Google+ Até a Folha desmente Aécio: Aécio Neves adota na TV tese enganosa sobre redução do gasto público

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Até a Folha desmente Aécio: Aécio Neves adota na TV tese enganosa sobre redução do gasto público

Comentar a postagem
Quem diria, hein! Aécio mente, a   Folha de São Paulo desmente Aécio

Até a Folha desmente Aécio: Aécio Neves adota na TV tese enganosa sobre redução do gasto públicoA   propaganda  eleitoral na rádio e TV, começou hoje. Mas, pelo visto, começou mal para o tucano Aécio Neves, que está sendo desmascarado pelo jornal Folha de São Paulo,  que o apoia. Na propaganda, Aécio  afirma que vai instaurar uma nova forma de gerir o Brasil: Vai "gastar menos com governo, mais com pessoas".

"Para o governo federal só existe um jeito de governar: o seu", diz o texto de uma das propagandas produzidas pelo PSDB.
 O ex presidente Lula, já disse certa vez que Aécio quer reduzir os ministérios, mas aqueles  que estão ligados aos programas sociais. É não é que o blog "Dinheiro Público" da Folha, resolveu desmentir  o tucano Aécio Neves!?
Leia a seguir o que diz o texto 
Aécio adota na TV tese fácil e enganosa sobre redução do gasto público

Na tentativa de se vacinar contra a acusação de pretender cortar programas sociais, o presidenciável tucano Aécio Neves adotou uma tese fácil e enganosa sobre a redução do gasto público.

“Tem outro jeito: gastar menos com o governo e mais com as pessoas”, diz a propaganda do PSDB na TV.

A mensagem é fácil de defender, por associar a possibilidade de mais benefícios à população à redução do custo da máquina administrativa federal -com um ataque implícito ao aumento do número de ministérios, estatais e cargos promovido pela administração petista.

E é enganosa porque a quase totalidade da escalada das despesas federais nos últimos anos está ligada à área social, ou, nas palavras do candidato, aos gastos “com as pessoas”.

Só os programas tradicionais de transferência de transferência de renda às famílias -aposentadorias, pensões, auxílios, seguro-desemprego, abono salarial e benefícios a idosos e deficientes- saltaram de 6,7% para o equivalente a 9% do PIB (Produto Interno Bruto) entre o final do governo FHC e o ano passado.

Não está nessa conta o Bolsa Família, que unificou e multiplicou os gastos dos programas assistenciais anteriores.

Já os gastos do governo “com o governo” não apresentam sinais visíveis de elevação no período. Os gastos com pessoal ativo e inativo, por exemplo, caíram de 4,8% para 4,2% do PIB.

A redução do número de ministérios e cargos de confiança, defendida por Aécio, pode trazer melhora de gestão, mas não uma economia relevante a ponto de contribuir para o combate à inflação.

Os especialistas que postulam maior controle das despesas federais apontam ser necessário no mínimo reduzir o ritmo de alta dos gastos “com as pessoas”.

Ficou alguma dúvida? Faltou alguma informação?

Nenhum comentário:

Postar um comentário