitoral antecipada. Quando se candidatou ao congresso, Marco declarou à Justiça Federal ter R$ 360 mil em bens, com apenas 23 anos. Uma polêmica que ronda a vida de Marco Antônio Cabral, é a morte da noiva, a estudante Mariana Noleto, num misteriosos e não investigado desastre de helicóptero na Bahia.

Marinha Raupp PMDB-RO - Estreou na política em 1994, então filiada ao PSDB quando foi eleita pela primeira vez deputada federal. Seria reeleita por outras três vezes consecutivas. Desde 2001 pertence ao PMDB. Casada com o senador Valdir Raupp, Marinha, ao lado de seu marido, são suspeitos de ter formado caixa dois para campanha de 2010 por meio do esquema de desvios de corrupção da Petrobras.

Nilson Leitão PSDB-MT – Quando era presidente estadual do PSDB, o diretório teve as contas referentes ao exercício de 2007 e 2010 reprovadas. O partido recorreu, mas a decisão foi mantida. É alvo de inquérito que apura corrupção passiva, referente aos esquemas de corrupção entre a empreiteira Gautama e administradores públicos no município de Sinop (MT), à época em que o parlamentar era prefeito. Em 2007, ele chegou a ser preso preventivamente na Operação Navalha da Polícia Federal, que investigava o mesmo caso. É alvo de inquérito que apura incitação ao crime e formação de quadrilha. O parlamentar teria incentivado invasões a terras indígenas. O processo corre sob segredo de justiça. É alvo de inquérito que apura crimes de responsabilidade. De acordo com a acusação, o parlamentar teria superfaturado a execução de obras de pavimentação e drenagem em trecho urbano da BR-163 de forma a facilitar o desvio de recursos públicos, entre 2001 e 2006, quando era prefeito de Sinop (MT). A denúncia foi recebida quanto ao crime de responsabilidade por desvio ou apropriação de bem público. É alvo de inquéritos que apuram crimes da Lei de Licitações.

Otávio Leite PSDB-RJ - É alvo de representação (sob segredo de justiça) por captação e gastos ilícitos na campanha de 2014 com pedido de cassação de diploma. O processo envolve a gráfica High Level Signs que foi lacrada por conter material não declarado de campanha do parlamentar e dos deputados federais Marco Antonio Cabral (PMDB), Pedro Paulo (PMDB) e Leonardo Picciani (PMDB), estes respondem processos separados. Foi deferido o pedido de quebra de sigilo bancário.

Pauderney Avelino DEM-AM – Quando era presidente do DEM, a prestação de contas do partido foi declarada não prestada. Houve a suspensão do repasse de novas cotas do Fundo Partidário pelo tempo em que durar a omissão.

Tiago disse...

Paulo Maluf PP-SP - Ex-prefeito de São Paulo, Maluf é alvo de inúmeros inquéritos e ações penais, inclusive de um mandado de prisão internacional expedido pela Interpol. Foi condenado a três anos de prisão pela justiça francesa. Foi condenado por improbidade administrativa pelo superfaturamento na construção do túnel Ayrton Senna quando prefeito de SP. A Justiça determinou o ressarcimento de danos, pagamento de multa, proibição de contratar com o poder público ou receber benefícios/incentivos fiscais ou creditícios e suspensão dos direitos políticos. A decisão foi mantida em segunda instância. Foi condenado pela utilização de meios e dinheiro público para promoção pessoal durante o período em que ocupou o cargo de prefeito de SP. A Justiça determinou o ressarcimento das despesas, a suspensão dos direitos políticos por três anos e o pagamento de multa civil, além da proibição de contratar com o poder público ou receber benefícios fiscais ou creditícios pelo prazo de três anos. O parlamentar recorreu, mas decisão foi mantida. A Justiça determinou a suspensão de direitos políticos e pagamento de multa por promoção pessoal com dinheiro público. Teve reprovada a prestação de contas referente às eleições de 2010. Recorreu da decisão,mas recurso foi negado. É réu em ação penal por lavagem de dinheiro. O caso envolve parentes do deputado, que respondem à ação na Justiça Federal de São Paulo. É réu em ação penal por crimes eleitorais. Foi oferecida denúncia por falsidade ideológica pela Procuradoria Geral da República contra o parlamentar. Ele é acusado de receber financiamento eleitoral da empresa Eucatex, da qual é sócio, sem declarar em sua prestação de contas da campanha eleitoral de 2010. A denúncia foi recebida. É réu em ação movida pela Justiça Pública por crimes contra o sistema financeiro nacional e lavagem de dinheiro. Também são réus da ação sua mulher, Sylvia Maluf, seus filhos, Flávio, Otávio, Lina e Ligia Maluf, seu genro, Miguel Maurílio Cury, sua nora, Jacqueline Maluf. Réu junto com o ex-senador Romeu Tuma e outros por participação em ocultação de cadáveres de militantes durante a Ditadura Militar. À época, o parlamentar era prefeito de São Paulo e Tuma, chefe do DOPS. É alvo ações civis públicas movidas pelo Ministério Público Estadual de São Paulo. É alvo de ação civil de improbidade administrativa, que corre em segredo de justiça, movida pelo Ministério Público estadual. Foi decretada a indisponibilidade de bens, parlamentar recorreu, mas decisão foi mantida.

Tiago disse...

Pedro Paulo PMDB-RJ - Em 2014, foi reeleito deputado federal com 162.403 votos, sendo o sexto mais votado no Estado e o terceiro colocado na capital fluminense. De acordo com o site "O que fez seu deputado", criado pela PUC-RJ, Pedro Paulo se absteve de diversas votações relevantes, como a PEC 37, PEC das Domésticas, Novo Código Florestal, Marco Civil da Internet, Fim do Voto Secreto, PEC do Trabalho Escravo, Tribunais Federais e Migração Partidária. Em 2015, Pedro Paulo admitiu ter agredido física e moralmente sua ex-mulher por duas vezes. Embora tenha tentado reduzir a dimensão do episódio, qualificando-o como descontrole provocado por ciúmes.

Marco Feliciano PSC-SP - Teve desaprovada a prestação de contas da eleição de 2014 para deputado federal. Tribunal considerou que houve omissão de despesas. Parlamentar recorreu em terceira instância, mas a decisão foi mantida. É alvo de inquérito que apura irregularidades na contratação de cinco pastores da igreja Catedral do Avivamento, fundada pelo parlamentar. De acordo com a denúncia, os pastores foram contratados pelo seu gabinete, mas não estariam cumprindo o expediente. É alvo de ação civil pública com pedido de indenização por danos morais difusos. A ação foi ajuizada pela ONG Ação Brotar pela Cidadania e Diversidade Sexual em virtude das manifestações do parlamentar acerca da parada do Orgulho LGBT e de Viviany Beleboni - ativista transexual que realizou uma performance no evento -, que teriam incorrido em crimes de difamação, injúria e incitação ao ódio à população LGBT.

Sérgio Reis PRB-SP - Teve desaprovada a prestação de contas das eleições de 2014 para deputado federal. O parlamentar recorre.

Carlos Andrade PHS-RR - É alvo de representação movida pelo Ministério Público, por captação ou gasto ilícito de recursos financeiros de campanha eleitoral. Teve reprovada a prestação de contas das eleições de 2014 para deputado federal. O parlamentar recorre da decisão. E foi multado por irregularidades na prestação de contas da Boa Vista Energia de 2004 de sua responsabilidade.

Afonso Hamm PP-RS - É alvo de inquérito aberto com a Operação Lava Jato da Policia Federal, que investiga esquema de corrupção e lavagem de dinheiro com recursos desviados da Petrobras.

Alceu Moreira PMDB-RS - Foi condenado por improbidade administrativa. A Justiça considerou que houve desvio de finalidade na contratação de dois funcionários pela prefeitura de Osório e determinou o ressarcimento de danos ao erário e o pagamento de multa. O parlamentar interpôs recurso, que foi negado. Em seguida, interpôs agravo em terceira instância contra a decisão que negou seguimento ao recurso, mas ela foi mantida. Réu em processo por improbidade administrativa foi condenado em segunda instância ao pagamento de multa por contratação irregular de funcionário público. Foi condenado ao pagamento de multa por conduta vedada a agente público (uso irregular de serviço social de saúde pública). A decisão foi mantida em segunda instância. É alvo de inquérito que apura crimes da Lei de licitações e corrupção passiva. O processo corre sob segredo de justiça.

Tiago disse...

Giovani Cherini PDT-RS - Foi condenado em ação movida pelo Ministério Público Eleitoral por abuso de poder econômico e compra de votos. A Justiça decretou sua inelegibilidade por três anos, a contar das eleições de 2006.

Luis Carlos Heinze PP-RS - É alvo de inquérito aberto com a Operação Lava Jato da Policia Federal, que investiga esquema de corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro com recursos desviados da Petrobras.

Mauro Pereira PMDB-RS - Teve desaprovada a prestação de contas das eleições de 2004 para vereador de Caxias do Sul. Recorreu, mas a decisão foi mantida.

Osmar Terra PSDB-RS - O TCE-RS apontou irregularidades nas suas gestões da Secretaria da Saúde e da Prefeitura e o condenou ao pagamento de multa.

Renato Molling PP-RS - É alvo de inquérito aberto com a Operação Lava Jato da Policia Federal, que investiga esquema de corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro com recursos desviados da Petrobras. Condenado a ressarcir o montante gasto com a publicação de editais de dispensa de licitação, bem como à suspensão dos direitos políticos pelo período de três anos. À época em que era prefeito do município de Sapiranga, o parlamentar contratou a empresa ACB Torres Advogados Associados sem o devido processo licitatório.

Ronaldo Nogueira PTB-RS - Teve reprovadas as contas referentes à campanha eleitoral de 2014. O parlamentar recorreu, mas a decisão foi mantida.

Carmen Zanotto PPS-SC - É ré em ação civil de improbidade administrativa por enriquecimento ilícito movida pelo Ministério Público Estadual. Foram constatadas irregularidades no procedimento licitatório referente a contrato de gestão do Hospital Infantil Doutor Jeser Amarante Faria para o ano de 2008, no qual a parlamentar estava à frente da Secretaria de Saúde estadual. Zanotto recorre da decisão que determinou o pagamento de multa. Foi responsabilizada e multada por irregularidades referentes à gestão do Fundo Municipal de Saúde de Lages e à construção de um hospital regional.

Celso Maldaner PMDB-SC - Foi condenado em ação de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público Estadual por prática ilícita cometida quando ocupava o cargo de secretário estadual. A Justiça determinou o pagamento de multa. A sentença foi mantida em segunda instância, com redução do valor da multa. Foi responsabilizado e multado por irregularidades referentes a licitações e à gestão do Fundo de Assistência e Previdência quando prefeito. Foi, ainda, condenado a multa por irregularidades em contratações durante sua gestão na Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional de Maravilha.

Marco Tebaldi PSDB-SC - O parlamentar recorre no STF de condenação em primeira instância por falsidade ideológica, que determinou pagamento de multa, inabilitação para o exercício de cargo público e prisão, substituída por prestação de serviços à comunidade.

Mauro Mariani PMDB-SC - Réu em ação por improbidade administrativa. A ação havia sido extinta em primeira instância, mas o TJ-SC anulou essa decisão

Anônimo disse...

Ronaldo Benedet PMDB-SC - É réu em ação por improbidade administrativa movida pelo Ministério Público Federal. É alvo de inquérito que apura crimes eleitorais. É alvo de ação movida pelo Ministério Público por abuso eleitoral.

Marcos Reategui PSC-AP - É réu em ação civil de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público Estadual. É réu por crimes de responsabilidade por acessar inquéritos e informar aos investigados sobre as investigações da Polícia Federal. Foi determinada sua prisão preventiva em novembro de 2013 e no mês seguinte conseguiu sua liberdade por meio de Habeas Corpus que determinou seu afastamento do cargo. Em virtude de sua diplomação como deputado federal, o processo foi remetido ao STF. O parlamentar é réu em mais duas ações penais, ajuizadas pelo Ministério Público Federal. É também investigado em ações civis de improbidade administrativas movidas pelo Ministério Público Federal. É investigado em processo por abuso de poder econômico movido pelo Ministério Público Eleitoral. É, ainda, alvo de representações no TRE-AP, movidas pelo Ministério Público Eleitoral.

Wladimir Costa SD-PA - É réu em ação penal sobre peculato, movida pelo Ministério Público Federal. Corre sob segredo de justiça. Responde a processo por crimes de captação ou gasto ilícito de recursos financeiros em sua campanha eleitoral de 2014.

Alex Canziani PTB-PR - É réu em ação civil pública por improbidade administrativa com dano ao erário movida pelo Ministério Público do Paraná. Teve decretada a indisponibilidade de seus bens e a quebra de sigilo bancário.

Alfredo Kaefer PSL-PR - É réu em ação penal por crimes contra o sistema financeiro nacional e formação de quadrilha. De acordo com a denúncia, o parlamentar, quando ocupava o cargo de presidente-diretor do Conselho de Administração da SUL Financeira, autorizou a emissão de cartas-fiança sem consultar os registros contábeis, configurando gestão fraudulenta. Teria ainda realizado operações de desconto de títulos e firmado empréstimo com sua própria empresa, Diplomata Industrial e Comercial LTDA, o que corresponde à prática de empréstimo vedado. A ação está em segredo de justiça. É alvo de inquérito que apura crime contra o patrimônio público. É alvo de inquérito que apura crimes contra a ordem tributária.

Dilceu Sperafico PP-PR - É alvo de inquérito aberto com a Operação Lava Jato da Policia Federal, que investiga esquema de corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro com recursos desviados da Petrobras. Em delação premiada, o doleiro Alberto Youssef disse que Dilceu teria sido um dos beneficiários da “cota” do PP, paga com propinas de empreiteiras. É investigado em inquéritos movidos pelo Ministério Público Federal por crimes contra a administração pública e peculato. É alvo de representação por conduta vedada a agente público movida pelo Ministério Público Eleitoral.

Fernando Francischini SD-PR - É alvo de ação movida pela Defensoria Pública do Paraná. É alvo de ação civil de improbidade administrativa ajuizada pelo Ministério Público.

Giacobo PR-PR - Foi réu em ação penal por cárcere privado e sequestro contra o gerente de uma propriedade rural vendida ao deputado mas conseguiu a suspensão do julgamento e o crime se prescreveu.

Tiago disse...

Leopoldo Meyer PSB-PR - Foi condenado a pagamento de multa devido à contratação de empresa sem prévia licitação, enquanto prefeito de São José dos Pinhais. Recorreu da decisão, que foi mantida. Foi responsabilizado por conduta vedada a agentes públicos por veiculação de propaganda institucional irregular. A Justiça determinou o pagamento de multa de R$ 15.960.

Luiz Nishimori PR-PR - É alvo de inquérito referente a crimes de estelionato majorado, formação de quadrilha e crimes contra a fé pública. A ação segue em segredo de justiça.

Marcelo Belinati PP-PR - É alvo de inquérito que apura suposto uso ilegal, na propaganda eleitoral, de símbolos, frases ou imagens, associadas ou semelhantes às empregadas por órgão de governo, empresa pública ou sociedade de economia mista, quando o investigado era candidato à prefeitura de Londrina (PR).

Nelson Meurer PP-PR - É alvo de inquéritos abertos com a Operação Lava Jato da Policia Federal, que investigam esquema de corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro com recursos desviados da Petrobras.

Nelson Padovani PSDB-PR - Teve rejeitadas as contas eleitorais referentes à candidatura de 2014. O parlamentar recorre.

Ricardo Barros PP-PR - Foi condenado por fraude em venda de equipamentos da Prefeitura de Maringá, referente ao período que governou o município. Embora o negócio tenha sido fechado com o município de Luiziana, o comprador final foi um dos membros da comissão avaliadora dos equipamentos. A condenação foi mantida em segunda instância. Condenado em segunda instância por danos causados aos cofres públicos em função de isenções tributárias ilegais que concedeu quando prefeito de Maringá. A Justiça determinou o ressarcimento do erário. O parlamentar interpôs recurso, mas a decisão foi mantida. O parlamentar é investigado por corrupção passiva, peculato e fraude em licitação para contratação de serviços publicitários para a Prefeitura de Maringá em favor da empresa Meta Propaganda. O processo corre sob segredo de justiça.

Rubens Bueno PPS-PR - As contas do PPS de Carlópolis (PR) e de Chopinzinho (PR) relativas ao ano de 2014 não foram prestadas, como exige a Justiça Eleitoral. Foi determinada a suspensão de repasses do Fundo Partidário, bem como a devolução de repasses cujas contas não foram prestadas e a suspensão do registro do órgão regional do partido, do qual o parlamentar é presidente.

Sergio Souza PMDB-PR - É réu em ação civil de improbidade administrativa com dano ao erário, movida pelo Ministério Público Estadual, referente a irregularidades e fraudes em licitação.

Takayama PSC-PR - É réu em ação penal que investiga crimes contra a ordem tributária, estelionato e peculato. É acusado de desviar verbas públicas por meio de provimentos irregulares em cargos de comissões. É réu em ação civil de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público Estadual e pelo Estado do Paraná.

Tiago disse...


Toninho Wandscheer PROS-PR - Foi multado por conduta vedada a agente público pela prática de propaganda institucional com dinheiro público. É réu em ações civis públicas por improbidade administrativa (dano ao erário) abertas com a Operação Sanguessuga da Polícia Federal, que desmontou esquema de desvio de verbas públicas da União. O ex-prefeito é acusado de irregularidades em convênio para compra de ambulância para o município Fazenda Rio Grande. Foi condenado à suspensão dos direitos políticos por cinco anos, ao pagamento de multa civil equivalente a 20 vezes o montante da atual remuneração do prefeito de Fazenda Rio Grande, e à proibição de contratar com o poder público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, pelo prazo de três anos. É réu em ação civil pública por ato de improbidade administrativa movida pelo município de Fazenda Rio Grande. O ex-prefeito é acusado de cometer irregularidades ao aprovar decreto de loteamento imobiliário que o beneficiaria direta ou indiretamente por ser sócio da empresa loteadora. O processo segue em segredo de justiça.

Carlos Marun PMDB-MS - Teve as contas relativas à campanha de 2002 rejeitadas pela Justiça Eleitoral de Mato Grosso do Sul. É réu em ação civil de improbidade administrativa com dano ao erário.

Geraldo Resende PMDB-MS - O partido PPS teve desaprovada a prestação de contas referente ao ano de 2005 quando era presidente do partido. Teve declarada irregular a execução financeira em sua gestão enquanto secretário da Saúde. É alvo de inquérito que apura corrupção passiva.

Mandetta DEM-MS - É alvo de inquérito que apura crime da Lei de Licitações e tráfico de influência. É alvo de ações civis de improbidade administrativa com dano ao erário na Justiça Federal, ajuizadas pelo MPF.

Alfredo Nascimento PR-AM - Foi condenado com seu então secretário de Administração por improbidade administrativa praticada durante sua gestão como prefeito de Manaus no exercício de 1997 a 2003 foram contratadas mais de 14 mil pessoas para cargos nas secretarias municipais sem concurso público. A Justiça determinou a suspensão dos direitos políticos do parlamentar por cinco anos, a proibição de contratar com o poder público ou receber benefícios ou incentivos fiscais, direta ou indiretamente, pelo prazo de três anos, o pagamento de multa em dez vezes o valor da remuneração recebida nos cargos que ocupavam à época dos fatos, e o pagamento de indenização por danos morais coletivos no valor de R$ 80 mil. O parlamentar recorre em segunda instância. O TCU determinou a devolução de montante referente a pagamentos irregulares realizados a servidores da Suframa a título de indenização trabalhista. É alvo de inquérito que apura a prática de crimes contra a administração pública. De acordo com a denúncia, o parlamentar teria liberado verbas públicas, no período em que era ministro dos transportes, que foram repassadas ao seu filho, Gustavo Morais, por intermédio de empresa SC Transportes e Navegação Ltda. É réu em ação penal por crime de falsidade ideológica. De acordo com a denúncia, o parlamentar inseriu informações falsas em prestação de contas eleitoral em 2006 para justificar despesas de R$ 15 mil com banners, minidoors e cartazes. É alvo de inquérito que apura crimes contra a administração pública, relacionados a irregularidades na contratação de empresas para execução de obras, durante o período em que o parlamentar foi ministro dos transportes. De acordo com a denúncia apresentada pelo Procurador Geral da República, perduram indícios que duas empresas, que seriam "de fachada" e estariam de conluio, foram contratadas irregularmente por agências do Ministério dos Transportes. A denúncia também aduz que há indícios que eram permitidos desvio de recursos públicos e fraudes a licitações no âmbito do Ministério dos Transportes e órgãos a ele ligados, em troca de pagamento de propina a dirigentes e integrantes do PR, presidido por Alfredo Nascimento. É alvo de ações de improbidade administrativa movidas pelo Ministério Público.



Tiago disse...

Marcos Rotta PMDB-AM - É alvo de ação civil de improbidade administrativa com dano ao erário.

Lucio Mosquini PMDB-RO - É alvo de inquérito que apura a prática dos crimes de organização criminosa, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. A denúncia relatou indícios, apurados pela Operação Ludus, de superfaturamento, direcionamento, fraude e desvio de recursos públicos na licitação e execução das obras públicas, estimadas ao custo de mais de R$ 22 milhões. O parlamentar chegou a ser preso preventivamente no curso da operação, por determinação do TJ-RO. Contudo, o STJ concedeu o habeas corpus aos acusados.

Nilton Capixaba PTB-RO - Diretório estadual do PTB teve as contas reprovadas referente ao exercício de 2009, quando o parlamentar era presidente. Acusado de envolvimento com a Máfia das Ambulâncias, é réu em ação penal movida pelo Ministério Público Federal por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. É réu em ação penal movida pelo Ministério Público Federal, referente a prática de crimes da Lei de Licitações. É alvo de ação de improbidade administrativa (violação aos princípios administrativos) movida pelo MPF por envolvimento com a máfia das ambulâncias.

Giuseppe Vecci PSDB-GO - O tribunal desaprovou as contas da campanha eleitoral de 2014 prestadas pelo parlamentar e determinou, em um primeiro momento, que o parlamentar depositasse R$ 100.000,00 na conta bancária do PSDB e pagasse multa de R$ 1.274.650,00. Após interposto recurso, o tribunal excluiu apenas a determinação do pagamento de multa. O parlamentar recorre da decisão que desaprovou sua prestação de contas.

Heuler Cruvinel PSD-GO - É alvo de representação proposta pelo Ministério Público Federal por abuso de poder e captação ilícita de sufrágio.

Jovair Arantes PTB-GO - Teve rejeitada a prestação de contas referente às eleições de 2006. Mantida a decisão que reprovou a sua prestação de contas da campanha de 2012. É alvo de ação movida pelo Ministério Público Federal referente a crimes de improbidade administrativa.

Magda Mofatto PR-GO - Teve o mandato de prefeita cassado em 2007 por captação de sufrágio e abusos de poder político e econômico nas eleições de 2004. É alvo de ações civis públicas, inclusive de improbidade administrativa, movidas pelo Ministério Público Estadual.

Roberto Balestra PP-GO - Teve rejeitada prestação de contas referente às eleições de 2006. O parlamentar entrou com recurso, mas decisão foi mantida. É alvo de inquérito aberto com a Operação Lava Jato da Policia Federal, que investiga esquema de corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro com recursos desviados da Petrobras. É alvo de inquérito que envolve quebra de sigilo bancário, movido pelo Ministério Público Federal. O processo tramita sob segredo de Justiça.

Tiago disse...

Alberto Fraga DEM-DF - Foi condenado por porte ilegal de arma de fogo. Justiça determinou pena de quatro anos de reclusão em regime aberto. Teve reprovada a prestação de contas referente a sua campanha eleitoral ao cargo de senador em 2010. É alvo de ação civil de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público Federal. A ação pede a devolução de pagamento irregular de trabalhadora doméstica que constava como secretária parlamentar na folha de pagamento de seu gabinete. É réu em ação penal por peculato e falsidade ideológica, movida pelo Ministério Público Federal. É alvo de inquérito referente a crime de concussão. A denúncia foi recebida, por unanimidade. É alvo de dois inquéritos no STF que investigam crimes da Lei de Licitações.

Augusto Carvalho SD-DF - Condenado por improbidade administrativa pela contratação sem licitação prévia da Real Sociedade Espanhola de Beneficência para a administração do Hospital Santa Maria. A Justiça determinou a perda da sua função pública, o pagamento da multa civil fixada em cem vezes o valor da remuneração e a suspensão dos direitos políticos por oito anos. Teve rejeitada a prestação de contas referente às eleições de 1998. É alvo de inquérito que apura crimes da Lei de Licitações e peculato.

Flaviano Melo PMDB-AC - É réu em ação penal movida pelo Ministério Público Federal por peculato e crimes contra o sistema financeiro nacional. É réu em ação civil de improbidade administrativa com dano ao erário e possível enriquecimento ilícito. O parlamentar teria participado de um conluio entre funcionários do alto escalão do Estado do Acre, serventuários da justiça estadual, empresários locais e servidores do Banco do Brasil para desviar, a contas-fantasma, verbas públicas do Fundo de Participação do Estado e da Serventia Única de Títulos e Protestos da Comarca de Rio Branco. Foi responsabilizado por omissão de prestação de contas referente a dinheiro recebido do Fundo Especial para Calamidades Públicas.

Carlos Henrique Gaguim PTN-TO - Foi condenado à pena de inelegibilidade por 8 anos, a partir do pleito de 2010. De acordo com a denúncia, o parlamentar utilizou-se indevidamente do Instituto de Radiodifusão Educativa - Redesat para fazer propaganda a favor de si e contrária ao candidato adversário, valendo-se de ascendência detida no meio de comunicação por ser Governador do Estado e agindo com abuso de poder político. Foi condenado por abuso de poder e conduta vedada à agente público. De acordo com a denúncia, Carlos Henrique Amorim utilizou do cargo público de governador para se auto-promover visando à reeleição, o que configurou abuso de poder político e propaganda antecipada. O parlamentar teve propaganda em benefício próprio veiculada sob pretexto de propaganda institucional, prometeu benfeitorias e doou bens em caravana de propaganda governamental de caráter eleitoreiro, doou bicicletas por empresa particular à fundação Pioneiros Mirins em troca de apoio nas urnas, promoveu carreata de Policiais Militares no dia da convenção de seu partido, veiculou, em jornal de grande circulação, nota denegrindo o candidato adversário, paga com dinheiro público, teve gastos extrapolantes com propaganda, entre outras práticas abusivas. É réu em ações por improbidade administrativa movidas pelo Ministério Público na Justiça estadual.

Alex Manente PPS-SP - É alvo de inquérito que apura a prática de crimes eleitorais. É alvo de ação por improbidade administrativa e dano ao erário movida pelo Ministério Público.

Tiago disse...

Beto Mansur PRB-SP - Foi condenado em primeira instância pelas condições de trabalho degradantes, análogas à de escravo, a que os trabalhadores empregados em suas fazendas eram submetidos. Teve que pagar indenização de R$ 200 mil por danos morais coletivos. Foi condenado em ação civil pública por improbidade administrativa/violação aos princípios administrativos ao ressarcimento ao erário e a pagamento de multa. Foi condenado a ressarcir os cofres públicos por contrato de fornecimento de cestas básicas firmado com dispensa irregular de licitação pelo município de Santos. Foi condenado a pagamento de indenização por danos morais e materiais por omissão relativa à segurança do trabalho, juntamente com o Partido Progressista (PP). É alvo de representação movida pela Procuradoria Regional Eleitoral por captação ou gasto ilícito de recursos financeiros nas eleições de 2014. É alvo de inquérito que apura crimes de responsabilidade, referentes à sua gestão de prefeito em Santos (SP). TJ-SP - Comarca de Barra Bonita. É alvo de ação civil pública por dano ambiental movida pelo Ministério Público Estadual. O TCE reprovou contas e apontou irregularidades em processos licitatórios, contratos e contratações na gestão à frente da prefeitura.

Bruna Furlan PSDB-SP - Foi condenada por improbidade administrativa a pagamento de multa civil e proibição de contratar com o poder público por três anos. A Justiça considerou procedente a acusação de promoção pessoal e propaganda da pré-candidatura de Carlos Zicardi (PMDB) a prefeito em 2012 nos eventos “Agitaí”, entrega de kits esportivos no ginásio José Corrêa e programa “Nosso Abraço”, evento comemorativo de 100 anos da Assembléia de Deus no Brasil no município de Barueri em 2011.

Carlos Sampaio PSDB-SP - Teve reprovada a prestação de contas referente às eleições de 1998. É alvo de investigação por abuso de poder político.

Eduardo Cury PSDB-SP - Foi mantida decisão que desaprovou a prestação de contas de sua campanha eleitoral de 2004. O Tribunal de Contas Estadual detectou diversas irregularidades durante a sua gestão como prefeito de São José dos Campos, por exemplo. Foi multado por irregularidades em concorrência e contrato realizados durante a sua gestão como prefeito de São José dos Campos. Em apelação à decisão da primeira instância que julgara improcedente o pedido da Ação Popular nº 0288044-56.2005.8.26.0577, o Tribunal de Justiça condenou Eduardo Cury e a empresa Página Comunicação Ltda a devolverem aos cofres públicos o montante gasto pela Prefeitura de São José dos Campos para propaganda que promoveu ilegalmente o parlamentar. Além disso, a contratação da empresa julgada ilegal e anulada pelo tribunal.

Jefferson Campos PSD-SP - É alvo de ações civis de improbidade administrativa por dano ao erário movidas pelo MPF por envolvimento com a máfia das ambulâncias.

Marcelo Squassoni PRB-SP - Foi condenado por improbidade administrativa por uso da máquina pública para favorecimento pessoal devido à expedição irregular de certidão negativa de débito não condizente ao valor real do imóvel. Justiça determinou ressarcimento integral do dano correspondente e a pagamento de multa civil. É alvo de inquérito sobre crimes de peculato, corrupção ativa e passiva, no período em que chefiou a gerência regional do Patrimônio da União em São Paulo. É alvo de ação civil de improbidade administrativa com dano ao erário, movida pelo Ministério Público Estadual.

Marcio Alvino PR-SP - É reu em outra ação civil pública referente a crimes contra o meio ambiente, na condição de representante do município de Guararema, do qual foi prefeito.

Miguel Haddad PSDB-SP - Foi condenado em ação popular a ressarcir os cofres públicos municipais em decorrência de contrato firmado ilegalmente e sem licitação.

Tiago disse...

Silvio Torres PSDB-SP - O parlamentar teve reprovada as contas referentes às eleições de 2002. Ele recorreu da decisão no próprio TRE, mas ela foi mantida.

Hildo Rocha PMDB-MA - O parlamentar figura como réu em ações civis públicas por improbidade administrativa movidas pelo Ministério Público Estadual, por ter contratado funcionário sem concurso público quando prefeito de Cantanhede (MA).

Juscelino Filho DEM-MA - É réu em ação de impugnação de mandato eletivo, ajuizada pelo Ministério Público Eleitoral. O processo corre em segredo de justiça.

Danilo Forte PSB-CE - É alvo de inquérito que investiga violações de direito e processo eleitoral. É alvo de ações de improbidade administrativa movidas pelo Ministério Público Federal.

Genecias Noronha SD-CE - Condenado em segunda instância por improbidade administrativa com dano ao erário. O parlamentar realizou uma doação irregular de imóvel público para servir a interesses privados. A Justiça o condenou ao pagamento de multa no valor do imóvel doado.

Cristiane Brasil PTB-RJ - É alvo de inquérito referente a crime de boca de urna. A parlamentar chegou a ser detida em flagrante praticando boca de urna durante as eleições de 2014.

Felipe Bornier PROS-RJ - É alvo investigação por uso indevido de meios de comunicação nas eleições de 2014 movida pelo Ministério Público Eleitoral. Tribunal investiga a promoção excessiva de sua candidatura nos jornais Dia a Dia e ABC Diário.

Francisco Floriano DEM-RJ - É alvo de ação de investigação judicial eleitoral por abuso de poder econômico e por uso da igreja Mundial do Poder de Deus em Volta Redonda (RJ) para promover sua candidatura. Ação pede inelegibilidade e cassação de mandato do parlamentar.

Hugo Leal PSB-RJ - Foi condenado à suspensão dos direitos políticos por oito anos, ao pagamento de multa cem vezes o valor da remuneração que recebia à época dos fatos e à proibição de contratar com o poder público ou receber benefícios, incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, pelo prazo de cinco anos. O processo se refere a violações aos princípios administrativos pela sua participação no esquema das ONGs de irregularidades licitatórias, no período em que foi presidente do DETRAN/RJ. É alvo de ações por improbidade administrativa movidas pelo Ministério Público.

Marcos Soares DEM-RJ - Teve reprovada a prestação de contas de 2014 para deputado federal por diversas falhas e omissões nas contas da campanha.

Tiago disse...

Washington Reis PMDB-RJ - O TCE-RJ detectou irregularidades em contratos e contas referentes à administração financeira da prefeitura de Duque de Caxias, sob sua responsabilidade.

Marcus Vicente PP-ES - O PTB-ES teve as contas anuais do partido desaprovadas referentes ao exercício financeiro dos anos de 2005 e 2006, quando o parlamentar presidia a sigla. É alvo de representação movida pelo Ministério Público Eleitoral do Espírito Santo por captação ou gasto ilícito de recursos financeiros de campanha eleitoral. É réu em ação penal. A Justiça estadual declarou-se incompetente e a ação foi remetida ao Supremo Tribunal Federal, em virtude da prerrogativa de função do deputado.

Max Filho PSDB-ES - Teve reprovada prestação de contas referente à campanha eleitoral de 2010 por gasto com combustível em veículos não declarados na campanha. TCE-ES apontou irregularidades na gestão da prefeitura de Vila Velha, quando foi prefeito.

Sergio Vidigal PDT-ES - É réu em ação penal movida pelo Ministério Público Federal, referente a crimes contra o meio ambiente. É alvo de ações civis públicas, movidas pelo Ministério Público Estadual.

Iracema Portella PP-PI - É investigada por abuso de poder econômico em ação movida pelo Ministério Público Eleitoral. A deputada e seu marido, o senador Ciro Nogueira (PP-PI), são alvo de inquérito que apura crimes de lavagem ou ocultação de bens, direitos ou valores, tráfico de influência e formação de quadrilha ou bando. É ré em ação civil por improbidade administrativa movida pelo Ministério Público Federal, conjuntamente com o seu marido e senador Ciro Nogueira (PP-PI), por promoção pessoal e propaganda eleitoral realizada com dinheiro público.

Bilac Pinto PR-MG - É investigado em inquérito que apura corrupção eleitoral e transporte ilegal de eleitores.

Caio Narcio PSDB-MG - Foi condenado ao pagamento de multa em representação de conduta vedada a agente público, movida pelo Ministério Público Eleitoral. O parlamentar e os demais réus teriam utilizado um veículo pertencente à Prefeitura para transportar bebidas ao evento de inauguração de uma ponte no município de Coromandel. Também realizaram, durante o evento público, propaganda política em favor de Caio Nárcio.

Carlos Melles DEM-MG - Foi condenado por improbidade administrativa em ação movida pelo Ministério Público por usar propaganda oficial para fins políticos pessoais. Recorreu da condenação, que foi mantida, mas conseguiu reverter a suspensão de direitos políticos e perda do mandato, mantendo somente a pena de pagamento de multa. Foi condenado no TSE a inelegibilidade por três anos, a partir de 2006, por uso indevido dos meios de comunicação social.

Delegado Edson Moreira PR-MG - É réu em ação penal por peculato movida pelo Ministério Público Federal. É alvo de inquérito que apura o crime de ameaça.

Diego Andrade PSD-MG - Na condição de presidente do diretório estadual mineiro do PSD, o parlamentar figura como parte em processos nos municípios de Taiobebeiras, onde a legenda não prestou as contas anuais de 2013 e 2014, e em Barra Longa, onde ocorreu o mesmo em relação ao exercício de 2014. A Justiça Eleitoral condenou o diretório municipal à suspensão do repasse de novas cotas do fundo partidário, enquanto a situação não estiver regularizada.

Tiago disse...

Eduardo Barbosa PSDB-MG - É alvo de inquérito movido pelo Ministério Público Federal por peculato. O processo está sob segredo de justiça.

Franklin Lima PP-MG - Foi condenado a inelegibilidade pelo período de 8 anos após as eleições de 2014. Em evento religioso realizado pela Igreja Mundial do Reino de Deus, com cerca de cinco mil participantes e ocorrido no dia anterior à eleição, o pastor Valdemiro Santiago promoveu as candidaturas de Pastor Franklin, candidato à deputado federal, e do então candidato à deputado estadual Missionário Márcio Santiago (PTB-MG), chegando a pedir explicitamente que seus fiéis votassem nos candidatos. A justiça eleitoral entendeu se tratar de abuso de poder econômico mediante o abuso do poder de autoridade religiosa ou do poder religioso, e decidiu pela inelegibilidade dos réus e pela cassação do mandato de deputado estadual de Missionário Márcio.

Lincoln Portela PRB-MG - É alvo de inquérito que apura crimes previstos na lei de licitações. É alvo de ação de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público Federal e pela União.

Luiz Fernando Faria PP-MG - É alvo de inquéritos abertos com a Operação Lava Jato da Policia Federal, que investigam esquema de corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro com recursos desviados da Petrobras.

Marcos Montes PSD-MG - Condenado em ação civil de improbidade administrativa. A Justiça determinou suspensão dos direitos políticos por oito anos, ressarcimento ao erário e pagamento de multa. Foram constatadas irregularidades em contratação sem licitação da empresa Agência de Desenvolvimento Sustentável do Brasil Central.

Marcus Pestana PSDB-MG - Na condição de presidente do diretório estadual mineiro do PSDB, o parlamentar figura como parte em processos nos municípios de Prados, Cipotânea e São Gonçalo do Rio Abaixo, nos quais a legenda não prestou as contas anuais do exercício financeiro de 2014. A Justiça Eleitoral condenou os diretórios municipais à suspensão do repasse de novas cotas do fundo partidário, enquanto a situação não estiver regularizada.

Raquel Muniz PSD-MG - É alvo de ação por improbidade administrativa e enriquecimento ilícito movida pela União Federal. A parlamentar e seu marido são réus em ação por improbidade administrativa com dano ao erário, referente a mau uso de verbas públicas destinadas a uma de suas empresas, a FUNORTE. parlamentar e seu marido são investigados por abuso de poder político e de autoridade. Ministério Público investiga esquema de favorecimento da candidatura da parlamentar com concessão de gratificações a servidores públicos na prefeitura governada pelo marido.

Subtenente Gonzaga PDT-MG - Foi condenado por crime cometidos contra o sistema financeiro nacional à pena de um ano de reclusão, substituída por prestação de serviços à comunidade. Na época em que era diretor da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores Militares, Polícia Civil e Secretaria de Educação de Minas Gerais, teria utilizado dados de vários cooperados, violando sigilos bancários, com o intuito de suspender as eleições do conselho de administração da cooperativa. Após a condenação, foi declarada a extinção de sua punibilidade. É réu em ação penal por crimes contra o sistema financeiro nacional.

Aguinaldo Ribeiro PP-PB - É alvo de inquérito aberto com a Operação Lava Jato da Policia Federal, que investiga esquema de corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro com recursos desviados da Petrobras.

Wellington Roberto PR-PB - É réu em ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal.

Augusto Coutinho SD-PE - É réu em ação penal sobre crimes contra o meio ambiente e o patrimônio genético. É alvo de ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal por construções irregulares e degradação ambiental.

Betinho Gomes PSDB-PE - É alvo de inquérito, ajuizado pelo Ministério Público Federal, que investiga crimes eleitorais.

Tiago disse...

Eduardo da Fonte PP-PE - É alvo de inquéritos abertos com a Operação Lava Jato da Policia Federal, que investigam esquema de corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro com recursos desviados da Petrobras. Por determinação do STF, a Polícia Federal cumpriu mandado de busca e apreensão na residência do parlamentar.

Marinaldo Rosendo PSB-PE - Prestações de contas do município de Timbaúba, do período em que o parlamentar era prefeito, foram julgadas irregulares. É réu em ação civil de improbidade administrativa por uso irregular dos recursos do FUNDEB destinados aos programas Brasil Escolarizado e Estatísticas e Avaliações Educacionais.

Arthur Oliveira Maia PPS-BA - É réu em ação movida pelo município de Bom Jesus da Lapa. É alvo de inquérito que apura peculato e lavagem de dinheiro.

Lucio Vieira Lima PMDB-BA - O PMDB na Bahia teve reprovada a prestação de contas referente ao exercício de 2007, quando o parlamentar presidia o partido no estado.

Ronaldo Carletto PP-BA - Alvo de inquéritos no STF por peculato, lavagem de dinheiro e crimes contra o sistema financeiro nacional.

Tia Eron PRB-BA - É ré em ação por improbidade administrativa movida pelo Ministério Público.

Adelson Barreto PTB-BA - É alvo de representação movida pelo Ministério Público Eleitoral por conduta vedada a agente público, com pedido de aplicação de multa e de cassação de diploma. É alvo de ação civil de improbidade administrativa com dano ao erário e enriquecimento ilícito, movida pelo Ministério Público do Estado de Sergipe. Em decisão liminar, foi decretada a indisponibilidade de bens do deputado, no montante de R$ 400 mil.

Tiago disse...

Andre Moura PSC-SE - Foi responsabilizado por fraude em licitações, fracionamento de despesas e inscrição irregular de beneficiários no programa Bolsa Família. Foram encontradas irregularidades na aplicação de recursos do Fundo Nacional de Saúde recebidos pelo Município de Pirambu. O parlamentar foi multado por irregularidades envolvendo recursos financeiros transferidos ao município de Pirambu/SE destinados ao Programa de Epidemiologia e Controle de Doenças - ECD e Programa de Agentes Comunitários (PACS-MS), durante a sua gestão como prefeito. Foi multado por irregularidades na contratação de agentes comunitários de saúde pela prefeitura de Pirambu durante a sua gestão como prefeito do município. É réu em três ações penais (969, 973 e 974) no STF que envolvem crimes conexos - apropriação, desvio ou utilização de bens públicos do Município de Pirambu (SE), em que o parlamentar é acusado de ter continuado a usufruir de bens e serviços custeados pela administração municipal, na gestão do prefeito Juarez Batista dos Santos, posterior à sua, de 2005 a 2007. De acordo com depoimento prestado por Juarez Batista dos Santos, André Moura o pressionou com o intuito de manter o poder sobre a municipalidade, exigindo tais benefícios. O depoente ainda relatou que, em virtude das campanhas eleitorais de 2006, as exigências ilícitas de André Moura se agravaram e, não conseguindo atender às demandas, Juarez Batista dos Santos foi alvo de ameaças que culminaram com troca de tiros que feriram o vigilante de sua casa, disparados por quatro homens encapuzados. Referente a este episódio, foi aberto inquérito (3905) em que André Moura figura como alvo por tentativa de homicídio.

Jony Marcos PRB-SE - A Justiça Eleitoral desaprovou e impugnou a prestação de contas de sua campanha eleitoral de 2014.

Arthur Lira PP-AL - É alvo de inquérito que apura corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Processo corre sob segredo de justiça. É alvo de inquéritos abertos com a Operação Lava Jato da Policia Federal, que investigam esquema de corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro com recursos desviados da Petrobras. Acusado de participação em esquema de desvio de dinheiro da Assembleia Legislativa, é alvo de ação civil pública movida pelo MPE. MONITORAR.

Tiago disse...

Ronaldo Lessa PDT-AL - Foi condenado à pena de oito meses de reclusão, convertida em prestação de serviços à comunidade, e ao pagamento de multa por calúnia eleitoral. Conforme consta nos autos, em outubro de 2010, o comitê de campanha do PDT foi arrombado e, na ocasião, foram furtados do local dois computadores. Ronaldo Lessa, então candidato ao cargo de governador de Alagoas, teria afirmado, sem qualquer prova, que o maior suspeito do crime era o governo, referindo-se ao então governador e candidato a reeleição, Teotônio Vilela Filho (PSDB-AL), em entrevista divulgada no jornal Gazeta de Alagoas, de acordo com a denúncia. O tribunal considerou que houve dolo na intenção de ofender a honra do adversário em disputa eleitoral. Condenado por peculato e crimes contra a administração pública a 13 anos de prisão e pagamento de multa. O caso envolve superfaturamento de obras e desvio de mais de R$ 5 milhões que deveriam ser destinados a obras para saneamento e contenção de enchentes em Alagoas. Condenado em segunda instância por improbidade administrativa com dano ao erário devido a irregularidades em dispensa de licitação, liberação e empenho de verba durante seu governo. O Tribunal determinou aplicação de multa civil e ressarcimento solidário de R$ 230 mil. Condenado em ação civil pública de improbidade administrativa em função de má administração e desvio de finalidade de R$ 50 milhões do Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza. A Justiça determinou a perda da função pública, a suspensão de seus direitos políticos por três anos e a aplicação de multa.

A matéria foi publicada no Jornal do Brasil
http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2016/04/mais-de-cem-deputados-que-votaram-pelo.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+blogspot/Eemp+%28Os+Amigos+do+Presidente+Lula%29

Anônimo disse...

Olha isso


Deputado tucano Bruno Araújo que deu o voto 342 pelo golpe aparece em planilha da Odebrecht na Lava Jato

Bruno Araújo, do PSDB, apareceu em planilha de pagamentos do ‘departamento de propina’ da empreiteira que está na mira da Polícia Federal

Deputado tucano Bruno Araújo que deu o voto 342 pelo golpe aparece em planilha da Odebrecht na Lava Jato
Bruno Araújo (PSDB) na votação do impeachment

Brasília - O 342º voto a favor do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara foi dado pelo deputado federal Bruno Araújo, do PSDB de Pernambuco. O tucano é do grupo do presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), que foi derrotado por Dilma nas eleições presidenciais de 2014.

Advogado de formação, Araújo, de 44 anos, está em seu terceiro mandato como deputado federal. Ele ganhou projeção como parlamentar no ano passado, quando se tornou líder da oposição na Câmara.

Oriundo de uma família de políticos, seu primeiro cargo relevante na política foi de deputado estadual. Em 1998, aos 26 anos, ele foi eleito pelo PSDB o deputado mais jovem do Estado de Pernambucano, com mais de 34 mil votos. No Estado, chegou a presidir a Assembleia Legislativa.

“Quanta honra o destino me reservou de poder, da minha voz, sair o grito da esperança de milhões de brasileiros. Pernambuco nunca faltou ao Brasil, carrego comigo nossas histórias de luta pela liberdade e pela democracia. Por isso, vivo ao Brasil, sim, pelo futuro”, declarou o deputado neste domingo na Câmara.

Araújo teve o nome citado na lista de pagamentos feitos pela Odebrecht, relevada após busca e apreensão feita pela Operação Lava Jato em março deste ano. A citação do nome do tucano é referente às campanhas eleitorais de 2010 e 2012.

O deputado, contudo, diz que se trataram de doações oficiais, sendo as de 2010 para sua campanha para deputado federal e as de 2012, referentes a valores recebidos por PSDB e repassados “oficialmente” a candidaturas a prefeito em Pernambuco.

O juiz federal Sérgio Moro, que conduz as investigações da Lava Jato na primeira instância, já afirmou em despachos que não é possível concluir que essa lista da Odebrecht é fruto de dinheiro de caixa dois.

Voto. Após declarar seu voto no púlpito, foi saudado por parlamentares e convidados pró-impeachment. Emocionado, abraçou colegas como Carlos Sampaio (PSDB-SP) e Nilson Leitão (PSDB-MS), também emocionados.

“Nossa formação é democrata. É de buscar tudo que seja melhor para a população. Esse é um momento a nunca ser esquecido. Fico muito honrado de representar os milhões de brasileiros que aguardavam este momento. ”
http://forapsdb.tumblr.com/post/142990157703/deputado-tucano-bruno-ara%C3%BAjo-que-deu-o-voto-342#.VxRkjYAmA7Q.google_plusone_share

Abel disse...

Olha o Judas já atacando os direitos dos trabalhadores
Reformas impopulares são sonho de empresários para governo Temer -
A aprovação do pedido de impeachment de Dilma Rousseff na Câmara aliviou o empresariado veja o resto
http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/04/1762190-reformas-impopulares-sao-sonho-de-empresarios-para-governo-temer.shtml

Anônimo disse...

Mais uma golpista corrupta : Carmen Zanotto (PPS-SC)
Deputada golpista é ré em ação civil de improbidade administrativa por enriquecimento ilícito
Revista Galileu - A Deputada Carmen Zanotto (PPS-SC) é ré em ação civil de improbidade administrativa por enriquecimento ilícito movida pelo Ministério Público Estadual.

Foram constatadas irregularidades no procedimento licitatório referente a contrato de gestão do Hospital Infantil Doutor Jeser Amarante Faria para o ano de 2008, no qual a parlamentar estava à frente da Secretaria de Saúde estadual. Zanotto recorre da decisão que determinou o pagamento de multa.
http://www.debateprogressista.com.br/2016/04/deputada-golpista-e-re-em-acao-civil.html?utm_source=dlvr.it&utm_medium=facebook

Anônimo disse...

Já que estão comentando mais um para lista :
Tucano Alfredo Kaefer
Deputado que votou contra “oligarquia” do PT é réu por fraudar sistema financeiro; “milionário” falido, tucano gerou onda de “frangos canibais” no Paraná
Kaefer no momento decisivo e no álbum de família com a filha Alessandra e a esposa Clarice; ambas foram acusadas pelo juiz Pedro Ivo de serem “testas-de-ferro” do deputado

Por Luiz Carlos Azenha

Ele teve a fama de ser “o deputado federal mais rico do Brasil” por causa da declaração de patrimônio que fez à Justiça Eleitoral antes das eleições de 2014.

No entanto, àquela altura seu império empresarial estava falido.

No início de 2013, um episódio espantoso marcou os moradores de Capanema, no interior do Paraná, onde ficam granjas fornecedoras do Grupo Diplomata, de Alfredo Kaefer.

Galináceos famintos, logo taxados de “canibais”, passaram a ciscar livremente quando o empresário ficou sem dinheiro para alimentar cerca de 500 mil frangos em sua cadeia produtiva.

O mesmo aconteceu em Xaxim, Santa Catarina (ver vídeo no pé do post).

O jornalismo bovino não se deu ao trabalho nem de ler detidamente a declaração de patrimônio do tucano, que fornecia pista decisiva: lá está registrado que, dos R$ 108 milhões de patrimônio que Alfredo Kaefer declarou, R$ 69 mi eram em créditos a receber pela transferência de ações à esposa Clarice.

Um indício de transferência de patrimônio para escapar dos credores.

OS REIS DO FRANGO

A família Kaefer é gaúcha, mas migrou para o Paraná. Dela fazem parte empresários de sucesso, como Velci e Roberto Kaefer, donos da Globoaves. Eles enriqueceram com a expansão repentina das exportações brasileiras de carne de frango e a conquista de novos mercados.

Alfredo foi o único que enveredou pela política partidária, depois de uma história empresarial repleta de episódios obscuros.

Nos últimos meses, o deputado vestiu verde-amarelo para frequentar manifestações pró-impeachment.

Mais recentemente, depois que tornou-se líder do PSL no Congresso, ajudou a articular uma frente com outros partidos nanicos — PTN, PHS, PROS e PEN — para dar votos à iniciativa do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, de golpear Dilma.

No momento decisivo, 17 de abril, votou “pela liberdade, pela democracia, por um futuro melhor”, em honra do povo do Paraná e “das pessoas de bem que querem tirar uma oligarquia instalada nesse poder”. Referia-se, logicamente, à oligarquia do PT.

Kaefer foi muito aplaudido e disseminou nas redes sociais fotos registrando suas aparições nas transmissões de várias emissoras de TV. O auge da atuação parlamentar dele, ironicamente, veio quase junto com a falência empresarial.

Captura de Tela 2016-04-22 às 05.56.34

Enquanto funcionários de suas empresas protestavam no Paraná, com meses de salários atrasados, o tucano cuidava de sua campanha à reeleição em 2014; desprestigiado por Beto Richa em disputas locais, Kaefer pulou do ninho tucano para o de Eduardo Cunha

FUGA RUMO À POLÍTICA?

Jacob Alfredo Stoeffels Kaefer é deputado federal em terceiro mandato.

Teve 82.554 votos em 2014. Declarou gastos de mais de R$ 4,7 milhões.

R$ 1 milhão foi em dinheiro pessoal doado à própria campanha. Outros R$ 700 mil vieram de empresas dos parentes da Globoaves. Outro milhão veio da Pluma Agro Avícola. A Dial Distribuição e Logística entrou com mais de R$ 1,2 milhão. Ou seja, o terceiro mandato foi majoritariamente bancado por gente muito próxima.

Mas pelo menos Kaefer conseguiu evitar o vexame de 2010, quando o Grupo Diplomata doou diretamente à campanha dele R$ 1,6 milhão, com registro na Justiça Eleitoral.

Causou mal estar entre os funcionários. Na época, ex-funcionários tinham descoberto que empresas do grupo tinham deixado de depositar no Fundo de Garantia — em alguns casos, desde 2009.

Fã de Fernando Henrique Cardoso
veja mais http://www.viomundo.com.br/denuncias/2-alfredo-kaefer-tucano-que-identifica-origem-da-corrupcao-no-pt-e-suspeito-de-fraudar-sistema-financeiro-no-governo-fhc-a-caminho-da-falencia-fraudulenta-gerou-onda-de-frangos-canibais-no-par.html

Anônimo disse...

Isso não para Minha contribuição
Deputada Dorinha
Mais uma deputada que votou a favor do impeachment é condenada e tem direitos políticos suspensos




A deputada professora Dorinha, do DEM do Tocantins, votou a favor do impeachment da presidenta Dilma. No entanto, a professora não dá bom exemplo a seus eleitores e principalmente a seus alunos - se ainda os tem. É que ela foi condenada por superfaturamento de material didático, na época em que era secretária de Educação do Tocantins.

A deputada federal professora Dorinha foi condenada pelo crime de improbidade administrativa e teve os direitos políticos cassados por cinco anos. Segundo a sentença do juiz federal da 2ª vara do Tocantins, Ubiratan Cruz Rodrigues, no ano de 2004, quando a deputada era secretária de educação, ocorreu superfaturamento na compra de materiais didáticos. A deputada deve ressarcir o Estado em R$ 111 mil, além de ter que pagar uma multa civil no valor de R$ 70 mil.[Fonte: G1]

Que feio, heim, deputada Maria Auxiliadora Seabra Rezende (este o nome completo da Dorinha)! Mais uma moralista sem moral. http://blogdomello.blogspot.com.br/2016/04/mais-uma-deputada-que-votou-favor-do-impeachment-condenada.html?m=1

Anônimo disse...

Até o relator do Golpe parceiro do Aecio está enrolado

Anastasia recebeu doações de 5 empreiteiras e 1 banco citados na Lava Jato


Escolhido para ser o relator do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) no Senado, Antonio Anastasia (PSDB-MG) recebeu, na eleição de 2014, doações de empreiteiras e de um banco citados na Operação Lava Jato. Anastasia teve a campanha mais cara do país entre todos os candidatos ao Senado
Governador de Minas Gerais entre 2010 e 2014, Anastasia foi o dono da campanha mais cara do país entre todos os candidatos ao Senado no ano retrasado.

Ele recebeu R$ 18,1 milhões em doações, contra R$ 15,2 milhões do segundo colocado, o ex-ministro Gilberto Kassab (PSD-SP), de acordo com informações do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Em Minas, Anastasia arrecadou mais que o dobro do que a soma recebida por todos os outros sete candidatos a senador.

Com as empreiteiras Andrade Gutierrez, UTC, OAS, Odebrecht e Queiroz Galvão e o banco BTG Pactual, todos citados na Lava Jato, a campanha do tucano arrecadou R$ 2 milhões, o que representa 11,1% do total recebido pelo então candidato. Dirigentes das seis empresas foram presos na operação --alguns já foram condenados. A Lava Jato investiga um grande esquema de corrupção na Petrobras envolvendo políticos e empreiteiras, como o pagamento de propinas por meio de doações ilegais para campanhas eleitorais.

A maior parte das contribuições das construtoras foi repassada à campanha de Anastasia pelo PSDB e por outras candidaturas do partido. O banco doou R$ 1 milhão diretamente ao seu comitê.

Quatro das empreiteiras citadas acima participaram de consórcios que construíram a Cidade Administrativa do governo de Minas Gerais. Ao custo de mais de R$ 1 bilhão, o conjunto foi inaugurado em 2010.

Em novembro de 2014, logo após as eleições, a Lava Jato avançou na investigação de empreiteiras suspeitas de participar de desvios na Petrobras. Um ano depois, veio à tona a investigação de André Esteves, que controlava o BTG Pactual e foi preso por suspeita de tentar obstruir as investigações da operação -- sua prisão domiciliar foi revogada na segunda-feira (25).

Em novembro de 2014, logo após as eleições, a Lava Jato avançou na investigação de empreiteiras suspeitas de participar de desvios na Petrobras. Um ano depois, veio à tona a investigação de André Esteves, que controlava o BTG Pactual e foi preso por suspeita de tentar obstruir as investigações da operação -- sua prisão domiciliar foi revogada na segunda-feira (25).

Investigação arquivada
Por suspeita de lavagem de dinheiro, Anastasia chegou a ser incluído em um dos inquéritos da operação. A investigação foi aberta em março de 2015 porque o policial federal Jayme Alves de Oliveira Filho havia dito em depoimento que entregara, em 2010, a mando do doleiro Alberto Youssef, R$ 1 milhão a uma pessoa que parecia ser o senador.

Sete meses depois, o inquérito foi arquivado pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Teori Zavascki. O magistrado acolheu pedido da Procuradoria Geral da República, que avaliou não haver elementos suficientes para manter a investigação.

Dois meses atrás, Zavascki manteve o arquivamento do inquérito, acolhendo novamente um pedido da Procuradoria. A Polícia Federal pedia a reabertura da investigação com base
E Aécio Neves posa, todo sorridente, ao lado de Anastia, o relator do golpe, que pode afastar Dilma da presidência
http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2016/04/campanha-de-anastasia-recebeu-doacoes.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+blogspot/Eemp+%28Os+Amigos+do+Presidente+Lula%29

Abel disse...

Sugiro que divulguem essa matéria que Anastasia praticou o ato que vai Julgar a Presidenta
http://www.clickpolitica.com.br/noticia/3241/absurdo-relator-de-dilma-fez-pedaladas-quando-foi-governador-de-minas-veja

Anônimo disse...

Mais uma : Rachel Sheherazade ferrenha crítica á Presidenta Dilma,ao presidente Lula e ao PT e adoradora de FHC, além de receber dinheiro público na Paraiba como servidora afastada recebeu 10 mil na gestão Kassab por isso nao o critica
10 mil REAIS: Rachel Sheherazade é citada como possível beneficiada em esquema político

Publicado por: Gutemberg Cardoso

Publicado em : 18/07/2015 às 10:58

O texto divulgado pela revista Piauí aborda a guinada conservadora da rádio paulista, que se modificou para capturar a audiência do público antipetista

raquel
Durante a gestão de Gilberto Kassab (PSD) na prefeitura de São Paulo, a rádio paulista Jovem Pan foi favorecida financeiramente para enaltecer o então prefeito. De acordo com a edição de julho da revista Piauí, repórteres da emissora recebiam até R$ 10 mil extras ao produzir reportagens que retratassem de forma positiva ações ou programas da gestão do atual ministro das Cidades.

“Na gestão de Gilberto Kassab, do PSD, a prefeitura costumava pagar cachê aos repórteres da[Jovem] Pan por esse tipo de serviço, e um jornalista poderia receber até 10 mil reais extras fazendo uma reportagem pautada pelos marqueteiros da prefeitura”, informa a reportagem da Piauí.

O texto divulgado pela revista Piauí aborda a guinada conservadora da rádio paulista, que se modificou para capturar a audiência do público antipetista. Ícones da nova direita, como Rachel Sheherazade e Reinaldo Azevedo, são funcionários da emissora e citados como possíveis beneficiários.

Ainda segundo a matéria, peças publicitárias de empresas ligadas ao governo de Geraldo Alckmin (PSDB), como Metrô e Sabesp, aparecem “disfarçadas” em meio à programação em forma de “publieditorial”. Ou seja, o ouvinte não é avisado de que não se trata de jornalismo, e sim propaganda. Somente neste ano, conforme apurado, o Metrô investiu R$ 235 mil na Jovem Pan. (com Carta Capital) http://www.polemicaparaiba.com.br/variedades/10-mil-reais-rachel-sheherazade-e-citada-como-possivel-beneficiada-em-esquema-politico/

Anônimo disse...

Mais um, Ratinho o defensor do Alckmin e crítico da presidenta Dilma condenado à Trabalho escravo em sua fazenda:
O apresentador Carlos Roberto Massa, o Ratinho, foi condenado pela justiça do trabalho a pagar indenização por dano moral por descumprir normas relativas à saúde e segurança do trabalho. As irregularidades foram identificadas em uma usina do apresentador em Minas Gerais.
https://www.youtube.com/watch?v=mDoAcvcx2Yw

Alem de se enriquecer ás custas do público alienado que o vê , ainda usou o trabalho escravo, olha ele ostentando Camaro no Twitter https://twitter.com/ratinhodosbt/status/751823292776914944

Anônimo disse...

Olha isso o evangelico Bom pastor Magno Malta que usou o Presidente Lula e depois virou golpista sujo até o pescoço
Senador pró-Impeachment Magno Malta, passou 4 dias em Dubai com dinheiro público

Do UOL, reportagem original Aqui


O escândalo
O senador Magno Malta (PR-ES) passou quatro dias de folga em Dubai, nos Emirados Árabes, bancado pelo Congresso Nacional, segundo reportagem do jornal "Correio Braziliense" (leia aqui - para assinantes).

Magno Malta apresentou um requerimento para viajar a Hyderabad, na Índia, onde participaria de um fórum sobre o combate à pornografia infantil entre os dias 3 e 6 de dezembro de 2008. O senador, membro da CPI da Pedofilia, e seu servidor José Augusto Santana receberam diárias do dia 1º a 8 daquele mês e foram a Dubai nos dias restantes. No total, R$ 7,2 mil foram depositados na conta de cada um.

O senador diz que a culpa é do assessor. "Eu sai de Hyderabad, fui informado pelo Augusto que estava faltando voo e fiquei em Dubai", disse.


O que aconteceu?
Em 1º de maio, reportagem do jornal "O Estado de S. Paulo" (leia aqui) revelou que a diretoria do Senado abriu sindicância para apurar o caso. http://www.plantaobrasil.net/news.asp?nID=94617

Anônimo disse...

Senador Magno Malta é envolvido em novo escândalo de empreiteiras no Ministério dos Transportes
Por Redação Ucho.Info -
18 de Julho de 2011
0
15479
Compartilhar no Facebook
Tweet no Twitter

Meio milhão – Em meio a novas suspeitas de uso do Ministério dos Transportes para favorecer o Partido da República, o senador Magno Malta (PR-ES) aparece como um dos candidatos da legenda beneficiados por empreiteiras responsáveis por obras irregulares.

Essas construtoras receberam R$ 78 milhões em créditos suplementares liberados pelo atual ministro, Paulo Sérgio Passos (PR), quando ele assumiu interinamente a pasta, em 2010. Dos mais de R$ 5 milhões doados por essas empreiteiras a candidatos do PR, segundo reportagem da revista “IstoÉ”, o atual líder do PR no Senado foi beneficiado com R$ 500 mil. Desse total, R$ 400 mil foram repassados à campanha à reeleição de Malta pela Serveng e outros R$ 100 mil pela construtora S.A. Paulista.

De acordo com reportagem da revista, as duas construtoras integram consórcio juntamente com a Carioca Engenharia, que recebeu R$ 20 milhões em créditos extras para a ampliação e reforma da BR-101 em um trecho da região metropolitana do Rio de Janeiro.

O empreendimento estava na lista de irregularidades graves do Tribunal de Contas da União (TCU), que identificou pagamentos antecipados, ausência de projeto executivo, fiscalização omissa e superfaturamento. As outras obras listadas são da BR-265 e da BR-317.

Os valores doados pelas empreiteiras constam na prestação de contas do senador ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Ele arrecadou R$ 2.811.759,23. A maior parte veio de construtoras, empresas de engenharia e mais de R$ 800 mil do diretório nacional do PR.

Malta informou, por meio de assessoria, que todas suas doações foram declaradas e legais, que essas empresas não têm ligação com obras no Espírito Santo e doaram para sua campanha a partir da indicação de amigos e do PR. Disse ainda que suas contas foram aprovadas no TRE e está com a consciência tranquila.

O senador Magno Malta (PR) já havia sido citado no escândalo por conta de sua influência nos Transportes. O irmão dele, Maurício Pereira Malta, é chefe de assessoria parlamentar do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

Magno conseguiu emprego por irmão (olheiro) após votação no Senado que aprovou a CPMF, o imposto do cheque, no governo Lula. O senador negou que tenha votado a favor do imposto, a troco de emprego para o irmão num órgão estratégico para o PR. As informações são da “Agência Congresso”.
http://ucho.info/senador-magno-malta-e-envolvido-em-novo-escandalo-de-empreiteiras-no-ministerio-dos-transportes

Anônimo disse...

Até tu brutus, Cristovão Buarque o santo do paoco trocado pelo Frota se vendendo para votar no golpe do golpista Temer

Confirmado, Cristovam Buarque vendeu o voto no “Balcão do Impeachment”

Agora não resta mais nenhuma dúvida, como já havíamos divulgado aqui, Cristovam Buarque vendeu o voto do golpe! Veja a notícia abaixo:

O Palácio do Planalto já tem como certo o voto do senador Cristovam Buarque (PPS-DF) a favor do impeachment da presidente eleita, Dilma Rousseff, no final de agosto. A informação é da coluna de Lauro Jardim. O partido do parlamentar integra o governo Michel Temer e ocupa o Ministério da Defesa, comandado por Raul Jungmann (PE).

Romário também se junta ao golpista Cristovam Buarque, o baixinho vendeu o voto, veja aqui.

Em maio, quando votou a favor do afastamento definitivo da presidente Dilma, Cristovam afirmou que seu voto era moral, técnico e jurídico. Na ocasião, o parlamentar disse que votar contra o impeachment seria “ignorar que há indícios de crime de responsabilidade” de Dilma. O senador, porém, se tornou crítico do governo interino depois que Temer assumiu e admitiu a possibilidade de mudar de ideia.

Uma perícia do Senado entregue no dia 27 de junho à comissão do impeachment concluiu que Dilma não praticou as chamadas “pedaladas fiscais”. O documento, assinado por três técnicos, observa que não houve ação de Dilma no atraso do repasse de R$ 3,5 bilhões do Tesouro ao Banco do Brasil para o Plano Safra, uma das acusações que constam no pedido de impeachment contra a presidente.

“Pela análise dos dados, dos documentos e das informações relativos ao Plano Safra, não foi identificado ato comissivo da Exma. Sra. Presidente da República que tenha contribuído direta ou imediata mente para que ocorressem os atrasos nos pagamentos”, diz trecho do laudo. Via Brasil247
http://www.obrasil.online/politica/confirmado-cristovam-buarque-vendeu-o-voto-no-balcao-do-impeachment/

Anônimo disse...

Mais um

Confirmada propina de senador que votou pelo golpe
Postado em 10 de agosto de 2016 às 9:38 am
Email
inShare

Do estadão:

A Polícia Federal comprovou a denúncia do ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa de que o senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) pediu a ele, entre 2010 e 2011, R$ 20 milhões de propina para a campanha à reeleição de Eduardo Campos ao governo de Pernambuco. A acusação foi feita em depoimento de delação premiada do ex-executivo da petroleira. O inquérito acaba de ser concluído e já está com o ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).

Segundo a PF, “restou demonstrado que Bezerra participou ativa e substancialmente na solicitação de propina às empresas envolvidas e também se beneficiou de uma parte do montante ilícito.”

O senador foi ministro do governo Dilma Rousseff e é pai do atual ministro das Minas e Energia, Fernando Filho. Na época dos fatos investigados, era secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco e presidente do Complexo Industrial Portuário de Suape. A PF também o qualifica como “braço direito” de Eduardo Campos. http://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/confirmada-propina-de-senador-que-votou-pelo-golpe/

Anônimo disse...

José Serra o Ministro do interino
Lava Jato agora pega José Serra, que recebeu R$ 23 milhões de propina da Odebrecht

agosto 7, 2016 por esmael | 17 Comentários

odebrecht_serra_temerO ministro interino das Relações Exteriores, José Serra (PSDB), teria recebido R$ 23 milhões em propina da Odebrecht para a campanha presidencial de 2010.

Os procuradores da força-tarefa Lava Jato e da Procuradoria Geral da República tiveram essa informação de funcionários da empreiteira, que tenta acordo de delação premiada.

O senador Roberto Requião (PMDB-PR), pelo Twitter, disse neste domingo (7) que o envolvimento de Serra com propina é mais uma inequívoca prova da necessidade de uma “limpeza” por meio da antecipação da eleição presidencial.

“Como viram pela última manchete da Folha o chanceler é alvo de pesada denúncia. Plebiscito. Povo no comando da limpeza”, afirmou o peemedebista.

Ontem (6) também veio à tona mais uma denúncia de propina de R$ 10 milhões para o interino Michel Temer (PMDB). Ele já havia sido denunciado pela PGR no começo de julho por ter embolsado R$ 5 milhões da OAS. http://www.esmaelmorais.com.br/2016/08/lava-jato-pega-jose-serra-que-recebeu-r-23-milhoes-de-propina-da-odebrecht/

Anônimo disse...

Nem Temer , o capitão do Golpe se safa ,O Golpista usurpador recebeu 10 milhões que esta sendo ignorado pela mídia

Odebrecht implode Temer com entrega de R$ 10 milhões em dinheiro vivo
:

O governo provisório de Michel Temer está chegando ao fim; além da pesquisa Vox Populi que revelou que apenas 17% dos brasileiros querem que ele fique até 2018 e da vaia de 105 decibéis registrada na abertura da Rio 2016, ele foi um dos principais nomes delatados por Marcelo Odebrecht em sua colaboração premiada; Marcelo revelou que, após uma reunião no Palácio do Jaburu, Temer, como vice-presidente da República e presidente nacional do PMDB, pediu uma ajuda extra ao partido, que foi entregue em dinheiro vivo: nada menos que R$ 10 milhões, dos quais R$ 4 milhões teriam sido entregues a Eliseu Padilha, braço direito do interino; o restante foi doado ao caixa dois de outros candidatos

6 de Agosto de 2016 às 09:01 // Receba o 247 no Telegram Telegram

247 – O governo provisório de Michel Temer está chegando ao fim. Motivo 1: uma pesquisa Vox Populi, divulgada no sábado pela revista Carta Capital, revelou que 79% dos brasileiros defendem sua saída (leia aqui). Motivo dois: Temer recebeu ontem, na abertura da Rio 2016, uma das maiores vaias da história, que atingiu 105 decibéis, mesmo tendo pedido para não ser citado na nominata das autoridades presentes (leia aqui). Motivo três, e mais importante: o interino é um dos principais personagens da delação premiada de Marcelo Odebrecht, maior empreiteiro do País, que começou a ser feita na última quinta-feira.

De acordo com reportagem de Daniel Pereira (leia aqui), Temer, na condição de vice-presidente da República e presidente nacional do PMDB, promoveu um jantar com Marcelo Odebrecht, em que pediu ajuda extra para os candidatos do partido. Marcelo concordou e doou nada menos R$ 10 milhões, via caixa dois, em dinheiro vivo.

Desta montanha de dinheiro, R$ 4 milhões foram entregues ao braço direito de Temer, Eliseu Padilha, que é o atual chefe da Casa Civil. O restante foi doado a outras candidaturas, como a de Paulo Skaf, presidente da Fiesp, que concorreu ao governo de São Paulo, em 2014.

Em nota, o interino confirmou o jantar, mas disse que ele e o empresário conversaram “sobre auxílio financeiro da construtora Odebrecht a campanhas eleitorais do PMDB, em absoluto acordo com a legislação eleitoral em vigor e conforme foi depois declarado ao Tribunal Superior Eleitoral”.

Em 2014, a Odebrecht repassou R$ 11,3 milhões ao PMDB, mas Marcelo pretende provar que, além desses recursos, também doou outros R$ 10 milhões, via caixa dois, ao partido.

Eliseu Padilha também confirmou a negociação. “Lembro que Marcelo Odebrecht ficou de analisar a possibilidade de aportar contribuições de campanha para a conta do PMDB, então presidido pelo presidente Michel Temer”, afirmou.

Além de Marcelo, outros 50 executivos da empreiteira farão delações premiadas – o que deve implodir todo o sistema político brasileiro. http://www.brasil247.com/pt/247/poder/248041/Odebrecht-implode-Temer-com-entrega-de-R$-10-milh%C3%B5es-em-dinheiro-vivo.htm

Fora Temer disse...

Mais um cristão charlatão que critica a presidenta Dilma

E-mails indicam repasse de R$ 100 mil a senador Magno Malta
Trocas de e-mail entre dirigentes de uma das maiores fabricantes de móveis de cozinha do país trazem indícios de repasse não declarado de R$ 100 mil para o senador Magno Malta (PR-ES). Os e-mails, obtidos pela Folha, são de 8 de setembro de 2014.
Outras mensagens entre funcionários e a direção da Cozinhas Itatiaia indicam que Malta viajou no avião particular da empresa em 2012 e 2013.
Malta, da bancada evangélica no Senado, nega ter recebido dinheiro da Itatiaia e afirma que voou no avião da firma para fazer palestras.
Os e-mails são conversas das quais participam o presidente da Itatiaia, Victor Penna Costa, o filho dele, Daniel Costa –que era gerente financeiro à época– e o então assessor da firma Hugo Gabrich.
Em um deles, o presidente da empresa diz que precisa pagar R$ 400 mil para "consultoria" de Gabrich. O assessor responde: "Estou entregando a NF [nota fiscal] que cobre o montante de R$ 500 mil conforme orientação do dr. Victor. Impostos serão incluídos na NF, totalizando R$ 575 mil."
Na nota emitida pela Vix Consulting, de Gabrich, a contratante é a Itatiaia. O acerto mostra que a contratante pagou os R$ 75 mil de impostos para a Vix –o que sugere que a nota foi encomendada.
Na sequência dos e-mails, Costa manda o filho depositar para a Vix Consulting somente R$ 475 mil. "Os outros 100.000 são para compensar a retirada em dinheiro de R$ 100.000 do Malta. Não sei como foi contabilizado [a saída desse valor da empresa]", escreve o presidente da firma.
O filho dele, então, pergunta: "Quem realizou o pagamento do Malta? Existe NF, foi declarado a doação?".
Victor encerra: "Não existe NF, não declaramos. Está em aberto, talvez como adiantamento para mim. Veja com Lailton [tesoureiro da empresa]. Favor apagar todos os e-mails sobre este assunto".
Procurado, Gabrich afirmou que sua empresa fez nota fria para justificar pagamentos não declarados da Itatiaia.
O destino do restante do valor da nota (R$ 400 mil) não aparece na troca de e-mails.
A pedido da reportagem, as origens das mensagens foram analisadas pelo perito em ciências forenses Reginaldo Tirotti. O especialista atestou a autenticidade delas, identificando a sequência de códigos gerados pelos remetentes das mensagens.
A Itatiaia foi fundada em 1964 e tem duas fábricas, em Ubá (MG) e em Sooretama (ES).
Em outro e-mail, de 8 de julho de 2014, um ano após a Itatiaia inaugurar a unidade capixaba, que recebeu incentivos fiscais, Gabrich descreve a Victor Costa o cenário político no Espírito Santo.
Menciona candidatos "viáveis" ao governo, fala de Malta, que "fechou aliança com o governador Casagrande", da mulher dele, Lauriete, que "não disputará a reeleição para deputada federal", e do "nosso deputado estadual, o Marcelo Santos - PMDB".
"Não tenho dinheiro para todos", responde o presidente da Itatiaia. "Não posso dar mais para deputado estadual que para senador."
Gabrich diz: "O Magno não é candidato agora a nada."
A Folha obteve também uma troca de mensagens entre Gabrich e Malta, que usa seu e-mail pessoal. Gabrich fala dos R$ 100 mil da Itatiaia e o senador responde: "Amigo não tenho conhecimento de nada dessas coisas.. Mas dia 16 estarei de volta a Brasília [sic]".
O ex-assessor da Itatiaia envia, então, cópia de conversas da direção da empresa que citam o político, que rebate: "Somos amigo Hugo.. Sempre fomos. Dia 16 te espero para o almoço no gabinete kkkk a rabada lembra?? [sic]".
JATINHO
Outros e-mails mostram que o senador usou avião particular da Itatiaia ao menos duas vezes: em 20 de julho de 2012, de

MAIS http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/08/1802586-e-mails-indicam-repasse-de-r-100-mil-a-senador-magno-malta.shtml?cmpid=comptw

Anônimo disse...

Agora a senadora Relaxa e goza entrando na robalheira e querendo tirar a Dilma para conseguir se livrar das acusações

Odebrecht cita caixa 2 de Marta Suplicy

Do Brasil 247:



Depois de atingir Michel Temer, com a acusação de um caixa dois de R$ 10 milhões (leia aqui), e José Serra, com outros R$ 23 milhões (leia aqui), a delação premiada da Odebrecht, que está sendo negociada com o Ministério Público Federal agora aponta para a senadora Marta Suplicy (PMDB-SP), que disputará a prefeitura de São Paulo neste ano.

De acordo com reportagem de Bela Megale, Marta teria recebido uma doação de R$ 500 mil pela contabilidade paralela da empreiteira em 2010, quando concorreu ao Senado. Corrigido, o valor hoje seria equivalente a R$ 757 mil.

A senadora nega e a suas prestações de contas daquele ano não incluem nenhuma doação da Odebrecht.

Marta Suplicy se elegeu senadora pelo PT em 2010 por São Paulo com 22% dos votos. No ano passado, ela se filiou ao PMDB após romper com a presidente Dilma Rousseff. http://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/odebrecht-cita-caixa-2-de-marta-suplicy/

Anônimo disse...

Mais um fora Dilma enrolada até o pescoço por corrupção

Mulher do Prefeito que liderou #ForaDilma em Campo Grande-MS é presa por corrupção

Mulher do Prefeito que liderou #ForaDilma em Campo Grande-MS é presa por corrupção

Mulher do Prefeito que liderou #ForaDilma em Campo Grande-MS é presa por corrupção

O ex-vice-prefeito, afastado da função de prefeito, Gilmar Antunes Olarte (PROS), já está no Centro de Triagem, na cela 17, conhecida por abrigar presos "famosos" e com outras 25 pessoas. O corretor Ivamil Rodrigues, considerado braço direito do ex-vice, também dividirá o local, enquanto a esposa de Olarte, Andréia Zanetti Olarte, está no presídio feminino, Irma Zorzi. As informações são do diretor-presidente da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário), Airton Stroppa.

Fonte: Campo Grande News | Por: Mayara Bueno e Christiane Reis
Veja Mais
› Advogado quer Olarte no presídio militar e Andréia em cela especial
› Defesa ainda não sabe motivo para prisão de “laranja” de Olarte

Olarte e Ivamil chegaram no Centro de Triagem por volta das 13 horas e estão na cela 17, conhecida por abrigar e ter abrigado outros presos “famosos”, como o procurador aposentado Carlos Alberto Zeolla, e o ex-secretário de Obras de MS, Edson Giroto. Além dos dois novos ocupantes, a cela tem 24 homens, o que teria de ser a capacidade máxima.

Já o quarto implicado, Evandro Farinelli, permanece na sede do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), onde foi levado na manhã desta segunda-feira (15). Os quatro são investigados na Operação Pecúnia, que apontou crimes de lavagem de dinheiro, associação criminosa e falsidade ideológica.

Andréia Olarte chegou por volta das 14h10. Ao ser presa, mais cedo, ela e o marido negaram qualquer crime, afirmaram que todos os bens que possuem foram declarados e que são vítimas de perseguição.

Ainda de acordo com o Ministério Público, as investigações começaram com a quebra de sigilo bancário de Andréia Olarte e de sua empresa, além de informações de que, entre 2014 e 2015, enquanto Gilmar era prefeito, a esposa adquiriu vários imóveis em Campo Grande, alguns em nome de terceiros.

Investigação - As prisões e os mandados fazem parte da Operação Pecúnia e foram pedidas por meio da investigação que apura prática de crimes de lavagem de dinheiro, associação criminosa e falsidade ideológica. A ação seria desdobramento da Operação Adna contra Olarte, cuja investigação atribui a ele o crime de corrupção passiva. Adna é a sigla da igreja Assembleia de Deus Nova Aliança, que, em Campo Grande, foi fundada pelo ex-prefeito.

Os pagamentos teriam sido feitos em “elevadas quantias”, fazendo-o, ora em dinheiro vivo, ora por transferências bancárias e depósitos, os quais, “a princípio, são incompatíveis com a renda do casal”.

Segundo a investigação, Andreia e Gilmar contaram com a ajuda de Ivamil Rodrigues, corretor de imóveis e que seria braço direito do casal nas aquisições “fraudulentas”. Evandro Farinelli seria a pessoa que cedia o nome para que as compras fossem feitas em nome de Andréia Olarte.

http://www.humbertotobe.com.br/prefeita-que-liderou-fora-dilma-em-campo-grande-mt-e-presa-por-corrupcao/

Anônimo disse...

mais uma do golpista Aecio Neves


Delação de Valério contra Aécio voltou para Brasília
:

Afirmação é do deputado estadual Rogério Correia (PT-MG), que checou no próprio Ministério Público; "Nunca vi uma figura tão blindada. Eu acabo de sair do Ministério Público e descobri que a delação do Marcos Valério, que aliás, era exatamente para ver o mensalão tucano na época em que Aécio Neves era governador, voltou para Brasília e está nas mãos do [procurador-geral da República, Rodrigo] Janot. De lá, penso eu que só sairá para a mão do Gilmar Mendes", disse o deputado, em vídeo

19 de Agosto de 2016 às 19:24 // Receba o 247 no Telegram Telegram

Minas 247 – O deputado estadual Rogério Correia (PT-MG) afirmou em um vídeo publicado nesta sexta-feira 19 que a delação do empresário Marcos Valério, condenado pelo STF e pivô do 'mensalão', e que atingiria diretamente o senador Aécio Neves (PSDB-MG), voltou para Brasília.

"Nunca vi uma figura tão blindada. Eu acabo de sair do Ministério Público e descobri que a delação do Marcos Valério, que aliás, era exatamente para ver o mensalão tucano na época em que Aécio Neves era governador, voltou para Brasília e está nas mãos do [procurador-geral da República, Rodrigo] Janot", disse o deputado.

Correia ainda provocou: "De lá, penso eu que só sairá para a mão do [ministro do STF] Gilmar Mendes". "É impressionante como uma pessoa pode fazer o que fez, ter tantas provas contra e continuar tão blindada. Espero, doutor Janot, que o senhor coloque isso pra frente, porque daqui de Minas, o caso dele foi de novo para Brasília", completou.

A delação de Valério atinge Aécio e Clésio Andrade (PMDB-MG), ex-governador e ex-vice-governador de Minas Gerais. Segundo Valério, o banco Rural, que operava recursos do esquema do mensalão tucano, teria maquiado dados contábeis para proteger os dois políticos mineiros (leia mais).

Assista: http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/250743/Dela%C3%A7%C3%A3o-de-Val%C3%A9rio-contra-A%C3%A9cio-voltou-para-Bras%C3%ADlia.htm

Anônimo disse...

Mais um Fora Dilma para a lista suja

Ator que integrou campanha “contra a corrupção” é acusado de vender ingressos falsos
Murilo Rosa já foi protagonista de campanha contra corrupção. "Com todo mundo roubando não dá. Falta indignação ao povo brasileiro", dizia. O ator virou alvo de investigação esta semana por vender ingressos falsos nos Jogos Olímpicos
murilo rosa ingresso falso
Ator Murilo Rosa disse que também foi vítima e devolveu dinheiro a comprador

O ator Murilo Rosa está sendo acusado de ter vendido ingressos falsos para a final do futebol Olímpico entre Brasil e Alemanha, que aconteceu nesse sábado, 20, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro.

De acordo com a colunista Keila Jimenez, do portal R7, um advogado afirma que comprou um par de ingressos por R$ 1,5 mil, sendo que estampado nos tickets aparecia o valor de R$ 700 cada.

O caso foi registrado na 18ª DP (Praça da Bandeira) e o ator pode responder processo por estelionato. No entanto, Murilo afirmou a um jornal carioca que comprou os ingressos de um desconhecido e não sabia que as entradas eram falsas. Segundo o ator, ele também foi enganado.

A delegacia afirmou à colunista que o caso está sendo apurado e que Murilo deverá ser ouvido pela polícia. Se for condenado, o ator pode pegar até dois anos e oito meses de reclusão.

O ator e sua esposa, a modelo Fernanda Tavares, decidiram vender seus ingressos porque ganharam outras entradas VIPs para a partida.
Devolução

A assessoria de Murilo Rosa divulgou nota afirmando que o ator está se sentindo muito mal com o ocorrido e devolveu o dinheiro ao advogado. Ainda de acordo com o comunicado, o ator ligou para o homem para desculpar-se.

“Ele já ressarciu o comprador. Ficou super mal com a frustração do filho do homem, que não pôde assistir ao jogo e tem quase a mesma idade do filho dele. Resolveu correr atrás do prejuízo de outra forma”, disse a assessoria.
Contra a corrupção

Murilo Rosa já protagonizou uma campanha da Conamp (Associação Nacional dos Membros do Ministério Público) contra a corrupção no Brasil.

Na época, o ator disse: “A única forma do país crescer é combatendo a corrupção. Com todo mundo roubando não dá, não tem como. Todos os cidadãos deveriam cobrar mais. Falta indignação ao povo brasileiro. As pessoas aguentam caladas”. http://www.pragmatismopolitico.com.br/2016/08/ator-murilo-rosa-acusado-vender-ingressos-falsos.html

Anônimo disse...

Mais uma apoiadora do Golpista temer e do tucano Moro enrolada até o pescoço
Deputada corrupta do DF é “morista”, “temerista” e “cristovista”. Viva a hipocrisia!

Por Fernando Brito · 23/08/2016

celina

Bateu polícia na casa da deputada Celina Leão, ex-presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal.

A operação visa buscar e apreender provas de crimes de corrupção ativa, passiva ou concussão, envolvendo o pagamento de propina a ela e a outros deputados da Mesa Diretora, em um esquema que desviou R$ 31 milhões de reais de sobras orçamentárias da Câmara, em 2015 para empresas que prestam serviços à Secretaria de Saúde do DF.

Celina foi afastada da Presidência da Câmara pela Justiça, exatamente como ocorreu com Eduardo Cunha na Câmara Federal.

Um “pequeno” detalhe: a D. Celina se apresentava como campeã da moralidade.

celinatemerPosava para fotos com Sérgio Moro, dizendo serem “caçadores de corruptos”

Ia às manifestações pelo impeachment carregando “pixulecos” e cartazes com “tchau, querida”.

Igual fazia com Michel Temer, como você pode ver na foto ao lado.

Mas o seu queridinho era mesmo o senador Cristovam Buarque, a quem apadrinhou a entrada no PPS, onde ele certamente buscava um refúgio para sua pureza.

Ele defende um crédito de confiança para a moça…

O jornalista Luís Costa Pinto resumiu a situação de pré-sem teto do senador:

“E Cristovam Buarque, hein? Não acerta uma… filiou-se ao PPS para fazer parte da base de Temer e pimba: o diretório do PPS no DF foi desmantelado pela Justiça e pela Polícia Civil, levando sob vara a presidente da Câmara Legislativa e o vice dela, ambos aliados de Buarque. Em uma semana Cristovam estará sem partido de novo.”

Eu já penso diferente.

Acho que Cristovam tem cadeira cativa em algum PSC.

Partido dos Sem Caráter, Partido dos sem Coerência, Partido dos Sem Coragem…
http://www.tijolaco.com.br/blog/deputada-corrupta-do-df-e-morista-e-cristovista-viva-hipocrisia/

Fora Temer disse...

Agora é a vez do ministro que tem alergia a justiça do trabalho e quer diminuir o Sus com sua família de corruptos

MP acusa empresa do ministro e da filha deputada de lesar torcedores


O ministro interino da saúde, Ricardo Barros (PP), MP está envolvido em novo escândalo. O ministro que gosta de emitir opiniões polemicas apenas para se manter sob os holofotes da mídia, agora esta sendo acusado de lesar torcedores

Em uma ação civil pública que tramita na 2ª Vara Cível de Maringá, no Paraná, desde o dia 12, o Ministério Público acusa a empresa do ministro interino da Saúde, Ricardo Barros (PP-PR), de dar um calote em milhares de torcedores que não conseguiram entrar no estádio da cidade para acompanhar a decisão do Campeonato Paranaense, em abril de 2014. A empresa BB Corretora, uma das responsáveis pela organização, pertence ao ministro da Saúde e à sua filha, a deputada estadual Maria Victória Borghetti Barros (PP), que é candidata a prefeita de Curitiba esse ano.

Segundo a denúncia, foram vendidos 4.000 ingressos além da capacidade máxima permitida para a área coberta do estádio. “Milhares de torcedores que adquiriram os ingressos para assistir à partida na área coberta foram impedidos de entrar no estádio”, diz o MP, o que “colocou em risco a vida e a saúde de todos os presentes no local”.

Na ação, o MP pede indenização por danos individuais, materiais e morais para todos os consumidores que não conseguiram entrar no estádio. Os responsáveis pela organização da partida são a Sociedade Esportiva Alvorada Club, a Federação Paranaense de Futebol e a BB Corretora Ltda. O jogo aconteceu no dia 13 de abril de 2014, em Maringá, quando os torcedores não conseguiram ver a final entre o Maringá Futebol Clube e do Londrina Esporte Clube.

A Polícia Militar foi obrigada a fechar os portões antes do início da partida e houve necessidade de atendimento médico de pessoas que desmaiaram. “Com essa prática fraudulenta, o ministro interino e sua filha deputada, donos da empresa lucraram cerca de 177.525 reais (de lucro indevido e fraudulento), às custas dos torcedores”, concluiu o MP em relatório. A BB Corretora, do ministro, firmou contrato de parceira com a Sociedade Esportiva Alvorada e com isso, afirma o Ministério Público, ganhava 75% do valor da renda líquida dos jogos disputados. http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2016/08/mp-acusa-empresa-do-ministro-e-da-filha.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+blogspot/Eemp+(Os+Amigos+do+Presidente+Lula)

Anônimo disse...

Paulinho da Força do solidariedade o agitador do Golpe contra Presidenta Dilma


Força terá de devolver R$ 1,6 mi.Partido foi condenado pelo TCU por projeto não realizado

O TCU (Tribunal de Contas da União) condenou a Força Sindical a devolver ao Ministério do Trabalho R$ 1,6 milhão repassado à central para realização de projetos de pesquisa e desenvolvimento de programas para auxiliar trabalhadores em São Paulo a obter emprego nos CAT (Centros de Apoio ao Trabalhador).

Faltou um voto para que o deputado federal Paulo Pereira da Silva (SD-SP), presidente da Força Sindical, também fosse condenado. Ele livrou-se assim de ser multado pelo TCU, de ser obrigado a devolver os recursos ao ministério e ainda de ficar impedido de disputar eleições.

Os recursos (R$ 950 mil em valores de época) foram recebidos entre 2001 e 2002. Segundo o órgão de controle, não houve comprovação de que o dinheiro tenha sido usado nas finalidades previstas no convênio do ministério com a central. "Verificou-se, ainda, que o software entregue [pela central], à época, continha base de dados vazia, ou seja, inservível para os propósitos do convênio", afirmou o ministro relator do processo, Marcos Bemquerer.

Seguindo o parecer dos técnicos do TCU, Bemquerer pediu que a Força Sindical, Paulinho e outro ex-dirigente da central, Ricardo Patah, devolvessem o dinheiro desviado em valores atualizados e fossem multados em até R$ 50 mil cada. Patah hoje dirige outra central, a UGT (União Geral dos Trabalhadores).

Caso essa condenação fosse aplicada, Paulinho estaria na lista de inelegíveis pelas regras da Lei da Ficha Limpa. Há, no entanto, tentativas de mudança no entendimento da lei que podem evitar que condenados nos tribunais de contas fiquem inelegíveis.

REVISOR

Mas o ministro Bruno Dantas, apresentou voto revisor, contrário à multa e à devolução do dinheiro, apontando que as irregularidades mostradas pelas auditorias, que foram em parte realizadas pela CGU (Controladoria-Geral da União), órgão do governo, não eram suficientes para apontar danos ao erário.

Além disso, concluiu que os produtos eram aproveitáveis e não apontavam desvio dos recursos. "Não considero prudente afirmar genericamente que os documentos entregues para cada meta não atenderiam ao plano de trabalho", afirmou Dantas.

Três ministros se declararam impedidos ou não votaram no processo. Foram convocados substitutos, e quatro votaram com Bemquerer e quatro votaram com Bruno Dantas. O placar estava empatado, e o ministro André Luiz decidiu então votar com Bruno Dantas, mas pedindo uma alteração na proposta.

André Luiz concordou em livrar o deputado Paulinho e Patah da multa e da devolução do dinheiro. Mas manteve a condenação à Força Sindical, que terá que ressarcir o valor desviado, ou seja, R$ 1,6 milhão em valores atualizados.Informações da Folha http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2016/08/forca-tera-de-devolver-r-16-mipartido.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+blogspot/Eemp+(Os+Amigos+do+Presidente+Lula)

Anônimo disse...

Esqueceram do dedo duro do STF a Golpista Ana Amelia

Ana Amélia sonega informação de bens à Justiça Eleitoral
Ana Amélia deixou de declarar um terreno, uma fazenda e gado que recebeu na partilha do espólio do marido, falecido em 2011, Octáviio Cardoso | Foto: Divulgação

Ana Amélia deixou de declarar um terreno, uma fazenda e gado que recebeu na partilha do espólio do marido, falecido em 2011, Octávio Cardoso | Foto: Divulgação

Da Redação*

Denúncia feita pelo blog Sociedade Política mostra que a senadora Ana Amélia Lemos (PP) omitiu a propriedade de bens móveis e imóveis na declaração feita à Justiça Eleitoral, nas eleições de 2014. Candidata ao governo do Rio Grande do Sul pela coligação Esperança que Une o Rio Grande (PP/PRB/PSDB/SD), a progressista não incluiu entre os bens declarados, uma fazenda que possui no município de Formosa, em Goiás, com criação de bovinos. Segundo declaração pública de partilha do espólio de Octávio Omar Cardoso, marido da senadora, falecido em 27 de fevereiro de 2011, ela também suprimiu da lista um terreno de 776 metros quadrados, situado na SHI/Norte, em Brasília, no valor de R$ 1.467.758,62.

O advogado Fabrício Maia, do Sociedade Política, conta que leu um documento na Internet em que Ana Amélia é citada como proprietária da fazenda Saco do Bom Jesus, em Formosa. Como as terras não figuram da manifestação à Justiça Eleitoral, ele e o jornalista Luiz Franz decidiram solicitar informações atualizadas sobre a matrícula do imóvel ao Registro de Imóveis da cidade goiana. Com data de 19 de setembro de 2014, o cartório informa que as terras pertencem a Octávio Omar Cardoso e Ana Amélia de Lemos. Da certidão não consta venda ou doação e nem a averbação da partilha, pela qual a candidata tem direito a 36,028% da área de 585,4008 hectares, no valor R$ 742.191,52, e ao mesmo percentual da área de 1.323,9438 hectares, no valor de R$ 1.678.368,89. A fazenda foi adquirida em dois lotes. O primeiro em 1984 e o segundo em 1986. Conforme a divisão de posses, a senadora é dona também de 50% do gado bovino, de até 36 meses, que povoa as terras, somando R$ 138.399,11 não declarados ao Tribunal Regional Eleitoral.

Quando foi dado início ao inventário, o espólio de Cardoso foi calculado em R$ 9.477,077,56, tendo a candidata, que era casada com o senador biônico sob regime de comunhão universal de bens, herdado metade do patrimônio – R$ 4.738.538,78. Os bens declarados ao TRE-RS somam R$ 2.550.086,69.
Declaração feita por Ana Amélia à Justiça Eleitoral

Declaração feita por Ana Amélia à Justiça Eleitoral
http://www.sul21.com.br/jornal/ana-amelia-sonega-informacao-de-bens-a-justica-eleitoral/

Anônimo disse...

mais um

Família Caiado na ‘lista suja’ do trabalho escravo
Por Stefano Wrobleski | 07/07/14

Quatro carvoeiros foram submetidos a condições degradantes e jornadas exaustivas. Caso é o segundo envolvendo família do deputado federal Ronaldo Caiado (DEM-GO)
Vestindo chinelos e bermudas sujeitos ao pó e à fumaça resultantes da queima do carvão. Foto: SRTE-GO

Trabalhadores resgatados produziam carvão sem nenhum equipamento de proteção, enfiados em fornos de barro de alta temperatura de chinelo e bermuda. Foto: SRTE-GO

O pecuarista Antônio Ramos Caiado Filho, tio do deputado federal Ronaldo Caiado (DEM-GO), está entre os 91 incluídos pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) na atualização semestral da relação de empregadores flagrados com trabalho escravo, a chamada “lista suja”. Ele foi considerado responsável por submeter quatro pessoas a condições degradantes e a jornadas exaustivas na produção de carvão em sua fazenda em Nova Crixás, cidade localizada a 400 km de Goiânia e um dos redutos eleitorais da família. Os resgatados afirmaram que foram obrigados a cumprir jornadas de até 19 horas seguidas, “das 2h às 21h”, nas palavras de um dos trabalhadores.

Os carvoeiros trabalhavam no local há cerca de um ano quando equipe de fiscais do MTE, procuradores do Ministério Público do Trabalho (MPT) e agentes da Polícia Rodoviária Federal chegaram ao local, em abril de 2013. Os trabalhadores produziam carvão vegetal em 12 fornos, sem qualquer equipamento de proteção individual como máscaras ou luvas. Eles trabalhavam vestindo chinelos e bermudas, sujeitos a contato direto com o pó e a fumaça resultantes da queima do carvão.
degradantes

Grupo mantinha 12 fornos acesos para queimar madeira de floresta devastada dentro da propriedade. Foto: SRTE-GO

Os trabalhadores também moravam no local, mas seus alojamentos estavam em condições precárias. A fiscalização apurou que eram barracos construídos “com placas de cimento e telha de amianto” próximos às carvoarias, “situação que somada ao forte calor da região (36º C) e à falta de ventilação dos locais, deixava quase insuportável a permanência dos trabalhadores”, de acordo com o relatório produzido. Além disso, as camas eram improvisadas e os colchões fornecidos estavam “imundos”. Os auditores fiscais também verificaram que as jornadas de trabalho iam muito além do regular. Uma das vítimas afirmou que trabalhava “das 2h às 21h e ainda acordava algumas vezes durante a noite para ‘corrigir os fornos’”

Na fazenda em que os trabalhadores foram resgatados são criadas 2.500 cabeças de boi ao longo de 6.400 hectares ­– o equivalente a 15 mil campos de futebol. O pecuarista nega ter responsabilidade sobre as condições a que os carvoeiros foram submetidos. Ele afirma que a área havia sido cedida em regime de comodato a um terceiro, e que nunca sequer foi ao local em que a produção de carvão acontecia. Afirma ainda que a madeira é resultante de árvores que pegaram fogo na fazenda e que foram vendidas por 10 mil reais para o carvoeiro, que escravizou o grupo para processar o material.

De acordo com o relatório de fiscalização, porém, “não há nenhum indício de que tal contrato fora firmado contemporaneamente à pactuação”, e que, além disso, ele não poderia ser considerado legal, porque não havia licença ambiental para a extração de madeira na área. A fiscalização concluiu ainda que o acordo “mais se assemelha à figura jurídica da parceria extrativista, em razão da existência de partilha de produtos e lucros da atividade desenvolvida”, já que o pecuarista também tirou proveito econômico da situação. Segundo os auditores, o produtor de
http://reporterbrasil.org.br/2014/07/tio-de-ruralista-entra-na-lista-suja-do-trabalho-escravo/

#Foratemer disse...

O peixe camisa 11 Golpista Romário também enrolado com a justiça


Romário construiu em área de preservação, diz Procuradoria


O STF (Supremo Tribunal Federal) recebeu uma investigação iniciada pelo Ministério Público do Distrito Federal sob suspeita que o senador Romário (PSB-RJ) instalou um campo de futebol e um píer de madeira em área de preservação às margens do lago Paranoá, em Brasília.

As obras, segundo a investigação preliminar, foram feitas pelo senador na casa em que mora no Lago Sul, área nobre de Brasília.

Ao constatar que o morador do imóvel era Romário, porém, o Ministério Público do Distrito Federal solicitou o envio da investigação para o STF, já que o senador possui foro privilegiado.

"Relatam as peças informativas que foram realizadas obras no imóvel (...) consistentes na reforma de um campo de futebol society e outro de futevôlei, e a construção de um píer à beira do lago Paranoá, em Área de Preservação Permanente, inserida na Área de Proteção Ambiental do lago Paranoá, sem licença dos órgãos ambientais competentes", diz trecho da decisão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal que autorizou o envio dos autos ao Supremo.

O processo ficou sob a relatoria do ministro Teori Zavascki, mas ainda deve ser encaminhado à Procuradoria-Geral da República para que decida se solicita a abertura de um inquérito para apurar formalmente o caso. A suspeita seria de crime ambiental. Folha http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2016/08/romario-construiu-em-area-de.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+blogspot/Eemp+(Os+Amigos+do+Presidente+Lula)

Anônimo disse...

Mais um o Tucano Golpista Cassio Cunha Lima da Paraiba


Em família: filho de senador tucano fatura mais de R$ 6 milhões em prefeitura do primo prefeito

Filho de político ganhar obras na prefeitura comandada por amigos, parentes e aliados, não crime. Porém, é no mínimo suspeito quando a empresa do filho do aliado triplica os valores para prestar um mesmo serviço

O portal noticioso Paraíba Agora está questionando o fato do filho do senador tucano Cássio Cunha Lima ser o diretor de uma empresa que faturou mais de 6, milhões em licitações durante a gestão do tucano Romero Rodrigues, seu primo, em Campina Grande, na Paraíba.

Cássio Cunha Lima (PSDB- PB) é alvo do Inquérito 3404, que tramita em segredo de justiça, por crimes contra a ordem tributária e formação de quadrilha. Conforme informa despacho da ministra Rosa Weber, o parlamentar, que já foi prefeito de Campina Grande e governador da Paraíba, teve seu sigilo bancário quebrado em decorrência da investigação.O documento ainda diz que o inquérito foi instaurado a partir de informações do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) que revelaram movimentações financeiras atípicas realizadas pelo senador, envolvendo cerca de R$ 1,5 milhão de agosto de 2006 a março de 2009.
Quando governador, o tucano foi cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba em julho de 2007 por uso de programa social em benefício de sua candidatura à reeleição no ano anterior. No entanto, dois dias depois, o Tribunal Superior Eleitoral concedeu uma liminar que o garantiu o cargo até julgamento final do processo. Em dezembro do mesmo ano, novamente é cassado por uso eleitoreiro de jornal estatal, chamado “A União”, durante a mesma campanha eleitoral. Mais uma vez, consegue permanecer no cargo por meio de liminar. Apenas em 2009, com o fim do processo, Cássio teve seu mandato cassado por definitivo. Voltou como senador

Mas voltando ao caso do filho do senador, segundo pesquisa no site da Receita Federal e do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB) a empresa Interblock Artefato de Cimento S/A, cujo atuação principal está na fabricação de artefatos de cimento para uso na construção civil e que tem diretor o jovem Diogo Cunha Lima. filho do Cássio Cunha Lima (PSDB), que é primo do prefeito de Campina Grande Romero Rodrigues (PSDB), emplacou, até agora, junto a gestão tucana na, três licitações na Prefeitura Municipal de Campina Grande que somadas chegam a quantia de R$ 6.182.850,00.

De acordo com o jornal Paraíba Agora, a empresa Interblock Artefato de Cimento S/A, criada em 2010, segundo dados da Receita Federal só ganhou na Paraíba, desde a sua criação, quatro licitações, sendo três em Campina Grande nos anos de 2013 no valor de R$ 2.127.600,00; 2014 no valor de R$ 2.127.600,00 e em 2015 no valor de R$ 1.927.650,00. A quarta no ano de 2015, sob gestão do prefeito Leto Viana, aliado do senador Cássio Cunha Lima desde 2014.

Somadas à empresa que tem como diretor o filho de Cássio ganhou na gestão do seu primo Romero Rodrigues (PSDB) em licitações R$ 6.182.850,00.

Outro dado é que a empresa Interblock Artefato de Cimento S/A, foi uma das doadoras da campanha do deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB) em 2014, um ano depois de ganhar sua primeira licitação na prefeitura de Campina com a quantia doada em espécie de R$ 13.500,00, como revela dados do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB).

Pedro é irmão de Diogo, diretor da empresa. Ele foi eleito o deputado federal no Estado da Paraíba em 2014, disputando sua primeira eleição. http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2016/08/em-familia-filho-de-senador-tucano.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+blogspot/Eemp+(Os+Amigos+do+Presidente+Lula)

Anônimo disse...

Mais uma do corrupto Magno Malta

Sanguessuga: PF indicia senador Magno Malta

Assessoria do senador disse que, oficialmente, ele não sabe de nada.
Magno Malta é acusado de receber carro para apresentar emenda ao Orçamento.

Do G1, em São Paulo, com informações da Agência Estado

Tamanho da letra

A-
A+


Foto: Agência Senado
Senador Magno Malta (PR-ES)

A Polícia Federal (PF) indiciou o senador Magno Malta (PR-ES) por suspeita de participação na máfia dos sanguessugas. Segundo a PF, o parlamentar foi indiciado por formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.



As investigações da Polícia Federal e do Congresso mostraram que o esquema dos sanguessugas fazia compras superfaturadas de ambulâncias para prefeituras com dinheiro do Orçamento.


saiba mais

Sanguessugas: PF indicia mais um ex-parlamentar
Sanguessugas: PF indicia mais dois ex-parlamentares
Sanguessugas: PF indicia mais seis deputados

A assessoria do senador afirmou que, oficialmente, ele não sabe de nada, pois ainda não foi notificado. Segundo a assessoria, Magno Malta estranhou o indiciamento. A assessoria de imprensa ainda não conseguiu contatar Magno Malta neste sábado (5), pois ele está no interior do estado.



Magno Malta, que foi absolvido no processo por quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética do Senado, é acusado de receber uma Fiat Ducato para apresentar uma emenda direcionada às empresas de Luiz Antônio Trevisan Vedoin, apontado como chefe da máfia dos sanguessugas.

O senador Malta sempre negou envolvimento com o esquema sanguessuga. "Eu apenas usei um carro que me foi emprestado por um deputado. Não posso ter minha história de vida manchada por essa acusação", declarou o parlamentar no ano passado.
http://g1.globo.com/Noticias/Politica/0,,MUL31859-5601,00.html

Anônimo disse...

mais um Agripino Maia corrupto

STF abre inquérito para investigar Agripino Maia por propina de R$ 1 mi
Comente

Estadão Conteúdo

Em Brasília
24/03/201513h06
Ouvir texto
0:00
Imprimir Comunicar erro

O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu abrir um inquérito contra o senador Agripino Maia (RN), presidente nacional do DEM, após pedido encaminhado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. O parlamentar foi citado em delação premiada de empresário do Rio Grande do Norte na qual é acusado de ter cobrado propina de R$ 1 milhão para permitir um esquema de corrupção no serviço de inspeção veicular do Estado. O caso chegou ao Supremo em março e a decisão de abertura de inquérito foi tomada pela ministra relatora do caso, Cármen Lúcia, na última sexta-feira (20). O processo tramita no Supremo em segredo de Justiça.

A delação premiada, feita pelo empresário George Olímpio que, segundo promotores que acompanham o caso, teria montado um esquema envolvendo as principais autoridades do Rio Grande do Norte para aprovar uma lei que criava o sistema de inspeção veicular no Estado. A aprovação da lei, segundo a investigação, teria ocorrido sem obedecer os trâmites legais. O esquema de corrupção é investigado pela Operação Sinal Fechado, deflagrada em 2011.

Procurado, o senador disse desconhecer o pedido de abertura de inquérito contra ele no STF. "Não fui comunicado de nada e o que eu posso lhe dizer é quem um primeiro ponto trata-se de um reposicionamento por parte de alguém que foi a cartório declarar o contrário do que se supõe estar declarando agora. Trata-se de um processo que já foi apreciado na PGR e arquivado. Eu não tenho informação sobre as razões que estariam levando à reabertura desse assunto", disse ao jornal "O Estado de S.Paulo" por telefone.

Segundo o senador, o delator teria registrado em cartório uma nota que nega o teor das acusações feitas em delação premiada. Maia afirma que esse caso já havia sido analisado pela Procuradoria-Geral da República e arquivado por "inexistência de indícios mínimos". O parlamentar afirma ainda desconhecer os motivos que teriam levado à reabertura do caso.
Giro UOL http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2015/03/24/stf-abre-inquerito-para-investigar-agripino-maia.htm

Anônimo disse...

Muito corrupto contra Dilma


Tiago Cedraz investigado na Lava Jato integra ação no STF contra Dilma


Investigado pela Operação Lava Jato por suspeita de recebimento de propina no esquema da Petrobras, o advogado Tiago Cedraz é um dos setes advogados que aparecem como responsáveis pelo texto do mandado de segurança impetrado no STF (Supremo Tribunal Federal) por partidos que apoiaram o impeachment de Dilma Rousseff no Congresso (PSDB, DEM, PMDB e Solidariedade). O advogado afirmou à reportagem, por meio de sua assessoria, que apenas encaminhou uma procuração ao PSDB, ‘responsável pela coordenação‘ do documento e negou ter participado da produção do mandado.

Após ter sido procurada pela reportagem, a assessoria cogitou ‘retirar o nome do advogado‘ dos autos. Os partidos pedem que o STF suspenda a habilitação de Dilma para o exercício de função pública, direito que havia sido concedido pelo plenário no Senado em votação nesta quarta-feira (31) na mesma sessão do julgamento do impeachment que decidiu pela perda do mandato da então presidente afastada. O texto do mandado de 17 páginas em que Tiago Cedraz consta como subscritor foi distribuído à imprensa pela assessoria de imprensa do PSDB na tarde desta sexta-feira (2).

Em site do partido Solidariedade na internet, Tiago aparece como ‘secretário de Assunto de Jurídico‘. Ele também foi defensor, no STF, do deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (SD-SP), principal nome do Solidariedade. Tiago é filho do ministro do TCU (Tribunal de Contas da União) Aroldo Cedraz. O advogado foi acusado em delação premiada do empreiteiro Ricardo Pessoa, da UTC Engenharia, em desdobramento da Operação Lava Jato como parte de acordo de colaboração fechado com a PGR (Procuradoria-Geral da República). O delator disse que fazia pagamentos a Tiago ‘em razão de o mesmo apresentar ao declarante informações privilegiadas, por antecipadas, notadamente registros da área técnica do TCU‘, o Tribunal de Contas da União.

Além do depoimento, Pessoa entregou à PGR uma tabela que aponta pagamentos totais de R$ 2,2 milhões a Tiago, parte dos quais teria sido entregue em espécie. A tabela registra repasses de R$ 50 mil entre 2012 e 2014 e uma parcela de R$ 1 milhão em fevereiro de 2014. Os valores aparecem ao lado da inscrição ‘Thiago/Luciano‘. De acordo com o depoimento do delator, Luciano é uma referência ao primo de Tiago, Luciano Araújo, que ocupava o cargo de tesoureiro do partido Solidariedade, comandado pelo deputado federal Paulo Pereira da Silva (SD), o Paulinho da Força. Pessoa também forneceu uma relação de registros de 51 entradas de Tiago em prédios da empresa entre 2012 e 2014 e outras 80 de Luciano entre 2013 e 2014.

Tiago Cedraz é investigado no inquérito que tramita no STF tendo como outros investigados os senadores Edison Lobão (PMDB-MA), o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), o senador Romero Jucá (PMDB-RR) e o ministro do TCU Raimundo Carreiro. O inquérito apura supostas irregularidades na licitação da usina nuclear de Angra 3 e também se Carreiro foi o destinatário de recursos captados por Tiago do empreiteiro Ricardo Pessoa. Em depoimento, Pessoa disse que Tiago havia lhe afirmado ‘que tinha contato com Raimundo Carreiro e por meio dele iria resolver o julgamento acerca das impropriedades ditas como existentes no contrato de Angra 3‘. Carreiro, na época, era relator de um processo que tramitava no TCU sobre irregularidades na usina nuclear. Em diversas manifestações ao longo dos meses, tanto Tiago Cedraz quanto Raimundo Carreiro negaram quaisquer irregularidades.

EDUARDO CUNHA

Além de Tiago, também subscreve como parte do mandado de segurança dos partidos c http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2016/09/tiago-cedraz-investigado-na-lava-jato.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+blogspot/Eemp+(Os+Amigos+do+Presidente+Lula)

Anônimo disse...

EMPRESA RIACHUELO QUE APOIOU ABERTAMENTE O GOLPE
RIACHUELO CONDENADA POR SUPER-EXPLORAÇÃO DE FUNCIONÁRIA – BOICOTE, JÁ!
8 meses ago Antônio Barbosa Filho Sem categoria, Vale Ler 0
Share this: Facebook Twitter Google+ Pinterest Email to a Friend
Condenação do grupo Riachuelo revela o adoecimento das trabalhadoras da moda
Por André Campos e Ana Aranha

Costureira relata abusos físicos e psicológicos para cumprir metas. Caso revela problemas do sistema “Fast Fashion”, que piora as condições de trabalho no setor.

O grupo Riachuelo foi condenado a pagar pensão vitalícia a uma de suas ex-funcionárias em mais uma ação que revela as precárias condições de trabalho impostas às costureiras que produzem para as grandes marcas da moda. A condenação descreve um ambiente de trabalho em que a exigência de metas de produção ocorria mediante abusos físicos e psicológicos. Segundo seu relato, a costureira era pressionada a produzir cerca de mil peças de bainha por jornada. A meta, por hora, era colocar elástico em 500 calças ou costurar 300 bolsos. Na ação, a funcionária diz que muitas vezes evitava beber água para diminuir suas idas ao banheiro. Idas que, segundo ela, seriam controladas pelo encarregado mediante o uso de fichas.

A ação foi contra a Guararapes Confecções, indústria de roupas do grupo Riachuelo, condenada a pagar uma pensão vitalícia à costureira lesionada devido às atividades exercidas na empresa. A ex-funcionária desenvolveu Síndrome do Túnel do Carpo, que provoca dores e inchaços nos braços. A ação aponta que a trabalhadora teve a sua capacidade laboral diminuída devido ao ritmo de trabalho exaustivo demandado pela fábrica potiguar, onde são confeccionadas peças de roupa vendidas pelas lojas da Riachuelo.

trabalho_escravo_2
A maior parte dos casos de trabalho-escravo no Brasil acontece no setor têxtil. Esta foto, da EBC, nada tem a ver com as lojas Riachuelo, é ilustrativa do tema.

O Tribunal Superior do Trabalho definiu, em dezembro de 2015, que a Guararapes deve pagar o equivalente a 40% da última remuneração da costureira enquanto durar a incapacidade, além de 10 mil reais a título de indenização. A pensão vitalícia pode se prolongar até que ela complete 70 anos.

Segundo a funcionária, as idas ao banheiro eram controladas pelo encarregado

Outro abuso relatado no processo, que teve início em 2011, foi o atendimento médico dentro da fábrica. Ao se dirigir à enfermaria da empresa com sintomas de Síndrome de Túnel do Carpo, a trabalhadora conta que era medicada com analgésico e recebia a determinação de retornar ao trabalho.

Em resposta à reportagem, a Guararapes afirmou que cumpre a aplicação da jornada de trabalho prevista na lei. “Além disso, a companhia conta com auditoria interna em todas as suas operações, com o objetivo de monitorar o cumprimento do Código de Ética e os horários de trabalho de acordo com a legislação”.

Sobre o controle às idas ao banheiro mediante fichas, a empresa diz que “não adota essa política e não compactua com a prática”.

Resposta da Guararapes à reportagem “Condenação do grupo Riachuelo revela o adoecimento das trabalhadoras da moda”

http://valepensar.com/1075-2/

Anônimo disse...

PATRONAL GOLPISTA
Dono da Riachuelo apoia Temer pra lançar nova moda: fim da CLT

O liberal golpista Flávio Rocha, presidente da Riachuelo, aquele que enriqueceu à custa da exploração de milhares de trabalhadoras da indústria têxtil, concedeu entrevista a rádio CBN dando sua opinião sobre o novo governo. Para o empresário bilionário “não é só uma mudança de governo, é uma virada de página”.
Dono da Riachuelo apoia Temer pra lançar nova moda: fim da CLT

Julia RodriguesEstudante da EACH USP

segunda-feira 5 de setembro| Edição do dia

40

Flávio Rocha se mostrou bastante otimista com as sinalizações do governo (golpista) de Michel Temer, e deixou evidente o que será escrito a partir de agora nas novas páginas da política brasileira. Um dos principais pontos que interessa ao empresário é a reforma trabalhista, para “dar às partes, o empregador e o funcionário a autonomia para negociar”, ou seja, o que Rocha quer é “liberdade” para explorar mais e mais seus funcionários, o que o empresário faz extraordinariamente bem nas oficinas terceirizadas que produzem para sua marca.

No entanto, é evidente que em uma negociação a parte mais “frágil” e vulnerável sai prejudicada se não houver leis que regulamentem e punam práticas ‘comuns’ dos empregadores. Hoje mesmo com as leis, os direitos trabalhistas como o 13º, o FGTS, reajuste salarial e pagamento em dia, não são concretizados, sendo necessárias mobilizações e greves para a efetivação de tal lei.

A flexibilização das leis trabalhistas, sob o pretexto de “atualizar a CLT” que Temer quer passar no congresso, na prática significa que a garantia de determinados direitos não estariam assegurados pela legislação, assim teriam que ser negociados diretamente com o patrão. Em um período no qual aproximadamente 12 milhões de pessoas estão desempregadas no país, é mesmo muito conveniente para a patronal, empregadores, empresários, enfim para os ricos do país, demitirem em massa e contratarem trabalhadores vulneráveis que aceitarão trabalhar sob condições precárias e desumanas para fugir do desemprego. Podemos confiar que para os patrões importa, acima de tudo, manter condições boas e dignas de trabalho para os funcionários em detrimento da redução, praticamente insignificante, do lucro da empresa?

Ao firmar que “a legislação trabalhista ao invés de proteger o trabalhador, trás grandes malefícios ao trabalhador” e que “agora se trata de dar sinalizações corretas: um país calcado no binômio da prosperidade que é democracia e livre mercado. Essa é a sinalização que o mundo e os investidores locais estão esperando”, fica óbvio a qual público Flávio está se dirigindo e que o golpe institucional não foi apenas de Temer ou de partidos como PMDB E PSDB, mas também dos empresários e patrões contra os trabalhadores. Obviamente o herdeiro bilionário ignora que a leis trabalhistas são conquistas históricas de gerações e gerações de trabalhadores na tentativa de minimizar as consequências devastadoras do capitalismo em nossa sociedade. Na realidade, o capitalismo está calcado em dois binômios, a exploração e opressão de bilhões de pessoas, com ainda maior truculência sobre as mulheres, negras e negros e LGBTs, em prol do lucro e bonança de uma minoria como Flávio.

Para o empresário “o congresso não era tão ruim quanto se imagina”. Segundo ele a falta de um propósito que aglutinasse interesses em comum leva as pessoas a agirem com base em “interesses próprios e egoísticos”. Agora com o projeto dos golpistas de “redução dos gastos públicos, reforma da previdência, melhora do ambiente de negócios, desburocratização do ambiente de negócios e reforma trabalhista”, como assinala o empresário, se abre o proposito em comum que irá fazer a economia engrenar a tal da “prosperidade” neoliberal.

O documento “Uma ponte para o futuro” lançado pelo PMDB, sintetiza as propostas do governo (golpista) para a política b http://www.esquerdadiario.com.br/Dono-da-Riachuelo-apoia-Temer-pra-lancar-nova-moda-fim-da-CLT

Anônimo disse...

mais um para lista a esposa do intelectual do golpe Golpista Jucá


Justiça condena por corrupção prefeita de Boa Vista, ex-mulher de Jucá
Postado em 10 de setembro de 2016 às 6:56 am
Email
inShare

Do uol:

A juíza Luzia Farias da Silva de Mendonça, da 4ª Vara da Justiça Federal de Roraima, condenou a prefeita de Boa Vista, Teresa Surita (PMDB), a perda do mandato e a tornou inelegível por seis anos.

Ex-mulher do senador Romero Jucá (PMDB), ela é candidata à reeleição e lidera a disputa com 70% das intenções de voto, segundo levantamento do Ibope divulgado no último dia 5.

Surita foi julgada em ação do Ministério Público Federal de improbidade administrativa por dano ao erário. A decisão foi tomada na última segunda-feira (5) e, por ser em primeira instância, ainda cabe recurso. Até o julgamento, Surita deve permanecer no cargo.

Além de Surita, um ex-secretário municipal e a empresa responsável por uma obra na orla de Boa Vista também foram condenados. Eles terão de ressarcir o erário em R$ 838.502,27 (valores ainda a serem corrigidos) e estão proibidos de contratar com o Poder Público ou receber benefícios por quatro anos. Ainda foram multados em R$ 200 mil.

Surita ainda teve direitos políticos suspensos por seis anos. A decisão já foi remetida ao TRE (Tribunal Regional Eleitoral).

(…) http://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/justica-condena-por-corrupcao-prefeita-de-boa-vista-ex-mulher-de-juca/

Anônimo disse...

mais uma do cristão de araque o Golpista Magno Malta


Magno Malta elaborou emenda para favorecer empresa que lhe financiou
Foto: Moreira Mariz/Agência Senado

E-mails da cúpula de uma fabricante de armários de cozinha e de uma funcionária do Senado sugerem que o senador Magno Malta (PR-ES) articulou uma emenda no Congresso para beneficiar diretamente a empresa, que financiou o parlamentar; em suma, mais um moralista sem moral

18 de Setembro de 2016 às 11:40 // Receba o 247 no Telegram Telegram

Do Debate Progressista:

E-mails da cúpula de uma fabricante de armários de cozinha e de uma funcionária do Senado sugerem que o senador Magno Malta (PR-ES) articulou uma emenda no Congresso para beneficiar diretamente a empresa.

Os e-mails, aos quais a Folha teve acesso, tratam da inclusão de armários de cozinha no escopo do programa Minha Casa Melhor, lançado em junho de 2013 pela ex-presidente Dilma Rousseff.

O programa dava crédito de R$ 5.000 para beneficiários do Minha Casa, Minha Vida mobiliarem seus imóveis. Inicialmente, previa o financiamento de cama e sofá, por exemplo, deixando de fora os armários de cozinha.

A Cozinhas Itatiaia é uma das maiores do setor no país. Como a Folha noticiou em agosto, outros e-mails da direção da firma indicam, sem dar o motivo, que Malta recebeu, em 2014, R$ 100 mil não declarados da Itatiaia, além de ter voado em seu jatinho. Ele nega ter recebido o valor.

Em 13 de junho de 2013, o presidente da Itatiaia, Victor Penna Costa, escreveu a Hugo Gabrich, seu ex-assessor: “Como colocamos pra dentro?”, referindo-se aos armários e ao Minha Casa Melhor.

Gabrich respondeu, minutos mais tarde: “Já estou entrando em contato com o Magno, vai me ligar já! Temos que articular!!!!!”. http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/255845/Magno-Malta-elaborou-emenda-para-favorecer-empresa-que-lhe-financiou.htm

Anônimo disse...

mais um santo do Paoco o Cafetão Serra COM OUTRA DENUNCIA E o povo escolheu ele em vez de Suplicy eita paulistada burra corrupta


OAS transferiu quase 5 milhões em propina durante obras do Rodoanel na gestão Serra
17 de setembro de 2016

O consórcio liderado pela construtora OAS para cuidar do lote 5 do Rodoanel Sul em São Paulo transferiu pelo menos R$ 4,8 milhões para contas da Legend Associados, empresa que, segundo afirmou o empresário Léo Pinheiro, foi usada para pagar propina durante a gestão de José Serra (PSDB) no governo paulista. As transferências foram realizadas em 15 parcelas, entre setembro de 2008 e março de 2010, de acordo com relatório da força-tarefa da Lava-Jato obtido pelo GLOBO.




Em nota enviada por sua assessoria, Serra, atualmente ministro das Relações Exteriores, informou que “desconhece a denúncia, tampouco ouviu falar da empresa citada, menos ainda de suposto pagamento irregular que teria sido acordado em 2006, ano da licitação do Rodoanel Sul”. No texto, o ministro enfatizou que no ano anterior ao começo de seu mandato “foi iniciado o contrato e a obra em questão”, numa referência ao período em que o consórcio recebeu para montar canteiro de obras.

O contrato do Rodoanel foi fechado no governo anterior, de Geraldo Alckmin, também do PSDB, com valor previsto de R$ 511,7 milhões. Quando Serra assumiu, em 2007, o contrato foi reduzido em R$ 19,7 milhões. Dois anos depois, recebeu aditivo de R$ 110,9 milhões. Léo Pinheiro disse na tentativa de fechar acordo de delação premiada, em um anexo com o título “José Serra – Rodoanel”, que o pagamento de propina por meio da Legend ocorreu ao longo da execução do contrato.

Nas palavras de Pinheiro, o consórcio liderado pela OAS foi orientado a pagar propina de 0,75% do valor do contrato assinado com a Dersa, empresa de economia mista controlada pelo governo paulista. O valor final do contrato do lote 5 foi de R$ 602,9 milhões.

Se considerado o percentual citado por Pinheiro, o contrato deveria gerar propina de, pelo menos R$ 4,5 milhões, valor próximo do transferido pelo consórcio à Legend (R$ 4,8 milhões). A Legend é uma das empresas usadas pelo lobista Adir Assad, condenado da Lava-Jato, para ocultar propina. Construtoras assinavam contratos fictícios com empresas de Assad e recebiam os valores de volta, em dinheiro vivo, para pagar vantagens a agentes públicos, entre eles ex-diretores da Petrobras.

CUSTO TOTAL DA OBRA CHEGOU A R$ 5 BI

A construção do Rodoanel Sul foi pactuada por um valor total de R$ 2,5 bilhões. Se incluídos todos os gastos do empreendimento (como desapropriações e compensações ambientais), o valor final foi de R$ 5 bilhões, dos quais R$ 1,2 bilhão foram pagos pelo governo federal — o que torna o Ministério Público Federal (MPF) e a Lava-Jato aptos a investigar o caso.

Léo Pinheiro relatou, na tentativa de delação, que durante a negociação do contrato, entre 2004 e 2006, integrantes do governo Geraldo Alckmin (PSDB) solicitaram propina equivalente a 5% do valor total, segundo a revista “Veja”.

Ele citou o secretário de transportes de Alckmin, Dario Rais Lopes, e o então diretor de Engenharia da secretaria, Mario Rodrigues Júnior, como responsáveis por acertar os valores. Segundo Pinheiro, após Serra assumir o governo, em 2007, e reduzir o valor do contrato, o percentual da propina foi reajustada para 0,75%.

Pinheiro não explicou se Rais Lopes e Rodrigues Júnior continuaram cumprindo o papel de emissários da propina ou se transferiram a função para outras pessoas. Apadrinhado por Gilberto Kassab (PSD), Lopes foi nomeado secretário de Transportes e Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades. Foi citado na CPI do Cachoeira, em 2012, como padrinho de Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, ex-presidente da Dersa apontado como arrecadador informal de campanhas eleitorais do PSDB. Atualmente, Lopes aguarda decreto do presidente Michel Temer para ser efetivado no cargo de secretário Nacional de Aviação.
mais http://www.debateprogressista.com.br/oas-transferiu-quase-5-milhoes-em-propina-durante-obras-do-rodoanel-na-gestao-serra/

Anônimo disse...

Mais uma do numero 10

Deputado do “saquinho com açúcar” promoveu jantar pra comemorar o golpe às custas da Câmara
18 de setembro de 2016

A bancada do PSDB na Câmara pediu reembolso de R$ 6.975,50 por apenas três refeições oferecidas a seus deputados durante o impeachment de Dilma.




Duas das notas foram apresentadas no dia da votação em plenário — uma delas, de R$ 3.687,50, no restaurante Coco Bambu, foi do almoço de domingo, em 17 de abril.

Outra, de R$ 1.088, no Xique Xique, foi emitida no dia em que Jovair Arantes (PTB-GO) apresentou seu relatório favorável à admissibilidade do processo contra Dilma Rousseff.

(Natuza Nery – Painel) http://www.debateprogressista.com.br/deputado-do-saquinho-com-acucar-promoveu-jantar-pra-comemorar-impeachment-as-custas-da-camara/

mais um hipócrita corrupto contra o "petê" disse...

Mais um que disse para votar no Aecio e acabar com a corrupção
Xandy, o vacalista da banda Aviões do Forró, é o autor da frase que é forte concorrente como uma das mais estúpidas do século: 'Temos que eleger o Aécio pra dar um basta nessa corrupção que o país enfrenta'. Hoje, Aviões do Forró é alvo de operação da Polícia Federal por sonegação (alô, Globo). Ou seja, mais um 'moralista sem moral', como a honesta Dilma falava; Xandy pertence ao time de Neymar, Andersom Silva e muitos outros. Com o tempo, o falso moralismo vem à tona - né,
http://g1.globo.com/hora1/noticia/2016/10/banda-avioes-do-forro-e-investigada-por-crime-de-sonegacao-de-impostos.html?utm_source=googleplus&utm_medium=share-bar-desktop&utm_campaign=share-bar
Banda Aviões do Forró é investigada por crime de sonegação de impostos
Os cantores Xand e Solange Almeida prestaram depoimento nessa terça-feira (18). Segundo a Polícia Federal, outras três bandas participam do esquema.

Marina AlcântaraFortaleza, CE
Facebook

A Polícia Federal e a Receita Federal ouviram nessa terça (18), em Fortaleza, 32 pessoas investigadas por crime de sonegação fiscal. Entre os que prestaram depoimento, estão os cantores Xand e Solange Almeida, da banda Aviões do Forró. Segundo a Polícia Federal, outras três bandas também estariam envolvidas no esquema.

A movimentação foi intensa na sede da Polícia Federal durante todo o dia. Havia empresários, advogados, familiares e artistas de quatro bandas de forró investigadas pela operação 'For All'. Os cantores da banda Aviões do Forró estão entre as pessoas levadas para prestar esclarecimentos. "Estão todos sendo ouvidos pela Polícia Federal para averiguações, para declarações, para que a PF possa dar os próximos passos", disse o superintendente da PF, Delano Cerqueira.

Segundo as investigações, 26 empresas de diversos segmentos estão envolvidas no esquema de sonegação de impostos e lavagem de dinheiro. "A grande parte dos recursos que circulavam e circulam é em espécie. E isso demonstra claramente a tentativa de se evadir da tributação", afirma João Batista Barros, superintendente da Receita Federal.

As investigações apontam para uma fraude de mais de R$ 500 milhões. Imóveis e outros bens do grupo foram apreendidos - ao todo foram 163 imóveis bloqueados, 69 veículos foram apreendidos e também R$ 600 mil em dinheiro. A operação contou com 260 policiais federais e 35 auditores da Receita Federal. Foram cumpridos 44 mandados de busca e apreensão e 32 mandados de condução coercitiva.

As investigações começaram em 2012. Segundo a Receita Federal, o valor dos contratos declarados pela empresa não eram os mesmos declarados na mídia, como explica a delegada da Polícia Federal e coordenadora da investigação, Dora Lúcia Oliveira de Souza: "A própria empresa disponibiliza as agendas de shows. E aí, quando você confere que aqueles shows estão acontecendo realmente, que eles foram confirmados, e o valor que eles cobram efetivamente, você chega ao numerário que eles teriam auferido, em rendimentos, e o quanto eles realmente declaram, que é um valor ínfimo", afirma a delegada.

De acordo com a Polícia Federal, a sonegação de impostos e a lavagem de dinheiro foram feitas através da compra de imóveis e veículos - a organização usava 'laranjas' para aplicar os recursos.

Os responsáveis podem responder por crime contra a ordem tributária, lavagem de dinheiro, associação criminosa e falsidade ideológica. Segundo a coordenadora da investigação, ninguém deve ser preso nesse momento.

A banda Aviões do Forró informou que está ciente e colaborando com as investigações. Disse ainda que está à disposição da Justiça para os esclarecimentos e vai seguir com a agenda de shows

Anônimo disse...

mais uma a menina que fraudou o Enem era "Fora Dilma " e eleitora do Aecio Neves

“Contra a corrupção”: suspeita de pagar quadrilha para fraudar Enem pediu impeachment de Dilma
7 de novembro de 2016
114 0
Facebook
Twitter

A estudante foi retirada da prova do Enem neste último domingo (06) suspeita de contratar um sistema de ponto eletrônico de uma quadrilha que passava o gabarito da prova para a aluna

Por Redação
sofia macedo1

A estudante Sofia Azevedo Macedo , de Belo Horizonte, foi retirada da prova do Enem neste último domingo (06) sob suspeita de contratar um sistema de ponto eletrônico de uma quadrilha que passava o gabarito da prova para ela conseguir uma boa pontuação.

“A quadrilha cobrava entre 150 e 180 mil, a depender da universidade que o candidato pretendia ingressar”, disse um delegado da Polícia Federal em uma reportagem do programa “Fantástico”, da TV Globo.

Apesar de querer tirar vantagem em cima dos outros milhares concorrentes, Sofia Macedo era uma jovem ativa nas redes sociais e fazia posts frequentes contra o governo Dilma e contra a corrupção. Inclusive chamou de “ridículo” o resultado das eleições.
http://www.revistaforum.com.br/2016/11/07/suspeita-de-pagar-quadrilha-para-fraudar-enem-pediu-impeachment-de-dilma/





Anônimo disse...

mais uma , a madame enrolada até o pescoço recebendo dinheiro público sem trabalhar é Fora Dilma

‘Madame’ que foi às ruas gritar ‘Fora, Dilma’ terá que devolver 500 mil à ALRN por ser funcionária ‘fantasma’
9 de novembro de 2016

O Ministério Público Estadual denunciou a colunista social Hilneth Correia como funcionária ‘fantasma’ da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. Outras quatro pessoas, dentre elas o atual secretário geral da AL, Augusto Viveiros, foram denunciadas por viabilizar os pagamentos irregulares a ela. O MP quer reparação da colunista no valor de quase R$ 500 mil que recebeu de remuneração sem contraprestação laborativa. Essa é a primeira denúncia ofertada pelo Ministério Público Estadual, relacionada a funcionários “fantasmas” da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte.

O juiz de Direito Raimundo Carlyle de Oliveira Costa, da 4ª Vara Criminal da Comarca de Natal, citou os denunciados Pedro Lopes da Silva Filho, José Eduardo Costa Mulatinho, Augusto Carlos Garcia de Viveiros, Bernadete Batista de Oliveira e Hilneth Maria Correia Santos a responderem a acusação do MPRN, por escrito, no prazo de dez dias.




Ao G1, a colunista Hilneth Correia afirmou que nunca foi funcionária fantasma. “Sou jornalista, sou assessora de imprensa, sempre fiz o meu serviço através dos meios de comunicação. Sempre estive presente nos eventos da Assembleia, sempre noticiei. Atualmente sou lotada no memorial da Assembleia e em breve vou estrear um programa de rádio sobre o memorial”, disse. Ela confirmou que quando era assessora de imprensa do gabinete da presidência não cumpria expediente diariamente. “Antes eu não ia todos os dias. Eu ia em alguns dia da semana. Muita gente trabalha mais fora do que dentro e hoje em dia com internet, computador, se faz esse trabalho de qualquer lugar”.

Em desfavor dos denunciados, o MPRN pede a condenação pela prática de condutas tipificadas no artigo 312, caput, do Código Penal (peculato) combinado com o artigo 327, § 1º do CP (para quem equipara-se a funcionário público) e também combinado com o artigo 71 do CP (quando o agente, mediante ação ou omissão, pratica os crimes em continuação).

Na peça acusatória, a Promotoria de Defesa do Patrimônio Público de Natal relata que Pedro Lopes da Silva Filho e José Eduardo Mulatinho nos anos de 2011 a 2015, o secretário-geral da Assembleia Legislativa Augusto Viveiros a partir do ano de 2015, e Bernadete Batista de Oliveira neste ano de 2016 viabilizaram o desvio de recursos públicos em favor de Hilneth Correia, que em razão do cargo recebeu remuneração sem desempenhar efetivamente qualquer função, no valor de quase R$ 500 mil.

Na denúncia recebida pelo juiz da 4ª Vara Criminal de Natal, o MP requer a condenação dos denunciados; além da reparação dos danos causados pela infração, considerando o prejuízo causado pela denunciada Hilneth Correia no valor de R$ 491.525,13 a ser corrigido monetariamente e acrescido de juros.

A investigação que ensejou a instauração da ação penal é decorrente da reformulação do Portal da Transparência do site da Assembleia Legislativa na internet, permitindo que a sociedade tivesse acesso à informação sobre os valores das remunerações dos servidores da Casa Legislativa sem a identificação do usuário, o que provocou intensa discussão na mídia e redes sociais acerca da existência de servidores fantasmas no âmbito da ALRN.



Leia mais no G1. http://www.debateprogressista.com.br/madame-que-foi-as-ruas-gritar-fora-dilma-tera-que-devolver-500-mil-a-alrn-por-ter-sido-funcionaria-fantasma/

Anônimo disse...

Mais um o Posto Ipiranga o qual Dória fez propaganda para atacar o PT e o Haddad e um posto que caluniou o Presidente Lula vendendo gasolina batizada(adulterada)
https://www.youtube.com/watch?v=4mKTtgayRkI

Boicote já https://secure.avaaz.org/po/petition/wwwipirangacombr_Retirada_de_faixa_com_calunia_e_difamacao_contra_Lula_em_posto_de_gasolina/?ahFMVeb

Anônimo disse...

O usurpador levando checão de 1 milhão e Moro, MPF, Gilmar , Globo e o restante da mídia ignoram , só pensam em perseguir o Presidente Lula

Tribunal Superior Eleitoral
Cheque de 1 milhão joga luz sobre inusual conta eleitoral de Temer
por André Barrocal — publicado 11/11/2016 17h54, última modificação 13/11/2016 17h32
Dono de empreiteira diz ao TSE que valor era dinheiro sujo e bagunça ação contra chapa Dilma-Temer
inShare156
Marcos Corrêa/PR/Fotos Públicas
Michel Temer

Devido ao depoimento de Otávio Azevedo, a conta particular de Temer transformou-se em dor de cabeça.
Leia também
"Réu" no TSE, Temer pode vir a indicar dois de seus julgadores
Temer vai ao Supremo para que políticos tenham concessões de rádio e tevê
Dez arbitrariedades que mostram a escalada autoritária no Brasil
Ives Gandra Filho, artífice de uma reforma trabalhista ao gosto de Temer
Temer financiou relator da PEC 241, a do congelamento de gastos sociais

Um depósito de 1 milhão de reais da empreiteira Andrade Gutierrez, enrolada na Operação Lava Jato, na conta do PMDB na eleição de 2014 embaralhou o processo de cassação da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

E jogou luz em uma situação inusual: a existência de uma conta de campanha específica de um candidato a vice. De Temer, no caso.

O milionário depósito foi feito em 10 de julho de 2014. Um dinheiro sujo, conforme depoimento de Otávio Andrade, ex-presidente da empreiteira.

Ele falou ao TSE no dia 19 de setembro, no processo que examina a ação do PSDB contra a chapa Dilma-Temer. Seria, segundo Andrade, pagamento de propina disfarçado de doação, em troca de obras tocadas pela construtora no País.

“Bom, de onde vem esse 1 milhão? Vem de março de 2014, que não era período eleitoral. Por que que nós fizemos a contribuição de 1 milhão em março? Porque nós estávamos sofrendo pressão para cumprir obrigações dos acordos de contribuição dos 1% aí de cada projeto. Então, esse um milhão feito em março em duas parcelas de 500 mil em julho, já no período eleitoral”, disse ele.

No depoimento, Andrade afirmou, porém, que o cheque tinha sido depositado na conta do PT, para favorecer Dilma. Naquele mesmo dia, ele era condenado pela Justiça do Rio a 18 anos de cadeia por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa, devido a safadezas descobertas pela Lava Jato em obras da Eletronuclear. Graças a um acordo de delação, a pena caiu a um ano.

Se Andrade quiser mudar a versão dada ao TSE e agora declarar que o dinheiro sujo depositado para o PT, na verdade era limpo e depositado ao PMDB, poderá fazê-lo na quinta-feira 17. É a data marcada pelo relator do processo no tribunal, Herman Benjamin, para um novo depoimento.

Benjamin resolveu chamar o empresário outra vez após receber dos advogados de Dilma, na terça-feira 8, documento no qual eles dizem que Andrade mentiu em setembro. O depósito, argumentam, fora feito não ao PT, mas ao PMDB. E este repassara a quantia, via cheque, à conta que Temer abrira para ajudar os amigos naquela campanha.

Na papelada enviada pelos dilmistas, há um informe da direção do PMDB de que recebera 1 milhão de reais da Andrade Gutierrez para repassar a Temer. E cópia de um cheque do PMDB de transferência dos recursos a Temer. É do Banco do Brasil, com data de 10 de julho de 2014 e nominal à “Eleição 2014 Michel Miguel Elias Temer Lulia Vice Presidente”.

Trata-se da conta aberta pelo atual presidente da República para arrecadar fundos de campanha na eleição. Uma atitude inusual. Nenhum outro candidato a vice-presidente manteve uma contabilidade paralela àquela do cabeça de chapa. Nem Temer fizera isso na eleição anterior, de 2010, quando concorrera ao lado de Dilma pela primeira vez.

Anônimo disse...

cont A campanha de 2014 foi disputada já com a Lava Jato em cena, operação deflagrada em março daquele ano, sete meses antes de a população ir às urnas. Dilma decidiu ter controle absoluto de suas finanças eleitorais. Escalou o petista Edinho Silva, posteriormente seu ministro da Comunicação Social, para tesoureiro, escolha que gerou problemas inclusive com o PT.

Com uma conta só para si, Temer teve liberdade para arrecadar e gastar. De acordo com registros do TSE, essa conta movimentou 26,5 milhões de reais. São registros confusos, no entanto, é possível que haja repetição de valores, daí que a quantia total movimentada talvez seja menor.

Graças a essa conta, Temer arrecadou 950 mil reais com os irmãos Rodrigo e Ana Carolina Borges Torrealba, uma família detentora de uma concessão para operar um terminal portuário, chamado Libra, no Porto de Santos.

O Porto, como se sabe, está sob influência política de Temer há tempos. No fim de 2015, um aliado dele, Edinho Araújo, então no comando do Ministério dos Portos, garantiu a renovação antecipada da concessão de Libra em Santos até 2035.

Uma renovação sacramentada mesmo com a empresa tendo uma dívida bilionária com o governo, possibilidade aberta na legislação por outro aliado de Temer, o agora ex-deputado Eduardo Cunha. O diretório do PMDB do Rio, controlado por Cunha na época, também recebeu dinheiro dos Borges Torrealba na campanha de 2014.

A conta eleitoral de Temer abasteceu também naquela eleição, com 50 mil reais, a candidatura do deputado federal gaúcho Darcísio Perondi (PMDB), relator da proposta do governo de congelar por vinte anos as verbas sociais, principal agenda econômica do Palácio do Planalto até aqui.

Por essa conta, Temer arrecadou no mínimo 5,5 milhões de reais em doações da JBS, empresa que até outro dia tinha como um de seus dirigentes o atual ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Na campanha de 2014, a empresa injetou 365 milhões de reais, o que levou o presidente do TSE de então, Dias Toffoli, a declarar: “Tentativa de compra do parlamento”.

Devido ao depoimento de setembro de Otávio Azevedo, a conta particular de Temer transformou-se em dor de cabeça. Se o empresário mantiver o que disse e for mesmo sujo o dinheiro do depósito de 1 milhão de reais ao PMDB que ele pensou ter feito ao PT, Temer estará encrencado no TSE.

O peemedebista correrá o risco ver Herman Benjamin propor a cassação da chapa Dilma-Temer. E de não ter como defender a ideia de que as contas da dupla eram separadas e independentes, tese ao gosto do presidente do TSE, Gilmar Mendes, hoje em dia conselheiro informal de Temer.

Mas, se o empresário mudar sua versão, Temer poderá respirar. Das cerca de 25 testemunhas ouvidas até aqui por Herman Benjamin no processo contra a chapa Dilma-Temer, só Otávio Andrade tinha dito que houve propina disfarçada de doação. http://www.cartacapital.com.br/politica/cheque-de-1-milhao-joga-luz-sobre-inusual-conta-eleitoral-de-temer

Anônimo disse...

Mais um Cabral que apoiou o Aecio neves e o golpe parlamentar contra Presidenta Dilma, globo além de esconder distorceu os fatos

Dilma desmente Globonews: Cabral apoiou Aécio

Em nota à imprensa, a presidenta Dilma Rousseff desmentiu a informação vinculada no canal GloboNews de que o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), preso pela Polícia Federal nesta quinta-feira, 17, teria apoiado sua campanha a reeleição em 2014; "Sérgio Cabral Filho jamais foi aliado da ex-presidenta da República. Tanto é verdade que, nas eleições presidenciais, ele fez campanha para o principal adversário de Dilma nas eleições de 2014: o senador Aecio Neves (PSDB-MG)", disse Dilma; "Durante o processo de impeachment de Dilma Rousseff, Sérgio Cabral orientou seus liderados no PMDB a votarem favoravelmente ao afastamento dela da Presidência da República"

17 de Novembro de 2016 às 16:12 // Receba o 247 no Telegram Telegram

247 - Em nota à imprensa, a ex-presidente Dilma Rousseff desmentiu nesta quinta-feira, 17, a informação vinculada no canal GloboNews de que o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, teria apoiado sua campanha a reeleição em 2014.

Dilma disse que ele jamais foi seu aliado já que apoiou Aécio Neves e orientou seus liderados no PMDB a votarem favor do seu afastamento da Presidência da República.

Sérgio Cabral foi preso pela Polícia Federal na operação Calicute. Ele é acusado de receber propinas mensais entre R$ 200 mil e R$ 500 mil de empreiteiras, entre 2007 e 2014, com contatos no governo do estado. Prejuízos poder chegar a cerca de R$ 224 milhões.

Leia a nota:

"NOTA À IMPRENSA

Diferentemente do que informa a Globonews, ao longo de sua programação nesta quinta-feira, 17 de novembro, a respeito da "aliança" entre o ex-governador Sérgio Cabral Filho e Dilma Rousseff, a assessoria de imprensa da ex-presidenta esclarece:

1. Sérgio Cabral Filho jamais foi aliado da ex-presidenta da República. Tanto é verdade que, nas eleições presidenciais, ele fez campanha para o principal adversário de Dilma nas eleições de 2014: o senador Aecio Neves (PSDB-MG).

2. Durante o processo de impeachment de Dilma Rousseff, Sérgio Cabral orientou seus liderados no PMDB a votarem favoravelmente ao afastamento dela da Presidência da República.

3. Estes são os fatos.

Assessoria de Imprensa
Dilma Rousseff"

Confira vídeo sobre a prisão de Cabral:
https://www.youtube.com/watch?v=78OmO3822ys

http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/265888/Dilma-desmente-Globonews-Cabral-apoiou-A%C3%A9cio.htm

Anônimo disse...

Mais um escravocrata a favor do golpe
“Estado Robin Hood acabou”, diz dono da Riachuelo, condenada a pagar pensão mensal a costureira que colocava elástico em 500 calças por hora
Em entrevista ao Estadão, o empresário Flávio Rocha, presidente das Lojas Riachuelo, disse o seguinte:

“O livre mercado é a melhor maneira de distribuir riqueza e o inchaço do Estado, a pior maneira de concentrar riqueza. O mito do Estado Robin Hood a Dilma acabou de desmoralizar. O socialismo é uma saga tão terrível que, de tempos em tempos, ela ressuscita como um zumbi, como agora, nessa última vez, na forma do populismo bolivariano, que fez um estrago imensurável em tantas economias ricas da América Latina.”

Lindo.

Em janeiro, o grupo Riachuelo foi condenado a pagar pensão vitalícia a uma de suas ex-funcionárias. A costureira era pressionada a produzir cerca de mil peças de bainha por jornada. A meta, por hora, era colocar elástico em 500 calças ou costurar 300 bolsos. Na ação, ela diz que muitas vezes evitava beber água para diminuir suas idas ao banheiro. Idas que, segundo ela, eram controladas pelo encarregado mediante o uso de fichas.
http://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/estado-robin-hood-acabou-diz-dono-da-riachuelo-condenada-a-pagar-pensao-mensal-a-costureira-que-colocava-elastico-em-500-calcas-por-hora/

Anônimo disse...

Mais um o procurador Power Point tomando imóveis dos mais pobres na minha casa minha vida ganhando mais de 22 mil mensais
Dallagnol comprou apartamentos construídos para o Minha Casa Minha Vida.
O procurador da república Deltan Dallagnol é conhecido por sua atuação como chefe da Operação Lava Jato e pela sua campanha contra a corrupção, que o tem levado a reuniões em grandes veículos de comunicação e a igrejas, principalmente evangélicas – é membro da Batista do Bacacheri, em Curitiba.

Esta é a face conhecida do procurador Dallagnol. Mas tem outra, a de investidor em imóveis. Segundo registro do Cartório de Imóveis de Ponta Grossa, em fevereiro do ano passado, Dallagnol comprou duas unidades no condomínio Le Village Pitangui, construído pela construtora FMM.

Para fazer a construção, a FMM recorreu a financiamento da Caixa Econômica Federal destinado ao Programa Minha Casa, Minha Vida. Mas os compradores não precisavam ser, necessariamente, pessoas de baixa renda.

Dallagnol pagou R$ 76 mil por um apartamento, o 104 do bloco 7, e 80 mil reais em outro, o 302 do bloco 8. Nas duas compras, uma escritura foi assinada em 22 de agosto de agosto de 2013 e outra, de rerratificação, em 20 de fevereiro do ano passado.

As escrituras foram assinadas pelo dono da construtora, Fernando Mehl Mathias, como vendedor, e por Deltan Dallagnol e a esposa, que é advogada, como compradores.

Dallagnol é natural de Pato Branco, no interior do Paraná. Nenhum dos apartamentos comprados em Ponta Grossa foi para moradia própria. Segundo o endereço fornecido ao cartório para a escritura, Dallagnol reside num bairro de classe média da capital paranaense.

Na internet, há o anúncio de venda de um apartamento no mesmo condomínio que o dele em Curitiba. O preço é R$ 895 mil. Tem 130 metros quadrados, com três suítes, cinco banheiros e duas vagas na garagem.

Muito diferente dos seus apartamentos de Ponta Grossa, padrão Minha Casa, Minha Vida: 55 metros quadrados de área privativa, num condomínio com 29 blocos de quatro andares, com quatro apartamentos por andar. Uma vaga na garagem, em princípio descoberta.

O Le Village Pitangui de Ponta Grossa tem ainda três quadras de esportes, três salões de festas e três quiosques com churrasqueira – isso para atender os 464 apartamentos. A taxa de condomínio é R$ 210, já incluída a conta da água, que é coletiva.

Procurei a construtora FMM, que fez o condomínio. O chefe dos corretores disse que todos os apartamentos do Le Village Pitangui foram vendidos. Quem quiser comprar agora tem que procurador investidores como Dallagnol.

No caso dele, os apartamentos estão sendo vendidos a R$ 135 mil cada – diferença de 59 mil reais em uma unidade (77,6%) em relação ao que ele pagou e de 55 mil na outra unidade (68,7%).

Uma corretora de Ponta Grossa disse que muitos apartamentos do condomínio ficaram nas mãos de investidores – “acho que a maioria”. Ou seja, quem tinha dinheiro para pagar à vista ou em poucas parcelas, quando o condomínio foi lançado, fez um excelente negócio, ao contrário de quem agora está nas mãos dos investidores.

Os investidores pagam barato esperando pela valorização ou colocam o apartamento para alugar – os do procurador Dallagnol nunca foram ocupados e, segundo uma corretora, ele não tem interesse no aluguel, em torno de R$ 600. Conversei com ela sem dizer o nome do procurador, e ela se referiu ao proprietário também sem dizer o nome dele.

Comprar apartamento destinado preferencialmente ao programa Minha Casa, Minha Vida não é ilegal, mesmo quem tem altos rendimentos. Em outubro, os vencimentos totais brutos de Deltan Dallagnol foram de R$ 35.607,28, segundo o Portal da Transparência do Ministério Público Federal.

Os vencimentos líquidos do procurador foram de R$ 22.657,61, mas neste ano houve um mês – abril –, em que ele recebeu líquidos R$ 67.024,07, com “indenização” e “outras remunerações retroativas/temporárias”, acima do teto constitucional.

mais http://www.diariodocentrodomundo.com.br/dallagnol-comprou-apartamentos-construidos-para-o-minha-casa-minha-vida-por-joaquim-de-carvalho/

Anônimo disse...

Até o Neymar que fez video apoiando o Aecio Neves esta enrolado na espanha


Neymar pode ser preso e pagar multa milionária
A justiça da Espanha pediu a prisão do jogador Neymar Júnior do Barcelona.
Neymar fica na mira da Justiça da Espanha
Neymar fica na mira da Justiça da Espanha
Publicidade

Na manhã desta quarta-feira, 23 de novembro, a Justiça da Espanha pediu a prisão do jogador Neymar Júnior e #Neymar da Silva Santos, pai do jogador, pelos crimes de fraude em um contrato com o Santos para Neymar ser jogador do Barcelona no ano de 2013 e por corrupção. A Justiça ainda quer que Neymar pague uma multa no valor de € 10 milhões, equivalente a quase 40 milhões de reais.

O processo na Justiça tinha sido arquivado no mês de julho deste ano pelo juiz De La Mata, já em setembro o caso foi reaberto e não tem data prevista para julgamento. Para o juiz, o acordo entre Barcelona e Neymar fez com que o mercado de contratação de jogadores fosse alterado, impedindo que o jogador ingressasse no mercado pelas regras da livre competição.

O pedido feito pela justiça se baseou em uma queixa que foi feita pelo fundo de investimento DIS, que cuidava dos direitos do jogador, reivindicando uma porcentagem no valor da transação de Neymar que era do Santos para o Barcelona, em 2013. Nadine, mãe do jogador Neymar, teve prisão de um ano pedida pela Justiça. Ela é sócia da N&N Consultant.

A DIS pediu para a justiça a prisão de Neymar, o pai e a mãe do jogador, Sandro Rosell que já foi presidente do Barcelona e Odilio Rodrigues e ex-presidente do Santos. Para o DIS, a família de Neymar agiu de uma forma corrupta. O diretor da DIS, Roberto Moreno, conta que Neymar e o Barcelona burlaram as normas pertencentes à FIFA.

O grupo DIS cita que tem o direito de receber 40% sobre o valor envolvendo a transferência de Neymar para o Barça. Segundo a Audiência Nacional na Espanha, o valor teria chegado a € 83,3 milhões, mas o Barcelona só teria pago € 17 milhões.

A família do jogador é acusada de esconder o verdadeiro valor da transação para Neymar sair do Santos e ir para o Barcelona. Em uma nota oficial emitida pela assessoria de imprensa do jogador, foi informado que Neymar Júnior e Neymar da Silva Santos que é seu pai, ainda não foram notificados do pedido de prisão e que a família do jogador esta tranquila sobre processo que é antigo. #Famosos #Futebol
http://br.blastingnews.com/tv-famosos/2016/11/neymar-pode-ser-preso-e-pagar-multa-milionaria-001257979.html
O video dele apoiando o Aecio Neves https://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=292818697785390&id=100011717874693

Anônimo disse...

Até tu Brutus?
Até o Juiz da lava Jato não resiste ao Google
CORRUPTO? Sergio Moro é pego em malha fina, recebe mais do dobro do teto e só em Abril salário atingiu quase 80 mil reais


CORRUPTO? Moro é pego em malha fina, recebe mais do dobro do teto e só em Abril salário atingiu quase oitenta mil reais
Partilhar no Facebook
Tweet no Twitter

POR MARIA LUSIA BARROS
Paraná – Idolatrado pelos brasileiros que exigem o fim da corrupção no país, o juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, é um dos muitos magistrados beneficiados por uma prática legal, mas questionável do ponto de vista moral: a dos supersalários pagos aos servidores da Justiça no Brasil. Graças a uma generosa cesta de auxílios e adicionais eventuais, Moro tem recebido no contracheque muito acima do teto, que é limitado ao salário do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), hoje em R$ 33,7 mil.




O artifício muito utilizado pelos tribunais fez com que o salário do magistrado chegasse a R$ 77.423,66, no mês de abril. Desse total, R$ 43.299,38 foram referentes a pagamentos de férias, 13º salário, atrasados e outros. No valor bruto, estavam incluídos ainda R$ 5.176,73 de auxílios para ajudar nas despesas com alimentação, transporte, moradia e saúde. O levantamento, feito pelo DIA no portal do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (PR, SC e RS), mostra que, de janeiro a julho deste ano, Moro recebeu, por quatro vezes, rendimentos superiores a R$ 63 mil. Nos meses sem gratificação (março, maio e junho), o salário do magistrado, que é lotado na 13ª Vara Federal de Curitiba, não passou de R$ 36 mil. Além dele, há juízes cujos vencimentos ultrapassam R$ 100 mil por mês.




O expediente de criação de penduricalhos foi criticado pelo deputado federal Wadih Damous (PT-RJ). “A limpeza deveria começar pela remuneração desses juízes e desembargadores que recebem acima do teto constitucional, em manobras que não fazem bem à democracia e à moralidade”, disse. As informações sobre o descumprimento do teto salarial na magistratura foram publicadas, na última semana, no site Consultor Jurídico. A análise foi feita pelo procurador federal Carlos André Studart Pereira, a pedido da Associação Nacional dos Procuradores Federais (Anpaf), e enviada a parlamentares. De acordo com a reportagem, o teto que deveria limitar o aumento de salário, na verdade, se tornou piso para magistrados. http://clickpolitica.com.br/brasil/corrupto-moro-e-pego-em-malha-fina-recebe-mais-do-dobro-do-teto-e-so-em-abril-salario-atingiu-quase-oitenta-mil-reais/

Anônimo disse...

Mais um ,o Malafaia que adora falar mal da Presidenta Dilma,Presidente Lula e o PT lavando as verdinhas

PF faz operação contra fraude de royalties; Malafaia é alvo
O pastor evangélico teria envolvimento no esquema e foi levado coercitivamente para depor. Ele é suspeito de lavar dinheiro para os criminosos
Por Da redação
access_time
16 dez 2016, 07h54 - Atualizado em 16 dez 2016, 16h04
chat_bubble_outline
more_horiz
O pastor Silas Malafaia durante a Comissão Especial da Câmara sobre o Estatuto da Família, em Brasília

A operação desta sexta mira um esquema de corrupção que fraudava os valores de royalties de mineração (Rodrigues Pozzebom/)

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta sexta-feira a Operação Timóteo, que tenta desmontar um esquema de corrupção que fraudava os valores de royalties de mineração devidos por mineradoras a municípios, com a Vale entre as empresas prejudicadas. Há ações em onze Estados e no Distrito Federal. O pastor evangélico Silas Malafaia também teria envolvimento no esquema, que era utilizado para lavagem de dinheiro. A PF chegou a ir até a casa dele, no Rio de Janeiro, para cumprir um mandado de condução coercitiva, mas ele está em um hotel em São Paulo.

De acordo com o Estado de S. Paulo, Malafaia é suspeito de ajudar os criminosos que operavam o esquema a lavar dinheiro. O pastor é acusado de ter recebido dinheiro em seu escritório e posteriormente ter “emprestado” contas-correntes de uma instituição religiosa sob sua influência com a intenção de ocultar a origem ilícita dos valores.

Leia também
Exclusivo: Temer é citado pela 2ª vez em delação da Odebrecht
Marcelo Odebrecht confirma que Temer lhe pediu dinheiro

Em nota, a PF informa que, além das buscas, os 300 policiais federais envolvidos na ação cumprem, por determinação da Justiça Federal, 29 conduções coercitivas, quatro mandados de prisão preventiva, doze mandados de prisão temporária, sequestro de três imóveis e bloqueio judicial de valores depositados que podem alcançar 70 milhões de reais.

O esquema envolvia a participação de um diretor do Departamento Nacional de Produção Mineral que abordava prefeitos para oferecer participação nos lucros da corrupção. O departamento é subordinado ao Ministério de Minas e Energia.

O nome da operação é referência a uma passagem do Evangelho de Timóteo, parte da Bíblia. Segundo o livro, “aqueles que querem ficar ricos caem em tentação, em armadilhas e em muitos desejos descontrolados e nocivos, que levam os homens a mergulharem na ruína e na destruição”.

(Com agência Reuters) http://veja.abril.com.br/brasil/pf-faz-operacao-contra-esquema-de-corrupcao-que-frauda-royalties/

Anônimo disse...

Mais um boa gente
Médico tucano do "Fora Dilma" é preso por cobrar R$4,6 mil por cirurgia do SUS
Resultado de imagem para adilson bier

Um médico ortopedista, ex-secretário municipal da Saúde de Toledo, na Região Oeste do Paraná, foi preso em flagrante por cobrar R$ 4,6 mil de uma paciente pela realização de uma cirurgia no Sistema Único de Saúde (SUS).

Um parente da paciente fez a denúncia na Promotoria de Justiça de Toledo e, de acordo com o Ministério Público (MP), a vítima foi orientada a entregar ao médico o dinheiro que havia sido solicitado.

Logo após da entrega do envelope, policiais do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Cascavel, na mesma região, junto com os promotores de Justiça que acompanhavam o caso, entraram no consultório e apreenderam o dinheiro entregue pelo paciente, além de outros objetos relevantes para as investigações.

O médico cirurgião ortopedista Adilson Cleto Bier foi preso em flagrante por corrupção ativa.

Flagrante

No decorrer dos depoimentos de testemunhas e envolvidos, o Ministério Público foi informado de que o médico cobrava propina há mais tempo, não sendo um caso isolado. A vítima desta vez, uma mulher de 40 anos, que pediu para não ser identificada, fez uma cirurgia na perna. Quando o médico cobrou pelo procedimento, ela procurou a delegacia de Toledo para registrar a denúncia.

Por falta de flagrante, a polícia orientou que a vítima procurasse o Ministério Público. O promotor da cidade Tiago Trevisoli Justo pediu que ela entregasse o dinheiro ao médico para que fosse caracterizado o flagrante. As cédulas fotografadas e uma anotação do lado de fora do envelope serviram de prova.

Prisão

Segundo o superintendente da 20ª Subdivisão da Polícia Civil de Toledo Antônio da Costa Filho, o médico é bastante conhecido na cidade e nega ter cobrado da paciente. “Ele diz que achou que o dinheiro era uma gratificação, um ‘favor’ para agradar o médico”, desconfia.

O superintendente afirma que o Adilson Cleto Pinheiro é sócio da maior clínica da cidade, o Instituto de Ortopedia e Traumatologia Toledo (IOT). O policial conta que o médico está arrependido. “Ele está arrasado, está em uma sala separada dos outros presos, até porque não temos onde colocar ele, a delegacia está superlotada”, aponta.

A delegacia de Toledo abriga 240 presos em um espaço para 35 pessoas. “E o calor aqui na região, você sabe, o médico está bem mal”, ressalta. “Isso é muito comum, pacientes com planos de saúde também. Os médicos pedem o cartão do SUS junto com o do plano para cobrar dos dois. Só que isso tem que provar. A gente sabe que tem gente idosa que faz até empréstimo para pagar cirurgia do SUS. A diferença agora é que o pessoal do Gaeco arrumou bem o flagrante”, comenta.

De acordo com o policial, advogados do médico já disseram que pediram um habeas corpus. “Por ser réu primário, ele deve ser solto em breve”, acredita. A direção da clínica IOT de Toledo foi procurada e uma funcionária informou e empresa ainda não pode se pronunciar porque a direção não teve acesso aos detalhes do caso. http://aesquerdavalente.blogspot.com.br/2017/01/medico-tucano-do-fora-dilma-e-preso-por.html?spref=fb

Anônimo disse...

Mais uma gente boa que apoiou o Golpe do golpista Temer e Aecio neves contra a Presidenta Dilma


Tucano que gritou “fora Dilma” rouba envelope com mil reais em aeroporto
8 de janeiro de 2017
Partilhar no Facebook
Tweet no Twitter

O ex-diretor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de Sorocaba (SP) e ex-secretário de Comunicação Rodrigo Maldonado (PSDB), 39 anos, foi detido nesse sábado (8) por suspeita de furto no aeroporto internacional de Viracopos, em Campinas (SP), de onde embarcaria para Orlando (EUA), com a esposa e os dois filhos.




Uma equipe abordou o tucano na sala de embarque com um envelope que continha US$ 1 mil, segundo o boletim de ocorrência registrado pela Polícia Civil na delegacia do aeroporto. O valor havia sido perdido no aeroporto por uma família que procurou a polícia. A família também procurava um Green Card, visto permanente concedido a estrangeiros para residirem nos Estados Unidos.A defesa de Maldonado confirmou que ele encontrou o envelope, mas não sabia a quem devolver. Segundo a defesa, a tipificação do crime como furto foi errônea e deveria ser como apropriação de coisa perdida. http://clickpolitica.com.br/brasil/tucano-que-gritou-fora-dilma-rouba-envelope-com-mil-reais-em-aeroporto/

Anônimo disse...

Mais uma

JOICE HASSELMANN INDICIADA NA LAVA JATO (MATÉRIA COMPLETA)
https://www.youtube.com/watch?v=30awvLCtc-o

Anônimo disse...

Mais uma a mae doladrão de merenda do PSDB protestando em frente aos hospital onde a Dona Marisa Internada https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10206214410639665&set=gm.1749485985379128&type=3&theater

Anônimo disse...

Até o Ministro do TCU querendo estancar a sangria
Ministro do TCU que condenou Dilma é acusado de receber 1 milhão em propina
nardes dois

Augusto Nardes (foto), o ministro do TCU (Tribunal de Contas da União) responsável por condenar as contas de Dilma Rousseff e escancarar as portas para o processo de impeachment, foi acusado pelo ex-diretor da Petrobras Renato Duque, em delação premiada, de ter recebido R$ 1 milhão entre 2011 e 2012 para não criar empecilhos em procedimentos contratuais de uma plataforma.


Em anexo que integra a proposta de acordo, Duque relata, segundo a Folha apurou com pessoas ligadas à investigação, que se reuniu com Nardes em um jantar na casa do ministro para acertar o pagamento. No encontro, chegaram ao montante de R$ 1 milhão, que corresponderia a um percentual do contrato.

Os valores, segundo o ex-diretor da Petrobras, foram repassados por Pedro Barusco, na época gerente de Serviços da estatal e braço direito de Duque.

Em 2005, quando Nardes foi nomeado para o TCU, foi destruído um recibo que comprovava o pagamento da propina para não “prejudicar sua nomeação”, segundo Corrêa.

Esta é pelo menos a terceira vez que Duque tenta fazer um acordo de delação.

http://aesquerdavalente.blogspot.com.br/2017/01/ministro-do-tcu-que-condenou-dilma-e.html

Anônimo disse...

Mais uma fã do Juiz Sergio Moro envolvida até o pescoço com a corrupção


Empresária que disse que “limparia o país” junto com Moro é intimada pela Lava Jato
"É de cabeça erguida que iremos limpar o país", publicou a empresária Renata Loureiro há poucos dias em suas redes sociais. A mensagem acompanhava uma foto do juiz Sergio Moro. Essa semana, ela foi detida coercitivamente e o seu marido preso por suspeita de desvio de milhões de reais
renata loureiro empresária sergio moro

A Polícia Federal deflagrou, na manhã da última terça-feira (14), a operação Tolypeutes, um desdobramento da Lava Jato no Rio de Janeiro que investiga crimes de corrupção e pagamento de propina em contratos da linha 4 do Metrô.

Tolypeutes é o nome científico do tatu, uma referência ao “Tatuzão”, equipamento utilizado nas escavações das obras do metrô.

Foram presos o diretor da Companhia de Transportes sobre Trilhos do Estado do Rio de Janeiro (Rio Trilhos), Heitor Lopes de Sousa Junior, e o atual subsecretário de Turismo do estado e ex-subsecretário de Transportes, Luiz Carlos Velloso.

A empresária Renata Loureiro Borges Monteiro, esposa de Velloso, foi intimada coercitivamente e levada pela PF para prestar depoimento porque também é suspeita de participação no esquema fraudulento.

O Ministério Público Federal pede o bloqueio de R$ 220 milhões de sete pessoas e três empresas, sendo R$ 12 milhões apenas de Velloso e de sua esposa.
“Limpar o Brasil”

Em uma publicação no último dia 4 de março em seu Facebook pessoal, Renata Loureiro Borges, esposa de Velloso, escreveu: “É de cabeça erguida que iremos limpar o país!”. Na ocasião, a legenda estava acompanhada de uma foto de Sergio Moro.

O post de Renata Loureiro recebeu diversas reações positivas. “Moro é meu herói”, reagiu uma amiga da empresária.

Ironicamente, a operação que prendeu o marido da empresária é um tentáculo da Lava Jato, chefiada por Moro.
Falso moralismo

Casos de falso moralismo exacerbado estão sendo identificados com cada vez mais frequência. Isto é, pessoas corruptas que bradam ‘contra a corrupção’.

Um exemplo emblemático ocorreu no ano passado, durante a votação do impeachment de Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados.

Naquele dia, ao proferir seu voto, a deputada Raquel Muniz citou o seu marido, que era prefeito, como exemplo de ética e de gestor público. Menos de 24 horas depois, ele foi preso por corrupção (relembre aqui).

Posteriormente, a própria deputada virou ré no STF por lavagem de dinheiro.
http://www.pragmatismopolitico.com.br/2017/03/empresaria-que-disse-que-limparia-o-pais-junto-com-moro-e-detida-pela-pf.html

Anônimo disse...

Mais um , o doutor carne podre
Veterinário preso na Operação Carne Fraca pedia prisão de Lula e dizia que Moro era o heroí do país





Preso nesta sexta-feira, 17, na operação Carna Fraca, o médico veterinário Flávio Evers Cassou demonstrava ser anti-petista e fez vários posts defendendo o rigor da Justiça no âmbito da operação Lava Jato; ele compartilhou um publicação da página “União Contra a Corrupção” dizendo que a ex-ministra até teria “muitas qualidades”, mas seria “fundamentalista religiosa”, “comunista de carteirinha” e “amiga íntima do LULADRÃO”

247 – O médico veterinário Flávio Evers Cassou foi preso nesta sexta-feira, 17, pela Polícia Federal, no âmbito da operação Carne Fraca. Ele é funcionário da Seara e suspeito de envolvimento no esquema de pagamento de propina a fiscais agropecuários.

Nas redes sociais, Cassou aparece como um anti-petista e fez vários posts defendendo o rigor da Justiça no âmbito da operação Lava Jato. Em uma postagem feita por Cassou no dia 6 de janeiro de 2015, o veterinário compartilhou um artigo que exalta o trabalho do juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos de 1ª instância da Operação Lava-Jato. “Se o juiz Sérgio Moro (foto) desaparecesse hoje, boa parcela dos empresários que representam o PIB nacional se sentiria aliviada (…) E teríamos festa nos arraiais do PT e seus assemelhados”, diz o primeiro parágrafo do texto.




Ainda em janeiro de 2015, ele republicou um post da página “Dilma Rousseff, NÃO”, que pedia ironicamente a importação de juízes da Indonésia depois da vinda de médicos cubanos. Na ocasião, a imprensa do Brasil repercutia a execução de dois brasileiros condenados no país asiático por tráfico de drogas.

Às vésperas do primeiro turno das eleições de 2014, Cassou apoiava “tirar o Brasil do vermelho”, ao pedir a saída do PT do governo. O executivo era crítico do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva e da então candidata a Presidência Marina Silva.

Ele compartilhou um publicação da página “União Contra a Corrupção” dizendo que a ex-ministra até teria “muitas qualidades”, mas seria “fundamentalista religiosa”, “comunista de carteirinha” e “amiga íntima do LULADRÃO”.

No mural do empresário ainda há publicações de “adote um bandido”, contra o auxílio-reclusão, citações de princípios do ex-presidente americano Abraham Lincoln e pregações de rigidez moral. “Ética é o que você faz quando está todo mundo olhando. O que você faz quando não tem ninguém por perto chama-se caráter”, lê-se em uma imagem compartilhada por ele em dezembro de 2014. https://falandoverdades.com.br/2017/03/17/veterinaria-preso-na-operacao-carne-fraca-pedia-prisao-de-lula-e-dizia-que-moro-era-o-heroi-do-pais/

Postar um comentário